Avaliação do perfil antropométrico e de força de MMSS em praticantes de Judô e Jiu-Jitsu

  • Carlos Alberto da Silva Instituto de Educação Física e Esportes, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza-CE, Brasil.
  • Abraham Lincoln de Paula Rodrigues Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade de Fortaleza, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Felipe Diego Galdino Instituto de Educação Física e Esportes, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza-CE, Brasil.
Palavras-chave: Avaliação, Perfil antropométrico, Força, Judô, Jiu-Jitsu

Resumo

O estudo objetivou avaliar o perfil antropométrico e de força de MMSS de praticantes de judô e jiu-jítsu. Foi um estudo descritivo e do tipo transversal onde foram avaliados 43 sujeitos sendo 22 praticantes de judô com média de idade de 20,7 ± 4,9 e tempo de treino médio de 6 anos ± 6,9, e de 21 praticantes de jiu-jítsu com média de idade de 23,4 ± 4,8 e tempo de treino médio de 4,2 anos ± 3,6. Foram analisadas as variáveis do índice de massa corpórea (IMC), e a força muscular de membros superiores (MMSS) através da força estática (dinamometria). Os praticantes de judô mostraram média de IMC de 24,5 ± 2,8 quando que os sujeitos praticantes de jiu-jítsu apresentaram média de 26,4 ± 5,0. Na variável força muscular de MMSS obtivemos os seguinte resultados para mão dominante na modalidade judô média de 47,9 ± 9,7 e jiu-jítsu média de 50,8 ± 5,9, e para mão não dominante na modalidade judô média de 47,2 ± 8,4 e jiu-jítsu média de 48,0 ± 5,6. Na variável velocidade de explosão de MMSS os resultados obtidos para as modalidades analisadas respectivamente foram médias de 429,3 ± 34,0 e 426,5 ± 45,8. Em conclusão, percebe-se que em ambas as modalidades, os praticantes apresentaram características antropométricas semelhantes, e ótimos níveis de força de MMSS, que ao serem comparados apresentaram diferenças significativas quando se tratou da mão dominante dos atletas, já em relação a mão não dominantes não se encontrou diferenças significativas entre os grupos.

Biografia do Autor

Abraham Lincoln de Paula Rodrigues, Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade de Fortaleza, Fortaleza-CE, Brasil.

Referências

-Andreato, L.V.; e Colaboradores. Perfil morfológico de atletas de elite de brazilian jiu-jítsu. Rev Bras Med Esporte. Vol. 18. Num. 1. 2012.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional-SISVAN - Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília. Ministério da Saúde. 2011.

-Cardoso, I. M.; Silva, A. S.; Ayama, S.; Alonso, A. C. Avaliação da flexibilidade muscular da cadeia posterior em judocas e em indivíduos não praticantes de atividade física. Rev. CPAQV. Vol. 7. Num. 3. 2015.

-Cirino, C. Estudo das situações de combate da luta de judô: uma análise das interações técnico-táticas. Dissertação de Mestrado à Universidade Estadual de Campinas. 2016.

-Costa, R. P.; Oliveira, F. B. Mensuração da força de preensão palmar em atletas de jiu-jítsu. VII Congresso goiano de ciências do esporte. 2011.

-Dimare, M.; Del Vecchio, F. B.; Xavier, B. E. B. Força de preensão manual, nível de atividade física e qualidade de vida de competidores máster de judô. Rev Bras Educ. Fís. Esporte. São Paulo. Vol. 30. Núm. 4. p. 837-845. 2016.

-Farias, J. M. Orientação para prevenção e controle da obesidade juvenil: um estudo de caso. Dissertação de Pós-graduação à Universidade Federal de Santa Catarina. 2005.

-Fontenelle, A. Metodologia científica: Como definir os tipos de pesquisa do seu TCC? 2017.

-Lima, M. C.; Kubota, L. M.; Monteiro, C. B. M.; Baldan, C. S.; Pompeu, J. E. Força de preensão manual em atletas de judô. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 20. Num. 3. 2014.

-Lima, V. A.; Leite, N.; Decimo, J. P.; Souza, W. C.; Mascarenhas, L. P. G. Análise do nível de desidratação de atletas de jiu-jítsu. Rev. Arquivos em Movimento. Vol.11. Num.2. 2015. p.19-28.

-Maçaneiro, G. G. B. Do judô ao Gracie jiu-jítsu: a influência do judô kodokan na idealização e no desenvolvimento do jiu-jítsu brasileiro. TCC de graduação à Universidade Federal de Santa Catarina. 2012.

-Nascimento, A. P. C. Potencialização da pós-ativação na força através do treinamento funcional em atletas de jiu-jítsu. Revista Hórus. Vol. 6. Num. 1. 2011. p. 235-242.

-Nascimento, M. F; Benassi, R; Caboclo, F. D; Salvador, A. C. S; Gonçalves, L. C. O. Valores de referência de força de preensão manual em ambos os gêneros e diferentes grupos etários. Um estudo de revisão. EFDeportes.com. Revista Digital. Buenos Aires. Ano 15. Num. 151. 2010.

-Neto, A. S.; Dechechi, C. J. Efeito de treinamento de resistência anaeróbica específico para atletas de jiu-jítsu quanto à força de preensão manual e potência muscular. Revista Hórus. Vol. 5. Num. 2. 2010. p. 188-209.

-Paula, V. F.; Mendes, O. C.; Krug, A. O. Força de atletas de nível estadual de jiu-jítsu em período competitivo. Revista Educação Física Unifafibe. Bebedouro-SP. Vol. 6. 2018.

-Preux, C. G. S.; Guerra, T. C. Perfil da aptidão física de praticantes de judô do centro universitário do leste de Minas Gerais. Movimentum. Revista Digital de Educação Física. Ipatinga. Unileste-MG. Vol. 1. 2006.

-Poderoso, A. C. G.; Poderoso, R. Perfil antropométrico de praticantes de jiu-jítsu da cidade de Cascavel-PR. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires. Ano 16. Num. 159. 2011.

-Romcy, D. M. L.; Rodrigues, A. L. de P.; Palacio, D. Q. A.; Silva, I. A. Silva, C. A. Perfil da ingestão de macronutrientes em atletas de jiu-jitsu: estudo comparativo entre o período pré-competitivo e o período normal de treino. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 12. Num. 79. Suplementar 2. 2018. p.1023-1028.

-Solis, M. Y.; e Colaboradores. Avaliação do perfil dietético e antropométrico de atletas de judô de um clube de São Paulo. Revista digital. Buenos Aires. Ano 13. Num. 128. 2009.

-Viana, C. M.; pereira, E. S. Morfologia, preensão manual e capacidade motora específicas de judocas adultos do gênero masculino. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. IFCE. 2016.

-Zonta, F. S. C.; Bergozza, F. C. B.; Liberali, R. Perfil dietético e antropométrico de atletas de judô de uma equipe do oeste catarinense. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 5. Num. 28. 2011.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
da Silva, C. A., Rodrigues, A. L. de P., & Galdino, F. D. (2020). Avaliação do perfil antropométrico e de força de MMSS em praticantes de Judô e Jiu-Jitsu. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 13(82), 976-986. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1500
Seção
Artigos Científicos - Original