Diferenças nos protocolos de suplementação de creatina em exercícios de força e seus impactos na performance

  • Bruno Scarazzatti Graduando em Nutrição da Universidade Paulista-UNIP, Campinas, São Paulo-SP, Brasil.
  • Daniela Soares de Oliveira Nutricionista, Mestre e Docente do Curso de Nutrição da Universidade Paulista-UNIP, Campinas, São Paulo-SP, Brasil.
  • Luciana Pietro Doutora, Mestre e Docente do Curso de Nutrição da Universidade Paulista-UNIP, Campinas, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Dosagens de creatina, Suplementação de creatina, Performance, Força

Resumo

Os suplementos alimentares são recursos ergogênicos que podem ser utilizados para a melhoria de desempenho nas atividades esportivas e redução da fadiga causada pelo esforço muscular. Dentre estes suplementos, encontramos a creatina, suplemento ergogênico, consumido por alguns praticantes de atividades físicas, que objetiva aumentar a força muscular, através do aumento dos níveis de fosfocreatina nos músculos. Objetivo: avaliar os diferentes protocolos de suplementação de creatina em praticantes de atividades de força e seus efeitos na performance. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão sistemática sobre os diferentes protocolos de suplementação de creatina realizados em exercícios de força a partir de busca nas plataformas Pubmed, SCIELO e Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Foram incluídos artigos em inglês e português, do tipo duplo-cego onde a avaliação fosse feita com exercícios de força. Resultados: Observou-se que os protocolos de suplementação variaram de acordo com o estudo e objetivo, porém, analisando os resultados, pode-se avaliar a efetividade da suplementação de creatina para aumento da força e melhora da performance quando aplicada de forma contínua, preferencialmente após o treino, sem diferença para protocolos nas diferentes idades e gêneros. Conclusão: A suplementação de creatina aumenta a força muscular, sendo assim, os melhores protocolos a serem utilizados seriam o de carga, e para resultados mais rápidos, o consumo de 20g por 5 dias, seguido de uma dose de manutenção de 5g por dia após o treino ou realizar a dose de manutenção de forma contínua, sem a dose de carga, ambos os protocolos com a suplementação diária.

Referências

-Aguiar, A.F.; Januário, R.S.B.; Junior, R.P.; Gerage, A.M.; Pina, F.L.; Nascimento, M.A.; Padovani, C.R.; Cyrino, E.S. Long-term creatine supplementation improves muscular performance during resistance training in older women. European journal of applied physiology. Vol. 113. 2013. p. 987-996.

-Antonio, J.; Ciccone, V. The effects of pre versus post workout supplementation of creatine monohydrate on body composition and strength. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 10. Num. 36. 2013. p. 1-8.

-Azizi, M. The effect of a short-term creatine supplementation on some of the anaerobic performance and sprint swimming records of female competitive swimmers. Procedia-Social and Behavioral Sciences. Vol. 15. 2011. p.1626-1629.

-Bemben, M.G.; Witten, M.S.; Carter, J.M.; Eliot, K.A.; Knehans, A.W.; Bemben, D.A. The effects of supplementation with creatine and protein on muscle strength following a traditional resistance training program in middle-aged and older men. Journal of Nutrition, Health & Aging. Vol. 14. Num. 2. 2010. p.155-159.

-Candow, D.G.; Vogt, E.; Johannsmeyer, S.; Forbes, S.C.; Farthing, J.P. Strategic creatine supplementation and resistance training in healthy older adults. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism. Vol. 40. Num. 7. 2015. p. 689-694.

-Davani-Davari, D.; Karimzadeh, I.; Ezzatzadegan-Jahromi, S.; Sagheb, M.M. Potential Adverse Effects of Creatine Supplement on the Kidney in Athletes and Bodybuilders. Iranian journal of kidney diseases. Vol. 12. Num.5. 2018. p. 253-260.

-Gualano, B.; Macedo, A.R.; Alves, C.R.R.; Roschel, H.; Benatti, F.B.; Takayama, L.; Pinto, A.L.S.; Lima, F.R.; Pereira, R.M.R. Creatine supplementation and resistance training in vulnerable older women: a randomized double-blind placebo-controlled clinical trial. Experimental gerontology. Vol. 53. 2014. p.7-15.

-Hummer, E.; Suprak, D.N.; Buddhadev, H.H.; Brilla, L.; Juan, J.G. Creatine electrolyte supplement improves anaerobic power and strength: a randomized double-blind control study. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 16. Num.24. 2019. p. 1-8.

-Hunger, M.S.; Prestes, J.; Leite, R.D.; Pereira, G.B.; Cavaglieri, C.R. Efeitos de diferentes doses de suplementação de creatina sobre a composição corporal e força máxima dinâmica. Revista da Educação Física/UEM. Vol. 20. Num.2. 2009. p. 251-258.

-Júnior, M.P.; Moraes, A.J.P.; Ornellas, F.H.; Gonçalves, M.A.; Liberali, R.; Navarro, F. Eficiência da suplementação de creatina no desempenho físico humano. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 6. Num. 32. 2012. p. 90-97.

-Law, Y.L.L.; Ong, W.S.; Gillianyap, T.L.; Lim, S.C.J.; Chia, E.V. Effects of two and five days of creatine loading on muscular strength and anaerobic power in trained athletes. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 23. Num. 3. 2009. p. 906-914.

-Melo, A.L.; Araújo, V.C.; Reis, W.A. Efeito da suplementação de creatina no treinamento neuromuscular e composição corporal em jovens e idosos. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 55. 2016. p. 79-86.

-Nemezio, M.A.; Oliveira, C.R.C.; Silva, A.E.L. Suplementação de creatina e seus efeitos sobre o desempenho em exercícios contínuos e intermitentes de alta intensidade. Revista de Educação Física/UEM. Vol. 26. Num. 1. 2015. p. 157-165.

-Oliveira, L.M.; Azevedo, M.O.; Cardoso, C.K.S. Efeitos da suplementação de creatina sobre a composição corporal de praticantes de exercícios físicos: uma revisão de literatura. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 61. 2017. p. 10-15.

-Panta, R.; Filho, J.N.S. Efeitos da suplementação de creatina na força muscular de praticantes de musculação: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 9. Num. 54. 2015. p. 518-524.

-Sakkas, G.K.; Mulligan, K.; Dasilva, M.; Doyle, J.W.; Khatami, H.; Schleich, T.; Kent-Braun, J.A.; Schambelan, M. Creatine fails to augment the benefits from resistance training in patients with HIV infection: a randomized, double-blind, placebo-controlled study. PLoS One. Vol. 4. Num. 2. 2009. p. e4605.

-Souza-Júnior, T.P.; Willardson, J.M.; Bloomer, R.; Leite, R.D.; Fleck S.J.; Oliveira, P.R.; Simão, R. Strength and hypertrophy responses to constant and decreasing rest intervals in trained men using creatine supplementation. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 8. Num. 1. 2011. p. 17.

-Terenzi, G. A creatina como recurso ergogênico em exercícios de alta intensidade e curta duração: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 7. Num. 38. 2013. p. 91-98.

-Trexler, E.T.; Smith-Ryan, A.E.; Roelofs, E.J.; Hirsch, K.R.; Persky, A.M.; Mock, M.G. Effects of coffee and caffeine anhydrous intake during creatine loading. Journal of strength and conditioning research/National Strength & Conditioning Association. Vol. 30. Num. 5. 2016. p. 1438-1446.

-Wang, C.; Fang, C.; Lee, Y.; Yang, M.; Chan, K. Effects of 4-week creatine supplementation combined with complex training on muscle damage and sport performance. Nutrients. Vol. 10. Num. 2. 2018. p. 1640-1650.

-Zuniga, J.M.; Housh, T.J.; Camic, C.L.; Hendrix, C.R.; Mielke, M.; Johnson, G.O.; Housh, D.J.; Schmidt, R,J. The effects of creatine monohydrate loading on anaerobic performance and one-repetition maximum strength. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 26. Num. 6. 2012. p. 1651-1656.

Publicado
2021-10-22
Como Citar
Scarazzatti, B., Oliveira, D. S. de, & Pietro, L. (2021). Diferenças nos protocolos de suplementação de creatina em exercícios de força e seus impactos na performance. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 15(92), 230-238. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1866
Seção
Artigos Científicos - Original