Consumo de carne com gordura aparente em adultos de Cataguases-MG

Braian Rodrigues Campos, Monique Ferenzini Gutierrez Sobreira, Mara Lúcia Farias Lopes e Silva, Camila Soares Furtado Couto, José De Alencar Ribeiro Neto, Wellington Segheto

Resumo


Introdução e Objetivo: Dentre os alimentos que compõem a alimentação, a carne é um componente importante.  Apesar de serem ricas em nutrientes, deve-se evitar o consumo de carnes com gorduras visíveis. O objetivo desse estudo foi avaliar a associação do consumo de gordura visível na carne em adultos com variáveis sociodemográficas e comportamentais. Materiais e Métodos: Estudo transversal, com 357 adultos, na faixa etária de 20 a 35 anos. A variável dependente foi consumo excessivo de gordura aparente na carne e as variáveis exploratórias o sexo, idade, cor da pele, estado civil, renda mensal, nível de atividade física, tempo de tela, consumo de frutas, verduras ou legumes e de refrigerantes e o estado nutricional. Utilizou-se a estatística descritiva e a associação entre as variáveis foi realizada através da regressão de Poisson.  Resultados/Discussão: O consumo de gordura visível na carne foi relatado por 40,48% dos avaliados, estando o sexo feminino negativamente associado (RP 0,55 IC95% 0,41 – 0,75) enquanto o hábito de tomar refrigerantes 3 ou mais dias por semana esteve positivamente (RP 1,66 IC95% 1,22 – 2,26) ao consumo de gordura visível na carne. Após ajustes, o sexo feminino manteve-se negativamente associado (RP 0,58 IC95% 0,42 – 0,78) e o consumo de refrigerantes esteve positivamente associado (RP 1,60 IC95% 1,17 – 2,18) ao consumo de gordura visível na carne. Conclusão: O consumo de excesso de gordura visível na carne foi elevado, mantendo-se associado ao sexo e ao consumo de refrigerantes. Ações educativas devem ser implementadas para orientação quanto ao consumo excessivo de gorduras.

 

ABSTRACT 

Consumption of meat with apparent fat in adults of Cataguases-MG

Introduction and Objective: Among the foods that make up the diet, meat is an important component. Although they are rich in nutrients, you should avoid eating meat with visible fats. The objective of this study was to evaluate the association of visible fat intake in the meat in adults with sociodemographic and behavioral variables. Materials and Methods: This was a cross-sectional study with 357 adults aged 20-35 years. The dependent variable was excessive consumption of apparent fat in the meat and the exploratory variables were sex, age, skin color, marital status, monthly income, level of physical activity, screen time, consumption of fruits, vegetables or soft drinks and nutritional status. Descriptive statistics were used and the association between the variables was performed through the Poisson regression. Results and Discussion: The consumption of visible fat in the meat was reported by 40.48% of the evaluated ones, being the female sex negatively associated (RP 0.55 95% CI 0.41 - 0.75) while the habit of taking 3 or more days per week was positively (RP 1.66 CI 95% 1.22 - 2.26) to the consumption of visible fat in meat. After adjustments, the female sex was negatively associated (RP 0.58 95% CI 0.42 - 0.78) and the consumption of soft drinks was positively associated (RP 1.60 CI 95% 1.17 - 2.18). consumption of visible fat in the meat. Conclusion: The consumption of excess fat visible in the meat was high, remaining associated with sex and the consumption of soft drinks. Educational actions should be implemented for guidance on excessive consumption of fats.


Palavras-chave


Consumo alimentar; Carnes; Gordura; Adultos; Inquérito

Texto completo:

PDF

Referências


-Avila, J. C.; Luz, V. G.; Assumpção, D.; Fisberg, R. M.; Barros, M. B. A. Meat intake among adults: a population-based study in the city of Campinas, Brazil. A cross-sectional study. São Paulo Medical Journal. Vol. 134. Num. 2. 2016. p. 138-145.

-Batista Filho, M.; Rissin, A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 19. Sup. 1. 2003. p. S181-S191.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2008: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 554 p.: il. (Série G. Estatística e Informação em Saúde).

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças e Agravos não transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, Vigitel 2011. Brasília: Ministério da Saúde 2012. p. 134.

-Brasil, Ministério da Saúde. Consumo de gordura saturada oferece riscos à saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 2014.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. 2ª edição. 1ª reimpr. Brasília. Ministério da Saúde, 2014. 156p. il.

-Brasil. Ministério do Brasil. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 160p.: il.

-Carvalho, A. M.; César, C. L. G.; Fisberg, R. M.; Marchioni, D. M. L. Excessive meat consumption in Brazil: diet quality and environmental impacts. Public Health Nutrition. São Paulo-SP. Vol. 16. Num. 10. 16 2012. p.1893-189.

-Carvalho, A.M.; Piovezan, L.G.; Selem, S.S.A.C.; Fisberg, R.M.; Marchioni, D.M.L. Validação e calibração de medidas de peso e altura autorreferidas por pessoa da cidade de São Paulo [Validação e calibração de peso e estatura auto-relatados de indivíduos na cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 17. Num. 3. 2014. p. 735-746.

-Colmenero, F.; Sánchez-Muniz, F.J.; Olmedilla-Alonso, B. (editors). La carne y productos cárnicos como alimentos funcionales. Madrid: FEN y Editec@Red S.L.; 2004.

-Cross A.J.; Leitzmann M.F.; Gail M.H.; Hollenbeck A.R.; Schatzkin A.; Sinha R. A. Prospective Study of Red and Processed Meat Intake in Relation to Cancer Risk. PLoS Medicine. Vol. 4. Num. 12. 2007. p. 1973-1984.

-Duffey K.J.; Popkin B.M. Adults with healthier dietary patterns have healthier beverage patterns. Journal of Nutricion. Vol. 136. Num. 11. 2006. p. 2901-2907.

-Duncan, B. B.; e colaboradores. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Revista de Saúde Pública. Vol. 46. Num. 1. 2012. p. 126-134.

-Faludi, A. A.; e colaboradores. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose - 2017. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. Vol. 109. Num. 2. Supl. 1. p. 1-76.

-Food and Agriculture Organization (FAO). Animal Production and Health Division. Livestock’s Long Shadow: Environmental Issues and Options - LEAD. Roma: FAO. 2006.

-Haskell, W.L.; Lee, I.M.; Pate, R.R.; Powell, K.E.; Blair, S.N.; Franklin, B.A. Physical Activity and Public Health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Medicine Science Sport Exercise. Vol. 39. Num. 8. 2007. p 1423-1434.

-Kac, G.; Velásquez-Meléndez, G. A transição nutricional e a epidemiologia da obesidade na América Latina. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 19. Sup. 1. 2003. p. S4-S5.

-Ribeiro, A. G.; Cotta, R. M. M.; Ribeiro, S. M. R. A promoção da saúde e a prevenção integrada dos fatores de risco para doenças cardiovasculares. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 17. Num. 1. 2012. p. 7-17.

-Rocha, T. M. R. Perfil de risco cardiovascular em amostras de estudante de ensino secundário da região de Lisboa. Dissertação de Mestrado em Epidemiologia. Faculdade de Medicina de Lisboa. Universidade de Lisboa. Lisboa. 2010.

-Santos. R.D.; Gagliardi, A.C.M.; Xavier, H.T.; Magnoni, C.D.; Cassani, R.; Lottenberg, A.M.P. e colaboradores. I Diretriz sobre o consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. Vol. 100. Num. 1. Supl. 3. 2013. p. 1-40.

-Schneider, B. C.; Duro, S. M. S.; Assunção, M. C. F. Consumo de carnes por adultos do sul do Brasil: um estudo de base populacional. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. Vol. 19. Num. 8. 2014. p. 3583-3592.

-Vartanian, L.R.; Schwartz, M.B.; Brownell, K.D. Effects of soft drink consumption on nutrition and health: a systematic review and meta-analysis. American Journal of Public Health. Vol. 97. Num. 4. 2007. p. 667-675.

-Whitney, E.; Rolfes, S. R. Nutrição 1: entendendo os nutrientes. São Paulo. Cengage Learning. 2008.

-World Health Organization. The World Health Report 2002: Reducing Risks, Promoting Healthy Life. Geneva, WHO. 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui