Alteração dos níveis de pressão arterial e fatores associados em praticantes de exercício físico em São Luís-MA

  • Victor Nogueira da Cruz Silveira Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências Fisiológicas, São Luís, Maranhão, Brasil.
  • Wilson Serrão Araújo Filho Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências Fisiológicas, São Luís, Maranhão, Brasil.
  • Ahirlan Silva de Castro Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências Fisiológicas, São Luís, Maranhão, Brasil.
  • Helma Jane Ferreira Veloso UFMA
Palavras-chave: Pressão Arterial, Hipertensão, Atividade Motora

Resumo

Introdução: A hipertensão é uma situação clínica caracterizada pela elevação dos níveis da pressão arterial sistólica e/ou diastólica. Geralmente está associada a distúrbios metabólicos, alterações funcionais e/ou estruturais em órgãos-alvo, agravados pela presença de outros fatores de risco como dislipidemia, obesidade abdominal, intolerância à glicose e diabetes. Objetivo: Estimar a prevalência de alterações nos níveis pressóricos e seus fatores associados em praticantes de exercícios físicos na cidade de São Luís. Materiais e Métodos: Os instrumentos utilizados para coleta de dados foram os questionários socioeconômicas, demográficas, comportamentais e o registro alimentar. Foi realizada avaliação antropométrica e teste de bioimpedância elétrica para avaliação da composição corporal. A análise estatística inclui o teste Qui-quadrado de Pearson para verificar os fatores associados aos níveis pressóricos. A significância foi assumida como p<0,05. Resultados: Os valores médios da pressão sistólica foram 114,3 mmHg ±18,4 e da pressão diastólica 68,45 mmHg ±9,9. A prevalência de níveis alterados de pressão arterial foi de 35,3%. As variáveis que apresentaram associação com a alteração dos níveis pressóricos foram sexo masculino, ingestão elevada de sódio e excesso de peso avaliado pelo índice de massa corporal. Conclusão: A alta prevalência de desvios da pressão arterial é preocupante visto que trata-se de uma população de praticantes de exercício físico. Os fatores associados reforçam o carater multifatorial e a necessidade de manter programas de vigilância em saúde para combater este mal silencioso.

Referências

-Boutcher, R.N.; Boutcher, S. Exercise intensity and hypertension: what’s new?. Journal of Human Hypertension. Vol. 31. Num 3. 2017. p.157-164.

-Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional-SISVAN. Ministério da Saúde. Brasília. 2011.

-Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais de 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Ministério da Saúde. Brasília. 2018.

-Caselli, S.; Vaquer Sequì, A.; Lemme, E.; Quattrini, F.; Milan, A.; D'Ascenzi, F.; Spataro, A.; & Pelliccia, A. Prevalence and management of systemic hypertension in athletes. The American journal of cardiology. Vol. 119. Num. 10. 2017. p.1616-1622.

-Christofaro, D.G.D.; Casonatto, J.; Vanderlei, L.C.M.; Cucato, G.G.; Dias, R.M.R. Relação entre Frequência Cardíaca de Repouso, Pressão Arterial e Pressão de Pulso em Adolescentes. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 108. Num. 5. 2017. p. 405-410.

-Coelho, J.C.; Ferretti-Rebustini, R.E.L.; Suemoto, C.K.; Leite, R.E.P.; Jacob-Filho, W.; Pierin, A.M.G. A hipertensão arterial é causa subjacente de morte avaliada na autópsia de indivíduos. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Vol. 53. Num. 03457. 2019. p.1-8.

-Cruz, M.L.S. Associação entre atividade física e fatores de risco para hipertensão em participantes de um programa de promoção da saúde no município de Araranguá-SC. TCC. UFSC. Araranguá. 2016.

-Ferrazzo, K.L.; Meinke, G.S.; Antoniazzi, R.P. Pré-hipertensão, hipertensão arterial e fatores associados em pacientes odontológicos: estudo transversal na cidade de Santa Maria-RS, Brasil. Revista de Odontologia da UNESP. Vol. 43 Num. 5. 2014. p.305-313.

-Firmo, J.O.A.; Mambrini, J.V.M.; Peixoto, S.V.; Loyola Filho, A.I.; Souza Junior, P.R.B.; Andrade, F.B.; Lima Costa, M.F. Controle da hipertensão arterial entre adultos mais velhos: ELSI-Brasil. Revista de Saúde Pública. Vol. 52. 2018. Suppl. 2.13s.

-Food and Agriculture Organization of the United Nations. World Health Organization. Human energy requirements. FAO/WHO. Rome. 2001.

-Gomes, R.; Nascimento, E.F.; Araújo, F.C. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 2. Num. 3. 2007. p. 565-574.

-Gusmão, J.L.; Ginani, G.F.; Silva, G.V.; Ortega, K.C.; Mion Júnior, D. Adesão ao tratamento em hipertensão arterial sistólica isolada. Revista Brasileira de Hipertensão. Vol.16. Num.1. 2009. p. 38-43.

-Leng, B.; Jin, Y.; Li, G.; Chen, L.; Jin, N. Socioeconomic status ad hypertension: a meta-analysis. Journal of hypertension. Vol. 33. Num.2. 2015. p. 221-229.

-Lohman, T.G. Advances in body composition assessment. Medicine &. Science in Sports & Exercise. Vol. 25. Num 6. 1992.

-Martinelli, H.S.S.; Paixão, M.P.C.P. Perfil nutricional de atletas de Taekwondo em períodos pré e pós competição sob intervenção nutricional. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol.13. Num. 78. 2019. p.195-205.

-Mazzocante, R.P.; Sousa, I.R.C.; Pereira, R.M.S.; Souza, T.F.L.; Moraes, J.F.V.N.; Campbell, C.S.G. Efeitos da alternância entre exercícios aeróbicos e resistência exercício em diferentes sessões de exercício concorrente em respostas pressão arterial de atletas: um estudo randomizado. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol.30. Num. 2. 2016. p. 235-243.

-Mills, K.T.; Bundy, J.D.; Kelly, T.N.; Reed, J.E.; Kearney, P.M.; Reynolds, K.; Chen, J.; He, J. Global Disparities of Hypertension Prevalence and Control: A Systematic Analysis of Population-Based Studies From 90 Countries. Circulation. Vol. 134. Num. 6. 2016. p. 441-450.

-NCD Risk Factor Collaboration. Worldwide trends in blood pressure from 1975 to 2015: a pooled analysis of 1479 population-based measurement studies with 19·1 million participants. The Lancet. Vol. 389. Num. 10064. 2017. p. 37-55.

-Noubiap, J.J.; Essouma, M.; Bigna, J.J.; Jingi, A.M.; Aminde, L.N.; Nansseu, J.R. Prevalence of elevated blood pressure in children and adolescents in Africa: a systematic review and meta-analysis. The Lancet Public Health. Vol. 2. Num. 8. 2017. p. 375-386.

-Silva, S.S.B.E.; Oliveira, S.F.S.B.; Pierin, A.M.G. The control of hypertension in men and women: a comparative analysis. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Vol. 50. Num.1. 2016. p. 50-58.

-Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7ª diretriz brasileira de hipertensão arterial. SBC: São Paulo. 2016.

-Tuma, M.A.F.; Galvão, N.C.; Espejo, A.G.; Macena, A.P.; Neto, P.G.; Barbosa, L.F.C. Hipertensão arterial, consumo de suplementos alimentares e esteroides anabólicos androgênicos em alunos de curso de educação física. Corpo e Movimento. Vol. 6. Num.1. 2015. p. 17-23.

-World Health Organization. A comprehensive global monitoring framework including indicators and a set of voluntary global targets for the prevention and control of non-communicable diseases. Geneva. WHO. 2013.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Silveira, V. N. da C., Araújo Filho, W. S., Castro, A. S. de, & Veloso, H. J. F. (2021). Alteração dos níveis de pressão arterial e fatores associados em praticantes de exercício físico em São Luís-MA. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 14(89), 526-535. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1760
Seção
Artigos Científicos - Original