Desidratação em bombeiros militares após treinamento de combate a incêndio

  • Alessandra Pires da Silva Associação Educacional Luterana Bom Jesus (IELUSC), Joinville-SC, Brasil.
  • Sonia dos Santos Toriani Associação Educacional Luterana Bom Jesus (IELUSC), Joinville-SC, Brasil.
  • Erika Dantas de Medeiros Rocha Associação Educacional Luterana Bom Jesus (IELUSC), Joinville-SC, Brasil.
  • Patricia Carvalho Associação Educacional Luterana Bom Jesus (IELUSC), Joinville-SC, Brasil.
Palavras-chave: Bombeiros, Desidratação, Hidratação, Incêndio

Resumo

A profissão do Bombeiro Militar exige bom preparo físico em virtude das atividades de alta intensidade durante as ocorrências, aliado aos fatores ambientais que influenciam no desempenho físico, como a desidratação após o combate a um incêndio, a hidratação adequada é importante para a recuperação de líquidos perdidos.   Para tal foi avaliar o nível de desidratação após um treinamento de combate a incêndio em Bombeiros Militares de Santa Catarina. Participaram 8 bombeiros de ambos os sexos, na faixa etária de 18 a 59 anos, foram coletadas variáveis antropométricas de peso corporal em quilogramas (kg) antes e após o treinamento chamado de "Comportamento extremo de fogo, ações para o combate", realizado em um container que chegou a uma temperatura de aproximadamente 700°C, os bombeiros ficavam 10 minutos em posição agachados segurando a mangueira para realizar a equalização térmica. Todos equipados com equipamentos de proteção individual. Para verificar nível de desidratação foi aplicado o protocolo de desidratação proposta por ACMS, os dados analisados no excel 2010 e aplicada a estatística descritiva. O resultado mostrou sinais e sintomas de pré-desidratação, média de perda hídrica de 0,61% e taxa de sudorese de 45 ml/min e 100% dos bombeiros não ingeriram água antes do treinamento, 75% relataram sensação de “boca seca†e sede após. Conclui-se que se em 10 minutos de exposição ao calor, nestas condições houve perda hídrica de 45ml/min, em 1 hora atingiria aproximadamente 2,7L/h. valor de desidratação. Por isso é imprescindível a garantia de uma hidratação adequada antes e após atividades dos bombeiros.

 

ABSTRACT

Dedication of military fire Fighters after fire fighting training 

The Military Firefighter's profession requires good physical training due to high-intensity activities during occurrences, along with environmental factors that influence physical performance, such as dehydration after fighting a fire, adequate hydration is important for recovery of liquids lost. In order to do so, it was necessary to evaluate the level of dehydration after a firefighting training in Fire Brigade of Santa Catarina. Eight firefighters of both sexes, aged between 18 and 59 years, participated in anthropometric variables of body weight in kilograms (kg) before and after the training called "Extreme behavior of fire, actions for combat", held in a container that reached a temperature of approximately 700 ° C, the firefighters remained in position for 10 minutes crouched holding the hose to perform the thermal equalization. All equipped with personal protective equipment. To verify dehydration level, the dehydration protocol proposed by ACMS was applied, the data analyzed in excel 2010 and applied to descriptive statistics. The result showed signs and symptoms of pre-dehydration, mean water loss of 0.61% and rate of sweating of 45 ml / min and 100% of firefighters did not ingest water before training, 75% reported "dry mouth" sensation and thirst after. It is concluded that if in 10 minutes of exposure to heat, under these conditions there was a water loss of 45ml / min, in 1 hour it would reach approximately 2.7L / h. dehydration value. Therefore it is essential to ensure adequate hydration before and after firefighter activities.

Biografia do Autor

Alessandra Pires da Silva, Associação Educacional Luterana Bom Jesus (IELUSC), Joinville-SC, Brasil.
Nutrição

Referências

-American College of Sports Medicine. Position Stand: Exercise and fluid replacement. Medicine Science Sports Exercises. Vol. 29. p. 1-11. 2016.

-Angerer, P.; Gebhardt, K.; Delius, M.; Nowak, D. A. J. C. Comparação de tensão cardiocirculatória e térmica de bombeiros masculinos durante a supressão de fogo para teste de esforço e teste de exercícios aeróbicos. Vol. 11. Num. 102. 2008. p. 1551-1556.

-Azevedo, P.S.; Pereira, F.W.L.; Paiva, S.A.R. Ãgua, Hidratação e Saúde. Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. 2016. p. 6-14.

-Borusch, E.; Santos, M.C.R.; Guertzensten, V.; Zen, V.; Silva, S.G. Desidratação em jogadores de futebol juniores. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 1. Num. 4. 2007. p. 1-10. Disponível em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/32>

-Évora, P.R.B.; Reis, C.L.; Ferez, M.A.; Conte, D.A.; Garcia, L.V. Distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio acidobásico – uma revisão prática. Medicina, Ribeirão Preto. Vol. 32. Num. 4. 1999. p. 451-469.

-Ferreira, A.B.; Lima, V.A.; Souza, W.C.; Grzelczak, M.T.; Mascarenhas, L.P.G. Análise do nível de desidratação em atletas de boxe chinês. UNIABEU Belford Roxo. Vol. 8. Num. 20. 2015. p. 252-267.

-Guerra, I. Importância da Alimentação e da Hidratação do Atleta. Revista Mineira de Educação Física. Vol. 12. Num. 2. 2004. p. 159-173.

-Horn, G.P.; Deblois, J.; Shalmyeva, I.; Smith, D.L. Quantificando a desidratação no serviço de incêndio usando métodos de campo e novos dispositivos. Pre hosp Emerg Care. Vol. 3. Num. 16. 2012. p. 347-355.

-Pereira, G.S.; Liberali, R.; Navarro, F. Grau de Desidratação Após Treinamento em Atletas de Futebol da Categoria Sub-18. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 6. Num. 33. 2012. p. 234-240. Disponível em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/32>

-Perrella, M.M.; Noriyuki, P.S.; Rossi, L. Avaliação da perda hídrica durante treino intenso de rugby. Revista Brasileira Medicina do Esporte. Vol. 11. Num. 4. 2005. p. 229-232.

-Picolli, M.L.; Junior, A.L.B. Hidratação, desidratação e atividade física. Revista Digital Buenos Aires. Vol. 16. Num. 165. 2012.

-Pompermayer, M.G.; Rodrigues, R.; Lupion, R.O.; Baroni, B.M.; Geremia, J.M.; Meyer, F.; Vaz, M.A. Efeitos da desidratação e reidratação sobre o índice de esforço fisiológico durante exercício prolongado no calor. XII Salão de Iniciação Científica PUCRS. 2011.

-Reis, V.A.B.; Azevedo, C.O.E.; Rossi, L. Perfil Antropométrico e Taxa de Sudorese no Futebol Juvenil. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 2. Num. 11. 2009. p. 134-141.

-Ribeiro; J.O.S.; Liberali, R. Hidratação e exercício físico - revisão sistemática. Revista Brasileira Nutrição Esportiva. Vol. 4. Num. 24. 2010. p. 506-514. Disponível em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/222>

-Serafim, A. L; Vieira, E. L.; Lindemann, I. L. Importância da água no organismo humano. Vol. 24. Num. 41. 2004. p. 147-157.

-Walker, A.; Pope, R.; Orr, R.M. The Impact of Fire Suppression Tasks on Firefighter Hydration: a Critical Review with Consideration of the Utility of reported Hydration Measures. Annals of Occupational and Environmental Medicine. Vol. 28. Num. 63. 2016. p. 1-10.

Publicado
2018-08-26
Como Citar
Pires da Silva, A., Toriani, S. dos S., Rocha, E. D. de M., & Carvalho, P. (2018). Desidratação em bombeiros militares após treinamento de combate a incêndio. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 12(72), 537-541. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1081
Seção
Artigos Científicos - Original