Consumo de antioxidantes entre praticantes e não praticantes de atividade física

Inês Pedrosa Oliveira, Patricia Bergjohann, Fernanda Scherer Adami, Simara Ruffato Conde, Patricia Fassina

Resumo


Introdução: Os antioxidantes têm a capacidade de reagir contra os radicais livres diminuindo os seus efeitos nocivos. Objetivo: Comparar o consumo de antioxidantes, entre indivíduos sedentários e praticantes de atividade física, relacionando gênero, idade, estado nutricional e ingestão diária recomendada. Materiais e Métodos: Estudo transversal realizado com adultos que frequentaram o ambulatório de nutrição de uma instituição de ensino superior, no interior do Rio Grande do Sul, entre 2013 e 2016. Foram coletados dados de gênero, idade, peso, altura, índice de massa corporal, prática de atividade física e consumo alimentar por meio do recordatório alimentar de 24 horas das anamneses alimentares. Para a determinação da ingestão dos antioxidantes foi utilizado o software Dietwin® plus. Resultados: Não houve diferença significativa no consumo de antioxidantes entre praticantes e não praticantes de atividade física. O consumo de Vitamina E, Zinco, Cobre e Magnésio foi superior entre os homens. O consumo de Zinco foi maior nos indivíduos com excesso de peso em relação aos eutróficos. O consumo de Magnésio foi maior para os maiores de 30 anos. Ambos os grupos consumiram Vitamina E e Cobre abaixo e Magnésio acima da recomendação diária. Conclusão: O consumo de antioxidantes foi semelhante entre os grupos, superior entre os homens e maior entre eutróficos. Houve maior consumo de magnésio entre maiores de 30 anos e ambos os grupos apresentaram consumo de Vitamina E e Cobre abaixo e de Magnésio acima do recomendado.

 

ABSTRACT 

Antioxidants consumption between practitioners and not physically active

Background: Antioxidants have the ability to counteract free radicals reducing their harmful effects. Objective: To compare the consumption of antioxidants between sedentary and physically active, relating gender, age, nutritional status and recommended daily intake. Materials and Methods: Cross-sectional study with adults who attended the nutrition clinic of a higher education institution in the interior of Rio Grande do Sul, between 2013 and 2016. We collected data gender, age, weight, height, body mass index, practice physical activity and food intake through the 24-hour food recall of food anamnesis. To determine the intake of antioxidants was used Dietwin® plus software. Results: There was no significant difference in the consumption of antioxidants among practitioners and not physically active. The consumption of Vitamin E, Zinc, Copper and Magnesium was higher among men. Zinc consumption was higher in individuals with overweight compared to normal weight. The consumption of Magnesium was higher for those over 30 years. Both groups consumed Vitamin E and Copper below and Magnesium above the daily recommendation. Conclusion: The consumption of antioxidants was similar between groups, higher among men and higher among eutrophic. There was a higher magnesium intake for more 30 years and both groups showed consumption of vitamin E and copper below and above the recommended magnesium.


Palavras-chave


Sedentarismo; Exercício; Estresse oxidativo

Texto completo:

PDF

Referências


-Andrade, L. S.; Marreiro, D. N. Aspectos sobre a relação entre exercício físico, estresse oxidativo e zinco. Revista de Nutrição. Vol. 24. Num. 4. 2011. p.629-640.

-Barbosa, K. B.; e colaboradores. Estresse oxidativo: conceito, implicações e fatores modulatórios. Revista de Nutrição. Campinas. Vol. 23. Num. 4. 2010. p. 629-643.

-Castilho, R. S.; Ornellas, F. B. Zinco, inflamação e exercício físico: relação da função antioxidante e anti-inflamatória do zinco no sistema imune de atletas de alto rendimento. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 8. Num. 48. 2014. p.580-588. Disponível em:

-Chagas, T. P. N.; e colaboradores. Consumo dietético e estado de hidratação em corredores de longa distância. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 10. Num. 58. 2016. p.439-447. Disponível em:

-Coelho, M. S.; Salas-Mellado, M. M. Revisão: composição química, propriedades funcionais e aplicações tecnológicas da semente de chia (Salvia hispanica L) em alimentos. Brazilian Journal Food Technology. Campinas. Vol. 17. Num. 4. 2014. p.259-268.

-Coronado, H. M.; e colaboradores. Antioxidantes: perspectiva actual para la salud humana. Rev Child Nutr. Vol. 42. Num. 2. 2015. p.206-212.

-Cruzat, V. F.; e colaboradores. Amino acid supplementation and impact on immune function in the context of exercise. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 11. Num. 61. 2014. p.1-13.

-Draeger, C. L.; e colaboradores. Controversies of antioxidant vitamins supplementation in exercise: ergogenic or ergolytic effects in humans? Journal of The International Society of Sports Nutrition. São Paulo. fev. 2014. p.11-15.

-Duncan, B. B.; e colaboradores. Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev. Saúde Pública. Vol. 46. 2012. p.126-134.

-Institute of Medicine. Dietary reference intakes for micronutrient Vit. A, C, E, zinc, copper and magnesium. Panel on Macronutrients, Subcommittee on Upper Reference Levels of Nutrients, Subcommittee on Interpretation and Uses of Dietary Reference Intakes, and The Standing Committee on the Scientific Evaluation of Dietary Reference Intakes, Food and Nutrition Board. Washington, DC: National Academy of Sciences 2002/2005.

-Liobikas, J.; e colaboradores. Anthocyanins in cardioprotection: a path through mitochondria. Elsevier Pharmacology Research. 2016.

-Martelli. F.; Nunes. F.M. Radicais livres: em busca do equilíbrio. Ciência e Cultura. Vol. 66. Num. 3. 2014. p.54-57.

-Meneguci, J.; e colaboradores. Comportamento sedentário: conceito, implicações fisiológicas e procedimentos de avaliação. Motricidade. Vol. 11. Num. 1. 2015. p.160-174.

-Monteiro, T. H.; Vannucchi, H. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes. International Life Sciences Institute, São Paulo. Vol. 16. 2010. p.12-13.

-Neto, M. N.; e colaboradores. Consumo Alimentar de Seleções Nacionais Campeãs Mundiais de Beach Handball. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Vol. 18. Num. 4. 2014. p.43-50.

-Neves, G. Y.; e colaboradores. Avaliação do consumo de alimentos ricos em antioxidantes e do conhecimento sobre os radicais livres. Diálogos & Saberes. Vol. 10. Num. 1. 2014. p. 47-62.

-Norton, K.; e colaboradores. International Standards for Anthropometric Assessment. 2011. Disponível em: . Acesso em: 18/05/2016.

-Oliveira, A. C.; Valentim, I. A.; Goulart, M. O. Fontes vegetais naturais de antioxidantes. Química Nova. Vol. 32. Num. 3. 2012. p.689-702.

-Pereira, M. B. O papel dos antioxidantes no combate ao estresse oxidativo observado no exercício físico de musculação. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 7. Num. 40. 2013. p.233-245. Disponível em:

-Severo, J.S.; e colaboradores. Aspectos Metabólicos e Nutricionais do Magnésio. Nutrición Clínica y Dietética Hospitalaria. Vol. 35. Num. 2. 2015. p.67-74.

-Schneider, B. C.; e colaboradores. Consumo de carnes por adultos do sul do Brasil: um estudo de base populacional. Ciência e Saúde coletiva. Vol. 19. Num. 8. 2014. p.3583-3592.

-Smolin, L. Nutrition for Sports and Exercise. New York: Chelsea House. 2010. p. 55.

-Souza, L. V.; Ornelas, F. H. Avaliação do conhecimento nutricional de indivíduos eutróficos, sobrepesos e obesos e sua associação com o estado nutricional. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 5. Num. 26. 2011. p.40-47. Disponível em:

-Teixeira, M. V.; e colaboradores. Consumo de antioxidantes em participantes do ELSA-Brasil: resultados da linha de base. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 19. Num. 1. 2016. p.149-159.

-Tureck, C.; e colaboradores. Estimativa do consumo de vitaminas e minerais antioxidantes da dieta brasileira. Nutrición Clínica y Dietética Hospitalaria. Vol. 33. Num. 3. 2013. p. 30-38.

-World Health Organization. Global Strategy on Diet, Physical Activity and Health. 2011. Disponível em:

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: World Health Organization. 2000. p. 256. WHO Obesity Technical Report Series. n. 284.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui