Influência da dose e da distribuição da ingestão de proteínas, associadas ou não ao treino de força, sobre a taxa de síntese proteica muscular

Victoria Larrain Hevia, Vitor de Salles Painelli

Resumo


Sabe-se que os principais estímulos anabólicos para o ganho de massa muscular são o exercício físico e a ingestão de proteínas e, durante décadas, os pesquisadores da área da nutrição esportiva, têm vindo estudando como potencializar o efeito destes dois estímulos para maximizar o ganho de massa muscular. Hoje, já existem diversos estudos demonstrando como alguns fatores da alimentação podem influenciar na resposta dos processos de síntese (SPM) e degradação proteica muscular (DPM), no ganho de massa muscular. Alguns deles, polémicos ainda, são a dose de proteínas e a distribuição proteica no decorrer do dia. Assim, o objetivo desta revisão narrativa foi sumarizar os estudos que investigaram a influência da dose e da distribuição proteica, associadas ou não ao treino de força, sobre a SPM. Uma busca de trabalhos na literatura científica foi realizada na base de dados PubMed. De um total de 16 artigos encontrados, dez foram selecionados para análise. Desses, sete artigos originais foram selecionados para discutir a influência da dose de proteínas sobre a SPM e outros três, foram analisados para discutir a influência da distribuição proteica ao longo do dia na síntese proteica. Apesar da existência de estudos interessantes sobre o assunto, ainda é precipitado concluir que manipular ambas as estratégias, - dose e distribuição -, garante um ganho de massa muscular superior na ausência delas, ao longo prazo. Porém, pareceria interessante que indivíduos jovens atingissem ao redor de 20 gramas de proteínas durante as principais refeições e respeitando um intervalo mínimo de 3 horas entre elas.

 

ABSTRACT 

Influence of the dose and protein distribution on muscle protein synthesis, associated or not to resistance training sessions

It is well known that the main stimuli for the gain of muscle mass are exercise and protein intake. For decades, researchers of the field of sports nutrition, have been studying how to get the most between these stimuli on the muscle mass gain. Nowadays, there are vast scientific works highlighting some nutritional factors which might influence the response of the muscle protein synthesis (MPS) as well as muscle protein degradation (MPD) on muscle gain. Among those factors, it is included the protein dose and the protein distribution along the day, yet controversial. Then, the aim of this narrative review was to summarize the studies that have investigated the influence of the dose and protein distribution, associated or not, to resistance training sessions, on MPS. A narrative literature review was performed using the PubMed database. Among 16 articles found, ten of them were selected for analysis. Between them, seven original articles were selected for discussing the influence of the protein dose on MPS and another three were analyzed for discussing the influence of protein distribution on protein synthesis. Despite of existing fascinating articles about this topic, it is still too soon to conclude that by manipulating these strategies – protein dose and protein distribution -, would guarantee a superior muscle gain in long term. However, it is still interesting that young men reach at least 20 grams of protein during their main meals at regular intervals, every three hours

 


Palavras-chave


Dose; Distribuição proteica; Síntese proteica; Hipertrofia; Exercício físico

Texto completo:

PDF

Referências


-Altimari, L. R.; Fontes, E. B.; Okano, A. H.; Triana, R. O.; Chacon-Mikahil, M. P. T.; Moraes, A. C. A. Ingestão de cafeína aumenta o tempo para fadiga neuromuscular e o desempenho físico durante exercício supramáximo no ciclismo. Brazilian Journal of Biomotricity, Universidade Iguaçu, Itaperuna, Vol. 2. Num. 3. 2008. p. 195-203.

-Alves, S. C. R.; Navarro, F. Uso de suplementos alimentares por frequentadores de academias de Potim-SP. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 4. Num. 20. 2010. p. 139-146. Disponível em:

-Biesk, S.; Alves, L. A.; Guerra, I. Estratégias de nutrição e suplementação no esporte. Barueri, SP: Editora Manole, 2. ed. rev. e ampl. 2010. p. 516.

-Bortolini, K.; Sicka, P.; Foppa, T. Determinação do teor de cafeína em bebidas estimulantes. Revista saúde. Vol. 4. Num. 2. 2010. p. 23-27.

-Brasil. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 18, de 27 de abril de 2010. Dispões sobre Regulamento Técnico sobre Alimentos para Atletas. D.O.U. - Diário Oficial da União; Resolução de diretoria colegiada. Cap 03, Artº 11, abr. 2010.

-Carvalho, J. M.; Maia, G.A.; Sousa, P.H.M.; Rodrigues, S. Perfil dos principais componentes em bebidas energéticas: cafeína, taurina, guaraná e glucoronolactona. Rev Inst Adolfo Lutz. Vol. 65. Num. 2. 2006. p. 78-85.

-Fayh, A. P. T.; Silva, C. V.; Jesus, F. R. D.; Costa, G. K. Consumo de suplementos nutricionais por frequentadores de academias da cidade de Porto Alegre. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 35. Num. 1. 2013. p. 27-37.

-Goston, J. L. Recursos Ergogênicos Nutricionais: Atualização sobre a Cafeína no Esporte. Nutrição e esporte. 2011. p. 1-6.

-Goston, J. L.; Correia, M. I. T. D. Suplementos nutricionais: histórico, classificação, legislação e uso em ambiente esportivo. Nutrição e esporte. 2009. p. 1-7.

-Komes, D.; Horzic, D.; Belscak, A.; Kovacevic, K. G. Balj, A. Determination caffeine in tea and mate tea by using different methods. Special Issue, Czech J Food Sci. Vol. 27. 2009. p. 212-216.

-Linhares, T. C.; Lima, R. M. Prevalência do uso de suplementos alimentares por praticantes de musculação nas academias de Campos dos Goytacazes/RJ, Brasil. VÉRTICES, Campos dos Goytacaze-RJ. Vol. 8. Num. 1/3. 2006. p. 101-122.

-Maria, C. A. B.; Moreira, R. F. A. Cafeína: revisão sobre métodos de análise. Departamento de Ciências Fisiológicas, Instituto Biomédico, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Quim. Nova. Vol. 30. Num. 1. 2007. p. 99-105.

-Mattos, F. O.; Painelli, V. S.; Lancha Júnior, A. H. Gualano, B. Eficácia ergogênica da suplementação de cafeína sobre o desempenho de força? Uma análise crítica. Rev. Educ. Fis/UEM. Vol. 25. Num. 3. 3. 2014. p. 501-511.

-Moreira, S. S. P.; Cardoso, F. T.; Souza, G. G.; Silva, E. B. Avaliação da adequação da rotulagem de suplementos esportivos. Rio de Janeiro, Corpus et Scientia. Vol. 9. Num. 2. 2013. p. 45-55.

-Nabholz, T. V. Cafeína. Nabholz, T. V.; Meirelles, C. In: Nutrição esportiva: aspectos relacionados a suplementação nutricional. 1. Ed, São Paulo: Sarvier. 2007. p. 415.

-Pagnoncelli, N. V.; Grigollo, L. R.; Frigollo, M. D. Consumo de suplementos alimentares por praticantes de exercícios resistidos em Joaçaba-SC. Unoesc & Ciência-ACBS. Vol. 5. Num. 1. 2014. p. 57-62.

-Pereira, L. P. Utilização de recursos ergogênicos nutricionais e/ou farmacológicos em uma academia da cidade de Barra do Piraí -RJ. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 8. Num. 43. 2014. p. 58-64. Disponível em:

-Silva, D. F.; Guimarães, L. C. Utilização da cafeína como ergogênico nutricional no exercício físico. Conexão, Revista cient. UNIFOR-MG. Vol. 8. Num. 1. 2013. p. 59-74.

-Silveira, D. F.; Lisboa, S. D.; Sousa, S. Q. O consumo de suplementos alimentares em academias de ginástica na cidade de Brasília- DF. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 5. Num. 25. 2011. p. 139-146. Disponível em:

-Vasconcelos, F. A.; Pinto, R. M.; Navarro, F. Os potenciais efeitos da utilização da cafeína como recurso ergogênico nos esportes. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 1. Num. 3. 2007. p. 68-76. Disponível em:

-Vieira, J. L.; Gomes, A. L. S.; Rivera, J. G. B.; Ferreira, M. E. S.; Sousa, P. J. C.; Almeida, E. D. Cafeína em suplementos energéticos consumidos em Belém, Pará. Revista Paraense de medicina. Vol. 22. Num. 4. 2008. p. 1-4.

-Vilela, D.A.; Lourenço, K. D.; Tames, M. L. S.; Bahia, R. F.; Navarro, F. Analise da ausência do teor de cafeína nas rotulagens dos cafés comercializados. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 1. Num. 5. 2007. p. 92-105. Disponível em:

-Zenebon, O.; Pascuet, N. S.; Tiglea, P. Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Vol. 1. IV. ed. 2008. p. 1020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui