Comportamento alimentar e ganho de peso em jovens adultos

  • Rafaella Maria Monteiro Sampaio Nutricionista, Doutora em Saúde Coletiva (UECE); Docente do Curso de Nutrição da Universidade de Fortaleza (UNIFOR); Centro Universitário Estácio do Ceará (ESTÁCIO), Ceará, Brasil.
  • Brenda Carollyne Rodrigues Fernandes Nutricionista, Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário Estácio do Ceará (ESTÁCIO), Ceará, Brasil.
  • Jéssica Cybele Ferreira Monteiro Nutricionista, Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário Estácio do Ceará (ESTÁCIO), Ceará, Brasil.
  • Fernando César Rodrigues Brito Nutricionista, Doutor em Biotecnologia em Saúde (RENORBIO); Docente do Curso de Nutrição da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Rio Grande do Norte, Brasil.
Palavras-chave: Nutrição., Comportamento Alimentar, Atividade Física

Resumo

Examinar a relação das variáveis comportamentais que são a Restrição cognitiva (RC), Alimentação Emocional (AE) e Descontrole Alimentar (DA) com o índice de massa corpórea em adultos praticantes de atividade física. Participaram da pesquisa 100 pessoas, devidamente matriculados na academia onde a pesquisa foi realizada, de ambos os sexos e idade entre 19 e 59 anos. Foi aplicado o The Three Factor Eating Questionnaire, versão reduzida de 21 itens (TFEQ-R21), onde é avaliado três fatores das dimensões do comportamento alimentar: Restrição cognitiva (RC), Alimentação Emocional (AE) e Descontrole Emocional (DE). Também foram coletados dados antropométricos e informações sobre sexo e idade para caracterização da amostra. De acordo com os resultados, os indivíduos apresentaram idade média de 30 anos e média de IMC 26,9 kg/m2, sendo classificado como sobrepeso. Com relação às dimensões do comportamento alimentar, a maior correlação foi entre as variáveis AE e DA, tendo baixa correlação de RC. Sobre o IMC, não houve correlação estatisticamente significante com as variáveis, mas houve uma relação maior com a variável DA. Houve também predominância das variáveis AE e DA nos IMC de sobrepeso e obesidade. Os resultados sugerem que os praticantes com IMC a partir de sobrepeso, apresentam algum tipo de correspondência com as variáveis emocionais. Estudos como este contribui para a identificação e diminuição dos comportamentos que podem ser considerados de risco na saúde emocional, podendo apresentar fator de risco nutricional.

Referências

-Abrantes, M.M.; Lamounier, J.A.; Colosimo, E.A. Prevalência de sobrepeso e obesidade nas regiões nordeste e sudeste do Brasil. Rev Assoc Med Bras. Vol. 49. Núm.2. p.162-9. 2008.

-Araújo, S.E.B.; Cavagnari, M.A.V.; Vieira, D.G. Perfil nutricional e consumo alimentar de pacientes praticantes de atividade física atendidos por uma clínica escola de Nutrição. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 13. Núm. 78. p.317-328. 2019.

-Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Brasília-DF. Cadernos de Atenção Básica. Núm. 38. 2014.

-Catão, L.G.; Tavares, R.L. Técnicas da Nutrição Comportamental no Tratamento dos Transtornos Alimentares. Revista Campo do Saber. Vol. 3. Núm. 1. p.447-501. 2017.

-Coqueiro, R.; Petroski, E.; Pelegrini, A A. Insatisfação com a imagem corporal: avaliação comparativa da associação com estado nutricional em universitários. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. Vol. 30. Núm.1. p.31-38. 2018.

-First, M.B.; Ross, R. American Psychiatric Association: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. Washington 4th ed. text rev. 2000.

-Gaspar, I.A. Avaliação da Confiabilidade de uma pesquisa utilizando o coeficiente Alfa de Cronbach. Simpósio de Engenharia de Produção. Universidade Federal de Goiás. Agosto. 2019.

-Luz, F.Q.; Oliveira, M.S. Terapia cognitivos-comportamental da obesidade. Aletheia. Vol. 40. p.159-173. 2013.

-Natacci, L.C.; Ferreira Junior, M. The three factor eating questionnaire-R21: translation and administration to Brazilian women. Revista de Nutrição. Vol. 24. Núm. 3. p.383-394. 2011.

-Provencher, V.; Drapeau, V.; Tremblay. Eating behaviours, dietary profile and body composition according to dieting history in men and women of the Quebec Family Study. British Journal of Nutrition. Vol. 91. Núm. 6. p.997-1004. 2014.

-Santos, F.C.; Oliveira R.A.R.; Correia, A.A.M.C.; Ferreira, E.F. Motivação a prática de atividades físicas: um estudo com praticantes de musculação. Revista Científica FAGOC-Multidisciplinar. Vol. 3. Núm. 1. 2019.

-Silva, I.; Pais-ribeiro, J.L.; Cardoso, H. Por que comemos o que comemos? determinantes psicossociais da seleção alimentar. Psicologia, saúde & doenças. Vol. 9. Núm. 8. p.189-208. 2018.

-Siqueira, A.C.; Santos, A. Resiliência e imagem corporal: um estudo com indivíduos obesos. Revista FAROL. Vol. 8. Núm. 8. p.314-329. 2019.

-Streb, A.R.; Duca, G.F.D.; Silva, R.P.; Benedet. J.; Malta, D.C. Simultaneidade de comportamentos de risco para a obesidade em adultos das capitais do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 25. Núm. 8. p.2999-3007. 2020.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Sampaio, R. M. M., Fernandes, B. C. R., Monteiro, J. C. F., & Brito, F. C. R. (2021). Comportamento alimentar e ganho de peso em jovens adultos. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 14(89), 586-594. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1793
Seção
Artigos Científicos - Original