Estilo de vida de praticantes de corrida de rua

  • Alice Fiadi Discente do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, Brasil.
  • Bruna Horta Discente do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, Brasil.
  • Carolina Pasetto Lebkuchen Discente do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, Brasil.
  • Hannah Ferreira Rodrigues Discente do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, Brasil.
  • Laislly Junqueira Discente do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, Brasil.
  • Victoria Franco Discente do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, Brasil.
  • Marcia Nacif Docente do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Exercício físico, Corrida, Qualidade de vida, Motivação

Resumo

Introdução: As corridas de rua têm ganhado mais adeptos e admiradores a cada dia, sendo esta uma modalidade esportiva que se popularizou em meados do século 19 e   que traz inúmeros benefícios ao organismo, como a proteção contra diversas doenças. Independente da modalidade esportiva, as condutas nutricionais são determinantes na manutenção da saúde, no aumento do desempenho atlético e no controle da composição corporal de atletas. Objetivo: Avaliar hábitos de vida de praticantes de corrida de rua de diferentes regiões do Brasil. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo transversal, realizado com corredores de rua amadores, adultos, de ambos os sexos, residentes em diferentes regiões do Brasil. A coleta de dados foi efetuada a partir de um questionário disponibilizado na plataforma Google Forms® que continha informações sobre hábitos alimentares tabagismo, etilismo e uso de outras substâncias psicoativas; hidratação; duração do sono e motivações para a prática de corrida.  Resultados: Foram avaliados 106 corredores, com idade média de 36 anos, que praticavam a corrida principalmente com o objetivo de emagrecimento e saúde mental. Os participantes relataram melhora de humor, respiração, melhora nos sintomas de depressão, sensação de liberdade, melhora na libido e na criatividade após iniciarem o hábito do exercício. Observou-se que 31,8% dos entrevistados melhoraram sua alimentação desde que iniciaram a prática da corrida. Conclusão: O presente artigo demonstrou o impacto positivo que a corrida exerce sobre a qualidade de vida e saúde dos participantes, ressaltando a importância da modalidade.

Referências

-Antonello, A.C.; Lara, S.; Teixeira, L.P.; Freitas, A.C.S.; Cattelan, A.V. Análise do controle postural de corredores de rua. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 27. Num 3. 2019. p.99-105.

-Azevedo, F. Efeitos da ingestão de carboidratos sobre a resposta glicêmica em corredores de rua na distância de 5 km. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 9. Num. 49. 2015. p.53-59.

-Cruz, I.; Franco, B.; Esteves, A. Qualidade do sono, cronotipo e desempenho em corredores de rua. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 23. Num. 6. 2017. p. 483-487.

-Euclides, C.; Barros, C.; Coelho, J. Benefícios da corrida de rua. Rev. Conexão Eletrônica. Vol.13. Num. 1. 2016. p.50-85.

-Fagundes, F. Fatores motivacionais em corredores de rua. TCC. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba. 2015.

-Ferreira, V.; Bento, A.; Silva, M. Consumo alimentar, perfil antropométrico e conhecimentos em nutrição de corredores de rua. Rev Bras Med Esporte. Vol. 21. Num. 6. 2015. p. 45-58.

-Fredericson, M.; Misra, A. K. Epidemiology and aetiology of marathon running injuries. Sports Medicine. Vol. 37. Num. 45. 2007. p. 43-61.

-Fonseca, F.; Cavalcante, J.; Almeida, L.; Fialho, J. Análise do perfil sociodemográfico, motivos de adesão, rotina de treinamento e acompanhamento profissional de praticantes de corrida de rua. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 27. Num. 4. 2019. p. 189-198.

-Gonçalves, G. H. T. Corrida de rua: um estudo sobre os motivos de adesão e permanência de corredores amadores de Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2011.

-Hallal, P. C.; Andersen, L. B.; Bull, F.C.; Guthold, R.; Haskell, W.; Ekelund, U. Global physical activity levels:surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. Vol. 380. 2012. p. 247-257.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Estatísticas. Disponível em:https://www.ibge.gov.br/estatisticasnovoportal/sociais/saude/9050-pesquisa-de-orcamentos-familiares.html?edicao=9061&t=resultados.

-Martins, P.; Mello, M.; Tufik, S. Exercício e sono. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 7. Num. 1. 2001. p. 28-36.

-Nunomura, M. Motivo de adesão aÌ€ atividade fiÌsica em função das variaÌveis idade, sexo, grau de instrução e tempo de permaneÌ‚ncia. Revista Brasileira de Atividade FiÌsica e SauÌde. Vol. 3. Num. 3. 1998. p.45-58.

-Sá-Silva, S.P.; Pereira, G.S.; Salles-Costa, R. Fatores sociodemográficos e atividade física de lazer entre homens e mulheres de Duque de Caxias-RJ. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 16. Num. 11. 2011. p. 4493-4501.

-Salgado, J.; Chacon-Mikhail, M. Corrida de rua: análise do crescimento do número de provas e de praticantes. Conexões: Educação, esporte, lazer. Vol. 4. Num. 1. 2006. p. 100-109.

-Seixas, A.; Halla, J. Reis, M. Barreto, M. Navarro, A.C. Influência de jejum alimentar no desempenho e rendimento em praticantes de corrida em Lauro de Freitas-BA. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 5. Num. 25. 2011.

-Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ação ergogênica e potenciais riscos para a saúde. Rev Bras Med Esporte. Vol. 15. Num. 4. 2009.

-Spronk, I.; Kullen, C.; Burdon, C.; O'Connor, H. Relationship between nutrition knowledge and dietary intake. British Journal of Nutrition. Vol. 111. Num. 10. 2014. p. 1713-1726.

-Tomazini, F.; Silva, V. Perfil dos praticantes de corrida de rua de uma assessoria esportiva da cidade de São Paulo: motivos para adesão. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 13. Num. 2. 2014. p. 135-142.

-Trucollo, A.; Maduro, P.; Feijó, E. Fatores motivacionais de adesão a grupos de corrida. Motriz. Revista de Educação Física. Vol. 14. Num. 2. 2008. p. 108-114.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Fiadi, A., Horta, B., Lebkuchen, C. P., Rodrigues, H. F., Junqueira, L., Franco, V., & Nacif, M. (2021). Estilo de vida de praticantes de corrida de rua. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 14(88), 465-470. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1736
Seção
Artigos Científicos - Original