Amplitude de movimento de quadril associada ao índice de massa corporal em idosos

  • Francisco das Chagas Araújo Sousa Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual do Piaui (UESPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Jordana Priscila Rodrigues de Oliveira Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Raimundo Robson Silva Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Augusto Cesar Evelin Rodrigues Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Evaldo Hipolito de Oliveira Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Roseane Mara Cardoso Lima Verde Doutoranda em Engenharia Biomédica, Universidade Brasil, Brasil.
  • Raimundo Nonato Cardoso Miranda Junior Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Francisco Laurindo da Silva Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), São Luís-MA, Brasil.
  • Halmisson Darley Santos Siqueira Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Francisléia Falcão França Santos Siqueira Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), São Luís-MA, Brasil.
  • Wenderson Costa da Silva Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Nathália Martins Rodrigues de Sousa Miranda Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Luis Alberto de Sousa Rodrigues Faculdade Facid Wyden (FACYD), Teresina-PI, Brasil.
  • Cirley Pinheiro Ferreira Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.
  • Eduardo Vidal de Melo Faculdade do Paiuí (FAPI), Teresina-PI, Brasil.
Palavras-chave: Idoso, Atividade Motora, Amplitude de Movimento Articular, Índice de Massa Corporal

Resumo

Introdução: A amplitude de movimento (ADM) é definida como o deslocamento angular de uma articulação. Esse deslocamento é necessário para a realização de atividades funcionais e varia de indivíduo para indivíduo dependendo da idade, sexo, prática de atividade física, presença ou ausência de disfunção e o grau de força muscular. A avaliação da ADM é utilizada na avaliação física para identificar limitações articulares e permitir aos profissionais o acompanhamento de modo quantitativo a eficácia das intervenções aplicadas. Objetivo: analisar a amplitude de movimento de quadril associada ao índice de massa corporal em idosos. Matérias e Método:  O estudo tratou-se de uma pesquisa experimental, transversal com abordagem quantitativa. Foram avaliados 60 idosos (30 Centro de Convivência dos Idosos - CCI e 30 das Academias ao Ar Livre - AAL) com idade entre 60 a 70 anos, de ambos os sexos. Resultados e discussão: O estudo apresentou prevalência de idosos do sexo feminino, que praticavam atividades de forma independente e que possuíam pelo menos um tipo de lesão. No CCI havia a presença de um profissional de Educação Física, o que não foi constatado na AAL. As doenças mais comuns entre os dois grupos foram Hipertensão, Diabetes e Osteoartrites. Em ambos novamente, o IMC apresentou-se elevado e a ADM baixa, e quando correlacionado com a ADM mostrou-se inversamente proporcional. Conclusão: Conclui-se que a prevalência de idosos com sobrepeso, lesionados e praticantes de atividade física sem um programa de exercícios individualizados podem contribuir para a ADM baixa.        

Biografia do Autor

Francisco das Chagas Araújo Sousa, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual do Piaui (UESPI), Teresina-PI, Brasil.
Professor Adjunto da disciplina de Fisiologia do Curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da UESPI.
Jordana Priscila Rodrigues de Oliveira, Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.

Graduada em Educação Física pelo UniFacema, Caxias-MA, Brasil.

Raimundo Robson Silva, Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.

Educador Físico, Professor auxiliar do UniFacema, Caxias-MA, Brasil.

Augusto Cesar Evelin Rodrigues, Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.

Médico Veterinário, Mestre em Epidemiologia pela Fiocruz e professor Assistente do UniFacema, Caxias-MA, Brasil.

Evaldo Hipolito de Oliveira, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brasil.

Farmacêutico Bioquímico, Doutor em Biologia dos Agentes Infecciosos e Parasitários pela UFPA e professor Associado da UFPI, Teresina-PI, Brasil.

Roseane Mara Cardoso Lima Verde, Doutoranda em Engenharia Biomédica, Universidade Brasil, Brasil.

Engenharia Biomédica, Universidade Brasil, Brasil.

Raimundo Nonato Cardoso Miranda Junior, Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.

Farmacêutico Bioquímico, Doutor em Biologia dos Agentes Infecciosos e Parasitários pela UFPA e professor Adjunto do UniFacema, Caxias-MA, Brasil.

Francisco Laurindo da Silva, Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), São Luís-MA, Brasil.

Biólogo, Doutor em pela Universidade Federal de Minas Gerais e professor Adjunto do UniFacema, Caxias-MA.

Halmisson Darley Santos Siqueira, Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.

Farmacêutico, Mestre em Farmacologia pela UFPI e professor assistente do UniFacema Caxias-MA, Brasil.

Nathália Martins Rodrigues de Sousa Miranda, Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.

Nutricionista, Especialista em Nutrição Clínica e Esportiva, preceptora do curso de Nutrição do UniFacema, Caxias-MA, Brasil.

Cirley Pinheiro Ferreira, Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema), Caxias-MA, Brasil.

Educadora Física, Especialista em Nutrição e atividade Física pela UESPI e professora auxiliar do UniFacema, Caxias-MA, Brasil.

Referências

-Batista, L.H.; Camargo, P.R.; Aiello, G.V.; Oishi J.; Salvini, T.F. Avaliação da amplitude articular do joelho: correlação entre as medidas realizadas com o goniômetro universal e no dinamômetro isocinético. Rev. bras. fisioter. São Carlos. Vol. 10. Num. 2. 2006. p.193-198.

-Batista, N.N.L.A.; Vieira, L.D.J.N.; Silva, G.M.P. Caracterização de idosos participantes de atividade física em um centro de convivência de Teresina-PI. Revista Enfermagem em Foco. Vol. 3. Num. 1. 2012. p.07-11.

-Bruni, B.M.; Granado, F.B.; Prado, R.A. Avaliação do equilíbrio postural em idosos praticantes de hidroterapia em grupo. Mundo Saúde. São Paulo. Vol. 32. Num. 1. 2008. p.56-63.

-Busnello, F.M. Aspectos Nutricionais no Processo do Envelhecimento. São Paulo. Atheneu. 2007.

-Carvalho, C.E.; Silva, R.A.; Gil, A.W.; Oliveira, M.R.; Nascimento, J.A.; Oliveira, D.A. A.P. Relationship between foot posture measurements and force platform parameters during two Lopes e colaboradores. Pressão plantar, amplitude de movimento e quedas 177 balance tasks in older and younger subjects. J Phys Ther Sci. Vol. 27. Num. 3. 2015. p.705-10.

-Costa, L.M.; Mattiello, N.; Hoch, R.M.; Bagnara, I. C. Importância da atividade física para a terceira idade. EFDeportes. Buenos Aires. Num. 170. 2012.

-Félix, L.N.; Souza, E.M.T. Avaliação nutricional de idosos em uma instituição por diferentes instrumentos. Rev. Nutr. Campinas. Vol. 22. Num. 4. 2009. p.571-580. 2009.

-Gomes, F.S.; Anjos, L.A.; Vasconcellos, M. T. L. Anthropometry as a tool for assessing the nutritional status of adolescentes. Rev. Nutr. Campinas. Vol.23. Num. 4. 2010. p. 591-605.

-Katz, S.; Ford, A.B.; Moskovitz, R.W.; Jackson, B.A; Jaffe, M.W. Studies of Illness in the Aged. Jama. Vol. 185. Num. 12. 1963. p.914-919.

-Kisner, C.; Colby, L. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. 4ª edição. Manole. 2005.

-Lima, F.V.; Pereira, D.G.; Diniz, R.C.R.; Santiago, D.C.G.; Alves, B.P.; Chagas, M.H. Efeito da amplitude de movimento no número máximo de repetições no exercício supino livre. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte. São Paulo. Vol.26. Num. 4. 2012. p.571-79.

-Lipschitz, D.A. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Care. Vol. 21. Num. 1. 1994. p.55-67.

-Monteiro, G.A. Avaliação da Flexibilidade: Manual de Utilização do Flexímetro Sanny. 1 ed. São Bernardo do Campo. American Medical do Brasil. 2000.

-Norkin, C.C.; White, D.C. Medida do movimento articular: manual de goniometria. 2ª edição. Porto Alegre. Artmed.1997.

-Novikof, F.C.; Muniz, R.D.F.; Triani, F. S. Os benefícios do treinamento de força em idosos. FDeportes. Buenos Aires. Num. 175. 2012.

-Porto, J. C. Longevidade: atividade física e envelhecimento. Maceió. Edufal. 2008.

-Rebelatto, J.R.; Calvo, J.I.; Orejuela, J. R.; Portillo, J. C. Influência de um programa de atividade física de longa duração sobre a força muscular manual e a flexibilidade corporal de mulheres idosas. Rev Bras Fisioter. São Carlos. Vol. 10. Num. 1. 2006. p.127-32.

-Rech, C.R.; Petroski, E.L.; Böing, O.; Júnior, R. J. B.; Soares M. R. Concordância Entre as Medidas de Peso e Estatura Mensuradas e Auto-Referidas para o Diagnóstico do Estado Nutricional de Idosos Residentes no Sul do Brasil. Rev Bras Med Esporte. Vol. 14. Num. 2. 2008. p. 126-131.

-Reis, F.F.; Mota, J.S.; Schmidt, P.A.A. prática de atividade física em parques públicos sem orientação de um profissional. EFDeportes. Buenos Aires. Num.185. 2013.

-Silva, M.; Rabelo, H.T. Estudo comparativo dos níveis de flexibilidade entre mulheres idosas praticantes de atividade física e não praticantes. Revista Digital de Educação Física. Ipatinga. Vol. 1. 2006.

-Singh, D.K.A.; Bailey, M.; Lee, R.Y.W. Ageing modifies the fibre angle and biomechanical function of the lumbar extensor muscles. Clin Biomech. Vol. 26. Num. 6. p.543-7. 2011.

-Venturini, C.; Ituassú, N.T.; Teixeira, L.M.; Deus, C.V.O. Confiabilidade de dois métodos de avaliação da amplitude de movimento ativa de dorsiflexão do tornozelo em indivíduos saudáveis. Rev. bras. Fisioter. São Carlos. Vol. 10. Num. 4. 2006. p. 407-411.

-Zajko, W.J.C; Proctor, D.N.; Fiatarone, S.M.A; Minson, C. T.; Nigg, C.R.; Salem, G.J.; Skinner, J.S. American College of Sports Medicine position stand: exercise and physical activity for older adults. Med Sci Sports Exer. Vol. 41. Num.7. 2009. p.1510-30.

Publicado
2021-05-19
Como Citar
Sousa, F. das C. A., Oliveira, J. P. R. de, Silva, R. R., Rodrigues, A. C. E., Oliveira, E. H. de, Verde, R. M. C. L., Miranda Junior, R. N. C., Silva, F. L. da, Siqueira, H. D. S., Siqueira, F. F. F. S., Silva, W. C. da, Miranda, N. M. R. de S., Rodrigues, L. A. de S., Ferreira, C. P., & Melo, E. V. de. (2021). Amplitude de movimento de quadril associada ao índice de massa corporal em idosos. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 13(83), 1058-1070. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1516
Seção
Artigos Científicos - Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##