Comparação da composição corporal utilizando dobras cutâneas e bioimpedância em adultos jovens

  • Jean Carlos Pancine de Oliveira Graduado em Educação Física, Especialista em Metodologias do Esporte, Nova Venécia, Espírito Santo, Brasil.
  • Douglas Colombi Cuquetto Instituto Federal do Espírito Santo, Campus Nova Venécia, Espírito Santo, Brasil.
  • Sandro dos Santos Ferreira Instituto Federal do Espírito Santo, Campus Piúma, Espírito Santo, Brasil.
Palavras-chave: Antropometria, Dobras Cutâneas, Composição Corporal

Resumo

A avaliação da composição corporal é de grande importância para que profissionais da área da saúde possam obter informações individuais de qualidade, e assim propor as melhores estratégias para a obtenção dos objetivos. O objetivo deste estudo foi comparar a mensuração da composição corporal, utilizando os protocolos de Jackson e Pollock (1978) 3 e 7 dobras, com a bioimpedância elétrica. A amostra foi composta por 37 adultos entre de 18 - 26 anos do sexo masculino. Os resultados apresentaram diferenças entre os métodos χ2 (2) = 34,58, p<0.001. A bioimpedância elétrica, quando comparado com o protocolo de Jackson e Pollock 7 dobras T=15,94, p=0,65, r=0,01, não apresentou diferenças significativas. Entretanto, o protocolo de Jackson e Pollock 3 dobras, quando comparado com o protocolo de Jackson e Pollock (1978) 7 dobras T=5,17, p<0,001, r=0,57, e com a bioimpedância T=9,67, p<0,001, r=-0,31, apresentou diferenças significativas. Os resultados demonstram que podemos utilizar ambos os métodos, bioimpedância e Jackson e Pollock 7 dobras, sendo a bioimpedância considerada mais ágil e de fácil utilização e as 7 dobras tendo um menor custo financeiro.

Referências

-Borga, M.; West, J.; Bell, J. D.; Harvey, N. C.; Romu, T.; Heymsfield, S. B.; Leinhard, O. D. Advanced body composition assessment: from body mass index to body composition profiling. Journal of Investigative Medicine. Vol. 66. Num. 5. 2018. p. 1-9.

-Buscariolo, F. F.; Catalani, M. C.; Dias, L. C. G. D.; Navarro, A. M. Comparação entre os métodos de bioimpedancia e antropometria para avaliação da gordura corporal em atletas do time de futebol feminino de Botucatu-SP. Simbiologias. Botucatu. Vol. 1. Num. 1. 2008. p. 122-129.

-Carvalho, A. S.; Alves, T. C.; Abdalla, P. P.; Venturini, A. C. R.; Leites, P. D. L.; Machado, D. R. L. Composição corporal funcional: breve revisão. Caderno de Educação Física e Esporte. Vol. 16. Num. 1. 2018. p. 235-246.

-Conterato, E. V.; Vieira, E. L. Composição corporal em universitários utilizando dobras cutâneas e bioimpedância elétrica: um método comparativo. Disciplinarum Scientia: Série: Ciên. Biol. e da Saúde. Vol. 2. Num. 1. 2001. p. 125-137.

-Costa, R. F. Composição Corporal. Teoria e Prática da Avaliação. São Paulo. Manole. 2001. p. 184.

-Duren, D. L.; Sherwood, R. J.; Czerwinski, S. A.; Lee, M.; Choh, A. C.; Siervogel, R. M.; Cameron Chumlea, W. Body composition methods: comparisons and interpretation. Journal of Diabetes Science and Technology. Vol. 2. Num. 6. 2008. p. 1139-1146.

-Fagundes, M. M.; Boscaini, C. Perfil antropométrico e comparação de diferentes métodos de avaliação da composição corporal de atletas de futsal masculino. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 8. Num. 44. 2014. p. 110-119.

-Fontoura, A. S.; Formentin, C. M.; Abech, E. A. Guia Prático de Avaliação Física. São Paulo. Phorte. 2013. p. 288.

-Heyward, V. H. Avaliação Física e Prescrição de Exercício: Técnicas Avançadas. Porto Alegre. Artmed. 2013. p. 486.

-Jackson, A. S.; Pollock, M. L. Generalized equations for predicting body density of men. The British Journal of Nutrition. Vol. 40. Num. 3. 1978. p. 497-504.

-McArdle, W. D.; Katch, F. I.; Katch, V. L. (2016). Fisiologia do Exercício: Nutrição, Energia e Desempenho humano. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2016. p. 1120.

-Mello, M. F.; Rocha, R. E. R. Concordância na predição da composição corporal de universitários entre diferentes métodos de avaliação. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 9. Num. 53. 2015. p. 328-336.

-Rodrigues, M. N.; Silva, S. C.; Monteiro, W. D.; Farinatti, P. T. V. Estimativa da gordura corporal através de equipamentos de bioimpedância, dobras cutâneas e pesagem hidrostática. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 7. Num. 4. 2001. p. 125-131.

-Silva, T. C. P.; Silva, M. H.; Medeiros, A. V. M. Resultados da avaliação de densidade corporal por meio de diferentes protocolos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 11. Num. 65. 2017. p. 20-25.

-Vilhena, D. S.; Fernandes, D. F.; Santos, R. C.; Albuquerque, A. P. A.; Materko, W. Comparação do percentual de gordura corporal por antropometria, dobras cutâneas e bioimpedância em universitários residentes em Macapá-AP. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 18. Num. 4. 2019. p. 17-24.

Publicado
2021-10-22
Como Citar
Oliveira, J. C. P. de, Cuquetto, D. C., & Ferreira, S. dos S. (2021). Comparação da composição corporal utilizando dobras cutâneas e bioimpedância em adultos jovens. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 15(94), 323-328. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1871
Seção
Artigos Científicos - Original