Barra de “Proteína”? Avaliação da composição nutricional indica prevalência de altas concentrações de Carboidratos e Lipídeos

  • Raquel Cristina de Oliveira Universidade Paulista, Instituto de Ciências da Saúde, Curso de Nutrição, Campus Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2413-5255
  • Rayanne Barbosa dos Santos Universidade Paulista, Instituto de Ciências da Saúde, Curso de Nutrição, Campus Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0745-262X
  • Tulio Cesar de Lima Lins Universidade Paulista, Instituto de Ciências da Saúde, Curso de Nutrição, Campus Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.
Palavras-chave: Rotulagem nutricional, Suplementos nutricionais, Ciências da Nutrição e do Esporte

Resumo

Introdução e Objetivo: As barras de proteínas são alternativas convenientes como suplementos para atletas, porém devem ser adequadas nas quantidades e qualidades de proteína. O objetivo deste estudo foi avaliar a composição de macronutrientes em percentual calórico, a qualidade das proteínas e a adequação normativa. Materiais e Métodos: Do total de 100 rótulos, 98 não possuíram o mínimo de proteína por porção ou o mínimo de 50% da energia proveniente de proteína para serem classificados como “suplementos proteicos para atletasâ€. Sobre o teor energético, 71% das barras possuem maior percentual calórico oriundo de carboidratos (56%) ou lipídios (15%) e em média exibiram 36,2% das calorias derivada de carboidrato; 34,1% de proteína e 29,6% de lipídio. Na qualidade, a média foi de 3,05 tipos de proteína, distribuídas em grupos de alto valor biológico. Discussão e Conclusão: Devido à sua heterogeneidade de composição, esses produtos não deveriam ser chamados de “barra de proteínaâ€, e sim de “barra nutricional energética†de maneira que não venham induzir o consumidor ao erro ou vulnerabilidade.

Biografia do Autor

Tulio Cesar de Lima Lins, Universidade Paulista, Instituto de Ciências da Saúde, Curso de Nutrição, Campus Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Nutricionista; Doutor em Patologia Molecular; Professor da Universidade Paulista nos cursos de Nutrição, Biomedicina, Farmácia, Fisioterapia e Enfermagem.

Referências

-Bosquesi, R. M.; Camisa, J.; dos Santos, F. C. Avaliação dos teores de proteínas e lipídios em barras protéicas. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 55. 2016. p. 24-30.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Dispõe sobre alimentos para atletas. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Resolução RDC n° 18, de 27 de abril de 2010. Brasília. 2010.

-Cavada, G. S.; Paiva, F. F.; Helbig, E.; Borges, L; R. Rotulagem nutricional: você sabe o que está comendo? Brazilian Journal of Food Technology. Vol. 15. Num. SPE. 2012. p. 84-88.

-Fernan, C.; Schuldt, J. P.; Niederdeppe, J. Health Halo Effects from Product Titles and Nutrient Content Claims in the Context of Protein Bars. Health Communication. Vol. 33. Num. 12. 2018. p. 1425-33.

-Firmino, I. C.; Lopes, B. O.; Tabai, K. C. Suplementos alimentares: averiguação da adequação da rotulagem frente à legislação brasileira vigente. Revista Faz Ciência. Vol. 28. Num. 2. 2015. p. 351-67.

-Gowdak, M. G.; Azevedo, L. F.; Perlingeiro, P.; De Matos, L. D. N. J. Energy balance and macronutrient intake during season trainings: influence on anthropometric and lipid profiles in professional athletes. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 11. Num. 64. 2017. p. 445-453.

-Higuchi, K. A Two-Step Approach to Quantitative Content Analysis: KH Coder Tutorial Using Anne of Green Gables (Part II). Ritsumeikan Social Science Review. Vol. 53. Num. 1. 2017. p. 137-147.

-Kerksick, C. M.; Arent, S.; Schoenfeld, B. J.; Stout, J. R.; Campbell, B.; Wilborn C. D.; Taylor, L.; Kalman, D.; Smith-Ryan, A. E.; Kreider, R. B.; Willoughby, D.; Arciero, P. J.; VanDusseldorp, T. A.; Ormsbee, M. J.; Wildman, R.; Greenwood, M.; Ziegenfuss, T.N.; Aragon, A. A.; Antonio, J. International society of sports nutrition position stand: Nutrient timing. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 14. Num. 1. 2017. p. 1-21.

-Malabarba, G. B. Estudo sobre o processo decisório de compra de suplementos alimentares por praticantes de atividades físicas. Monografia. Graduação em Administração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2017.

-Moreira, S. S. P.; Cardoso, F. T.; Souza, G. G.; Silva, E. B. Avaliação da adequação da rotulagem de suplementos esportivos. Corpus et scientia. Vol. 9. Num. 2. 2013. p. 45-55.

-Pellegrini, A. R.; Corrêa, F. S. N.; Barbosa, M. R. Consumo de suplementos nutricionais por praticantes de musculação da cidade de São Carlos-SP. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 61. 2017. p. 59-73.

-Phillips, S. M. Dietary protein requirements and adaptive advantages in athletes. Brithish Journal of Nutrition. Vol. 108. Núm. S2. 2012. p. S158-S167.

-Rodrigues, M. S.; Costa Júnior, A. L. R. Avaliação da rotulagem de suplementos protéicos comercializados em lojas especializadas em São Luís-MA. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 64. 2017. p. 420-427.

-Sasaki, C. A. L.; Mareth, B. L.; Arruda, S. F.; Costa, T. H. M. Avaliação da rotulagem de suplementos energéticos em Brasília. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 24. Num. 1. 2018. p. 40-44.

-Scarlato, R. C.; Miranda, N. G. M.; Costa, R. S. D.; Simões, K. M. A.; Vidal, I. K. D. S.; Rego, E. C. P. D. Determinação do teor de proteínas e carboidratos totais em suplementos tipo Whey Protein. Revista do Instituto Adolfo Lutz. Vol. 75. Num. 1701. 2016. p. 1-7.

-Silva, A. S.; Lorenzo, N. D.; Santos, O. V. Comparação dos parâmetros de rotulagem e composição nutricional de barras proteicas. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 57. 2016. p. 350-360.

-Silva, L.V.; Souza, S. V. C. Qualidade de suplementos proteicos: avaliação da composição e rotulagem. Revista do Instituto Adolfo Lutz. Vol. 75. Num. 1703. 2016. p. 1-17.

-Silva, R. O.; Barros, D. F.; Gouveia, T. M. O. A. Eu tenho a força! A popularização do consumo de suplementos alimentares e a vulnerabilidade do consumidor. Revista ADM. Made. Vol. 21. Num. 1. 2017. p. 34-50.

-Sousa, D. M. Adequabilidade da rotulagem de suplementos alimentares proteicos à legislação brasileira. Monografia. Bacharelado em Nutrição. Universidade de Brasília. Brasília. 2015.

-Thomas, D. T.; Erdman, K. A.; Burke, L. M. Position of the Academy of Nutrition and Dietetics, Dietitians of Canada, and the American College of Sports Medicine: Nutrition and Athletic Performance. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics. Vol. 116. Num. 3. 2016. p.501-528.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Oliveira, R. C. de, Santos, R. B. dos, & Lins, T. C. de L. (2021). Barra de “Proteína”? Avaliação da composição nutricional indica prevalência de altas concentrações de Carboidratos e Lipídeos. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 14(88), 506-515. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1749
Seção
Artigos Científicos - Original