Relação da vigorexia com o uso de esteroides anabolizantes em praticantes de treinamento de força

Arythan Albuquerque de Macedo, Julio Cesar Chaves Nunes Filho, Robson Salviano de Matos, Daniel Vieira Pinto, Luís Felipe Viana Correia, Marilia Porto Oliveira Nunes

Resumo


Introdução: O uso de esteroides anabólicos andrógenos (EAA) tem sido relatado como presente em diversas modalidades esportivas, associado ao uso deles está a ocorrência de distúrbios de autoimagem. A vigorexia é um desses distúrbios mais comumente verificados.  Objetivos: Relacionar a vigorexia com o uso de esteroides anabolizantes em praticantes de treinamento de força (TF) dentro de Centros de Treinamento Esportivo (CTE). Materiais e Métodos: pesquisa tipo transversal, quantitativa com abordagem descritiva, realizada no período de outubro de 2017 a junho de 2018 em dois CTE, localizada na zona periférica da cidade e na zona nobre.  Composta por 40 voluntários, 20 da zona periférica (ZP) e 20 da zona nobre (ZN), classificados como vigoréxicos, de acordo com o Questionário de Complexo de Adônis. Os voluntários também preencheram um questionário com perguntas relacionadas ao uso de esteroides anabolizantes. Para a comparação dos dados foi utilizado o teste T de Student para amostras independentes, já para associação entre os dados qualitativos foi utilizado o teste de Qui-Quadrado. Resultados: Os participantes de ZN e ZP a tinham idade de (28,7 ± 4,77 anos) e (32,42 ± 6,03 anos) respectivamente (p=0,03). Foi verificado um maior percentual de uso de EAAs em ZN (80%), quando comparado com ZP (45%) (p=0,08). Os EAAs mais utilizados percentualmente foram, Durateston®(84%), Winstrol® (80%) e Deca Durabolin(44%). Em ambos grupos o fator principal para o uso de esteroides foi a estética (p<0,05). Já para o acompanhamento médico durante a utilização de EAAs não houve associação entre os grupos, ou seja, independente da classe social a procura foi a mesma (p<0,05). Sobre o acompanhamento médico para prevenção de doenças, 100% dos participantes de ambos grupos não faziam este tipo de procedimento. Conclusão: Praticantes de treinamento de força com vigorexia da zona nobre utilizam proporcionalmente mais esteroides anabolizantes do que os da zona periférica; existe diferença distribuição na motivação do uso de esteroides entre os dois grupos; Os esteroides mais utilizados são Durateston®, stanazolol e Deca Durabolim®, com a finalidade principal relacionada a estética.


Palavras-chave


Esteroides; Treinamento de resistência; Transtornos dismórficos corporais

Texto completo:

PDF

Referências


-Abrahin, O. S. C.; Sousa, E. C. Esteroides anabolizantes androgênicos e seus efeitos colaterais: uma revisão crítico-científica. Rev. Educ. Fis. UEM. Maringá. Vol. 24. Num. 4. 2013. p.669-679.

-Azevedo, A. P.; Ferreira, A. C.; Da Silva, P. P.; Caminha, I. D. O.; Freitas, C. D. Dismorfia muscular: A busca pelo corpo hipermusculoso. Motricidade. Vol. 08. Num. 01. 2012, p53-66.

Calderon, F. Técnicas de Musculação. São Paulo. Marco Zero. 2006.

-Cole, J. C.; Smith, R.; Halford, J. C.; Wagstaff, G. F. A preliminary investigation into the relationship between anabolic androgenic steroids use and the symptoms of reverse anorexia in both current and ex users. Psychopharmacology. Vol. 166. Num. 4. 2003. p.424-429.

-González-Martí, I.; Fernández-Bustos, J. G.; Jordán, O. R. C.; Sokolova, M. Dismorfia Muscular: detección del uso-abuso de esteroides anabolizantes androgénicos en una muestra española. Adicciones. Vol. 30. Num. 4. 2018. p.243-250.

-Hildebrandt, T.; Lai, J. K.; Langenbucher, J. W.; Schneider, M.; Yehuda, R.; Pfaff, D. W. The diagnostic dilemma of pathological appearance and performance enhancing drug use. Drug and alcohol dependence. Vol. 114. Num. 1. 2011. p. 1-11.

-Iriart, J.A.B.; Chaves, J.C.; Orleans R.G. Culto ao corpo e uso de anabolizantes entre praticantes de musculação. Cad Saúde Pública. Vol. 25. Num. 4. 2009. p.773-782.

-Kanayama, G.; Hudson, J.I.; Pope, JR. H. G. features of men with anabolic-androgenic steroid dependence: a comparison with nondependent aas users and with aas nonusers. drug and alcohol dependence. vol. 102. Bum. 1-3. 2009. p.1030-1137.

-Kreider, R.B.; Wilborn, C.D.; Taylor, L.; Campbell, B.; Almada, A.L.; Collins, R.; Cooke, M.; Earnest, C.P.; Greenwood, M.; Kalman, D.S.; Kerksick, C.M.; Kleiner, S.M., Leutholtz, B.; Lopez, H.; Lowery, L.M.; Mendel, R.; Smith, A.; Spano, M.; Wildman, R.; Willoughby, D.S.; Ziegenfuss, T.N.; Antonio, J. Exercise e sport nutrition review: research e recommendations. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 7. Num. 1. 2010. p.1-43.

-Nogueira, F. R. S.; de Freitas Brito, A.; Vieira, T. I.; de Oliveira, C. V. C.; Gouveia, R. L. B. Prevalência de uso de recursos ergogênicos em praticantes de musculação na cidade de João Pessoa, Paraíba. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 37. Num. 1. 2015. p.56-64.

-Olivardia, R.; Pope, H. G. Y.; Hudson, J. Muscle dysmorphia in male weightlifters: a case-control study. American Journal of Psychiatry. Vol. 157. Num. 8. 2000. p.1291-1296.

-Pope, H. G. Y., Phillips, K. A., Olivardia, R. O Complexo de Adônis: a obsessão masculina pelo corpo. Tradução Sérgio Teixeira. Rio de Janeiro. Editora Campus. 2000.

-Pope, C. G.; Pope, H. G. Y., Menard, W., Fay, C.; Olivardia, R., Phillips, K. Clinical features of muscle dysmorphia among males with dysmorphic disorder. Body Image, Vol. 2. Num. 4. 2005. p.395-399.

-Rocha, M.; Barthichoto, M.; Lopes, J.; Costa, K.; Nacif, M. Vigorexia: um distúrbio da imagem corporal. Lecturas Educación Fisica y Deportes, Revista digital. Buenos Aires. Vol. 18. Num. 181. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui