Análise de transtornos dismórficos corporais e fatores associados em adultos praticantes de treinamento de força

  • Cristian Roncada Laboratório de Fisiologia do Exercício e Biomecânica, Departamento de Educação Física, Centro Universitário da Serra Gaúcha, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Felipe Johann Teixeira Laboratório de Fisiologia do Exercício e Biomecânica, Departamento de Educação Física, Centro Universitário da Serra Gaúcha, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Guilherme Minuzzo Laboratório de Pesquisa do Exercício, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Eduarda Rambo Laboratório de Fisiologia do Exercício e Biomecânica, Departamento de Educação Física, Centro Universitário da Serra Gaúcha, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Caroline Pietta-Dias Laboratório de Fisiologia do Exercício e Biomecânica, Departamento de Educação Física, Centro Universitário da Serra Gaúcha, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil.
Palavras-chave: Vigorexia, Dismorfia Muscular, Treinamento Resistido

Resumo

O presente estudo verificou e comparou a prevalência de dismorfia muscular em praticantes de treinamento de força de duas cidades da região sul do Brasil (POA e CXS). 154 indivíduos (30,4 ±6,5 anos) que treinavam há pelo menos 24 meses com frequência mínima de 3x / semana foram avaliados por meio do índice de massa corporal, da Muscle Appearance Satisfaction Scale, Drive for Muscularity Scale, Questionário do Complexo de Adônis e Escala de Coluna de 9 Silhuetas. Na avaliação de indícios de vigorexia, o Questionário do Complexo de Adônis e Escala de Coluna de 9 Silhuetas demonstraram diferenças na pontuação total da Escala de Coluna de 9 Silhuetas (p<0,01), mas não na avaliação qualitativa. Através da mesma escala, ambos os grupos demonstraram indícios elevados de vigorexia (42% POA - 28% CXS). A Muscle Appearance Satisfaction Scale demonstrou diferença em 3 dos 5 domínios, além do escore total, onde o grupo POA foi superior na satisfação muscular (p=0,03) e o grupo CXS no uso de substâncias (p<0,01) e lesões (p=0,02), além do escore total (p=0,04). Na Drive for Muscularity Scale os resultados demonstraram diferenças relevantes (p<0,01), com pontuação superior para CXS no comportamento orientado pela muscularidade e na imagem corporal orientada pela muscularidade, além do escore total. Assim, os resultados permitiram verificar que ambas as cidades estudadas possuem elevada prevalência de dismorfia muscular e dependência de exercício físico. Além disso, o grupo CXS apresentou maior uso de substâncias para ganho de massa muscular.

Referências

-Abrahin, O. S. C.; Souza, N. S. F.; Sousa, E. C. D.; Moreira, J. K. R.; Nascimento, V. C. D. Prevalência do uso e conhecimento de esteroides anabolizantes androgênicos por estudantes e professores de educação física que atuam em academias de ginástica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 19. Núm. 1. 2013. p. 27-30.

-Adami, F.; Fernandes, T. C.; Frainer, D. E. S.; Oliveira, F. D. Aspectos da construção e desenvolvimento da imagem corporal e implicações na Educação Física. Revista Digital de Buenos Aires. Ano 83. 2005.

-Alchieri, J. C.; Gouveia, V. V.; Oliveira, I. C. V. D.; Medeiros, E. D. D.; Grangeiro, A. S. D. M.; Silva, C. F. D. L. S. D. Exercise Dependence Scale: adaptação e evidências de validade e precisão. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. Vol. 64. Núm. 4. 2015. p. 280-287.

-Ballone, G. J. Vigorexia: Síndrome de Adônis. 2007. Disponível em: http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=94.

-Bruno, A.; Quattrone, D.; Scimeca, G.; Cicciarelli, C.; Romeo, V. M.; Pandolfo, G.; Zoccali, R. A.; Muscatello, M. R. A. Unraveling exercise addiction: the role of narcissism and self-esteem. Journal of Addiction. Vol. 2014.

-Campana, A. N. N. B.; Tavares, M. D. C. G. C. F.; Swami, V.; Silva, D. An examination of the psychometric properties of Brazilian Portuguese translations of the Drive for Muscularity Scale, the Swansea Muscularity Attitudes Questionnaire, and the Masculine Body Ideal Distress Scale. Psychology of Men & Masculinity. Vol. 14. Núm. 4. 2013. p. 376.

-Campana, A. N.; Morgado, J.; Morgado, F.; Campana, M.; Ferreira, L.; Tavares, M. Drive for Muscularity: Um Estudo Exploratório no Exército Brasileiro Drive for Muscularity: An Exploratory Study in the Brazilian Army. Psicologia Teoria e Pesquisa. 30. 2014. p. 213-222.

-Carvalho, P. H. B. D.; Oliveira, F. D. C.; Neves, C. M.; Meireles, J. F. F.; Lopes, V. G. V.; Ferreira, M. E. C. Drive for muscularity and associated variables in young adults. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 22. Núm. 2. 2016. p.118-121.

-Chaui, M. Convite à Filosofia. São Paulo. Editora Ãtica. 1995.

-Correia, S. A.; Coentre, R. Dismorfia Muscular e Uso de Esteroides Androgénios‑Anabolizantes: Uma Revisão Sistemática. Revista Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental. Vol. 6. Núm. 1. 2020. p. 16-23.

-Fleck, S. J.; Kraemer, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. Artmed Editora. 2017.

-Hildelbrandt, T.; Lai, J. K.; Langenbucher, J. W.; Schneider, M.; Yehuda, R.; Pfaff, D. W. The diagnostic dilemma of pathological appearance and performance enhancing drug use. Drug and alcohol dependence. Vol. 114. Núm. 1. 2011. p. 1-11.

-Iriart, J. A. B.; Chaves, J. C.; Orleans, R. G. Culto ao corpo e uso de anabolizantes entre praticantes de musculação. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 25. 2009. p. 773-782.

-Júnior, M. P.; Júnior, W. C.; Silveira, F. V. Percepção e distorção da autoimagem corporal em praticantes de exercício físico: A importância do exercício físico na imagem corporal. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 7. Núm. 42. 2013. p. 345 - 352. http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/410/394

-Lima, J. R. P.; Orlando, F. B.; Teixeira, M. P.; Castro, A. P. A. C.; Damasceno, V. O. Conjunto de silhuetas para avaliar a imagem corporal de praticantes de musculação. Arquivos Sanny de Pesquisa em Saúde. Vol. 1. Núm. 1. 2008. p. 26-30.

-Macedo, A. A.; Nunes Filho, J. C. C.; Matos, R. S.; Pinto, D. V.; Correia, L. F. V.; Nunes, M. P. O. Relação da vigorexia com o uso de esteroides anabolizantes em praticantes de treinamento de força. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 13. Núm. 81. 2019. p. 733-738. http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1436/939

-Martins, M. A Imagem Corporal do Adolescente na Contemporaneidade: o culto ao corpo. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2011.

-Mayville, S. B.; Williamson, D. A.; White, M. A.; Netemeyer, R. G.; Drab, D. L. Development of the Muscle Appearance Satisfaction Scale: A self-report measure for the assessment of muscle dysmorphia symptoms. Assessment. Vol. 9. Núm. 4. 2002. p. 351-360.

-Mccreary, D. R.; Sasse, D. K. An exploration of the drive for muscularity in adolescent boys and girls. Journal of American College Health. Vol. 48. Núm. 6. 2000. p. 297-304.

-Morais, N. S.; Miranda, V. P. N.; Priore, S. E. Imagem corporal de adolescentes do sexo feminino e sua associação à composição corporal e ao comportamento sedentário. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 23. 2016. p. 2693-2703.

-Motter, A. G.; Almeida, S.; Bellini, M. Incidência de Vigorexia em Praticantes de Musculação. Do Corpo: Ciências e Artes. Vol. 7. Núm. 1. 2018.

-Olivardia, R.; Pope J. H. G.; Hudson, J. I. Muscle dysmorphia in male weightlifters: a case-control study. American Journal of Psychiatry. Vol. 157. Núm. 8. 2000. p. 1291-1296.

-Oliveira, A. Muito prazer, Vigorexia! O Fenômeno Corpo-Imagem na Sociedade Contemporânea. FiepBulletin. Vol. 80. p. 1-6. 2010.

-Oliveira, K. F. G. Vigorexia e mídia: fatores de Influência. TCC Bacharelado em Educação Física. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Biociências. Rio Claro. 2012.

-Orrit, G. Muscle Dysmorphia: predictive and protective factors in adolescents. Cuadernos de Psicología del Deporte. Vol. 19. Núm. 3. 2019. p. 1-11.

-Pacheco, J. H. S. Composição corporal e imagem corporal em praticantes de musculação de uma academia em Palhoça. Monografia. Educação Física Bacharelado. Pedra Branca. 2017.

-Pérez, E. M.; Navarro, B. F.; Gómez, S. C. Revisión sistemática de la bibliografía del periodo 2006-2016 sobre la dismorfia muscular: prevalencia, herramientas diagnósticas y prevención. NURE investigación: Revista Científica de enfermería. Vol. 14. Núm. 90. 2017.

-Pope, H.; Phillips, K. A.; Olivardia, R. O complexo de Adônis: a obsessão masculina pelo corpo. Editora Campus. 2000.

-Pope, H.G.; Phillips, K.A.; Olivardia, R. The Adonis Complex Questionnaire. 2002. New York. Touchstone. https://journals.lww.com/nsca-jscr/_layouts/15/oaks.journals/ImageView.aspx?article=00038&i=F2-38&issue=05000&k=nsca-jscr:2009:05000:00038&type=Abstract&year=2009

-Ravelli, F.; Machado, A.A.; Dezan, F.F.; Rostirola, C.S.; Boarretto, L.B. Uso de esteróides anabolizantes androgênicos: estudo sobre a vigorexia e a insatisfação corporal. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 10. Núm. 6. 2011. p.147-152.

-Reis, S. Indícios de vigorexia entre adultos praticantes de musculação de duas academias da cidade de Campina Grande-PB. 2016. TCC. Universidade Estadual da Paraíba. 2016.

-Ristow, M.; Santos, L.; Beims, D. F.; Nesello, L. Â. N. Percepção corporal por praticantes de musculação. Revista da UNIFEBE. Vol. 1. Núm. 11. 2013.

Silva J.; Almeida S. H.; Souza, M. A.; Silva, E. J. H. A. Tradução, adaptação e validação da escala de satisfação com a aparência muscular (MASS). Revista Digital-Buenos Aires. Ano 13. Núm. 120. 2008.

-Soler, P. T.; Fernandes, H. M.; Damasceno, V. O.; Novaes, J. S. Vigorexia e níveis de dependência de exercício em frequentadores de academias e fisiculturistas. Revista brasileira de medicina do esporte. Vol. 19. Núm. 5. 2013. p. 343-348.

-Vasconcelos, J. E. L. Vigorexia: quando a busca por um corpo musculoso se torna patológica. Revista Educação Física Unifafibe. Vol. 1. Núm. 2. 2013. p. 91-97.

-Zimmermann, F. Indícios de vigorexia em adultos jovens praticantes de musculação em academias de Biguaçu-SC. Florianópolis. TCC Bacharelado. UFSC. 2013.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Roncada, C., Teixeira, F. J., Minuzzo, G., Rambo, E., & Pietta-Dias, C. (2021). Análise de transtornos dismórficos corporais e fatores associados em adultos praticantes de treinamento de força. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 14(89), 576-585. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1790
Seção
Artigos Científicos - Original