Estado de hidratação em atletas de Futebol americano: uma análise pré e pós-treino

Dérick Passos da Invenção, Leonardo Eisenlohr Andrade, Luis Paulo de Souza Gomes, Marcus Vinicius Nascimento

Resumo


O presente estudo tem por objetivo analisar o estado de hidratação dos atletas da equipe de futebol americano (na modalidade Full Pads) pré e pós-treino pelos marcadores: massa corporal, coloração e gravidade específica (GE) da urina; vez que o estado de hidratação pode ser um fator determinante para a garantia de um ideal desempenho dos praticantes de atividade física. Peso e urina coletados para análise nos momentos pré e pós-treino, não tendo a comissão técnica qualquer regulação/controle sobre o consumo de líquidos durante o exercício. Os resultados da GE demonstraram pré-treino que 35% dos atletas estavam em condições de desidratação mínima e 65% com desidratação grave (≥1.030 g. ml-1) e no período pós-treino 13% e 87% respectivamente, havendo pela análise estatística diferença significativa (p=0.001) na GE pós-treino. A coloração da urina apresentou pré-treino 87% dos atletas no grupo hidratado, mínimo ou significativo e 13% no grupo grave, pós-treino 22% e 78% respectivamente, com diferença significativa neste segundo momento (p=0.000). As médias de massa corporal não apresentaram variação significativa (p=0.229). Concluiu-se que a inexistência de um prévio controle do estado de hidratação dos atletas, pode ser causa direta de déficit de desempenho para importantes valências físicas como capacidade anaeróbica e força.

 

ABSTRACT

Hydration status in american football athletes: a pre and post-workout analysis

This study aims to analyze the hydration status of athletes of american football team (in Full Pads mode) pre and post workout by markers: body mass, staining and urine specific gravity (SG); Since the hydration status can be a determining factor for ensuring optimal performance of physical activity practitioners. Weight and urine collected for analysis in the pre and post-workout, not having the technical committee any regulation / control of fluid intake during exercise. The results showed SG pre-training 35% of athletes were minimal dehydrating conditions to 65% with severe dehydration (≥1,030 g. ml-1) and the post-training period 13% and 87% respectively, with the analysis statistical significant difference (p=0.001) in the post-workout SG. The color of urine presented pre-training 87% of the athletes in the hydrated group, minimal or significant, and 13% in the severe group, after training 22% and 78% respectively, with significant difference in this second stage (p=0.000). The body mass averages showed no significant variation (p=0.229). It was concluded that the lack of a previous control of hydration status of athletes, can be a direct cause of performance deficit to important physical valences as anaerobic capacity and strength.


Palavras-chave


Desidratação; Educação Física; Treinamento; Exercício

Texto completo:

PDF

Referências


-Araújo, H. M. D.; Souza, A. C.; Costa, J. D. J.; Santos, G. J. D. O Clima de Aracaju na Interface com a Geomorfologia de Encostas. Scientia Plena. Vol. 6. Num. 8. 2010.

-Armstrong, L. E.; Maresh, C. M.; Castellani, J. W.; Bergeron, M. F.; Kenefick, R. W.; LaGasse, K. E.; Riebe, D. Urinary indices of hydration status. International journal of sport nutrition. Vol. 4. Num. 3. p. 265-279. 1994

-Armstrong, L. E. Hydration assessment techniques. Nutrition reviews. Vol. 63. Suppl. 1. p. S40-S54. 2005.

-Armstrong, L. E. Assessing hydration status: the elusive gold standard. Journal of the American College of Nutrition. Vol. 26. Suppl. 5. p. 575S-584S. 2007.

-Armstrong, L. E.; Johnson, E. C.; Casa, D. J.; Ganio, M. S.; McDermott, B. P.; Yamamoto, L. M.; Emmanuel, H. The American football uniform: uncompensable heat stress and hyperthermic exhaustion. Journal of athletic training. Vol. 45. Num. 2. p. 117-127. 2010.

-Confederação Brasileira de Futebol Americano. 2013. Disponível em: . Acesso em 11 de ago. 2016.

-Da Silva Barroso, S.; De Almeida, B. M.; Da Silva Gonzaga, W.; Lima, R. L. C. P.; Alves, S. R.; Camerino, S.; Prado, E. S. Efeitos da imersão na água sobre os marcadores simples de estado de hidratação durante uma aula de hidroginástica. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 22. Num. 4. p. 5-12. 2014.

-Davis, J. K.; Baker, L. B.; Barnes, K.; Ungaro, C.; Stofan, J. Thermoregulation, Fluid Balance, and Sweat Losses in American Football Players. Sports Med. Vol. 46. Num. 10. p. 1391-1405. 2016.

-De Jesus, J. B. Estimativa do balanço hídrico climatológico e classificação climática pelo método de Thornthwaite e Mather para o município de Aracaju-SE. Scientia Plena. Vol. 11. Num. 5. 2015.

-Gomes, L. S.; Barroso, S. D. S.; Gonzaga, W. D. S.; Prado, E. S. Estado de hidratação em ciclistas após três formas distintas de reposição hídrica. v22n3p89-97. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 22. Num. 3. p. 89-97. 2014.

-Hausen, M. R.; Cordeiro, R. G.; Guttierres, A. P. M. Aspectos relevantes sobre a hidratação no esporte e na atividade física. Rev Hosp Univ Pedro Ernesto. Vol. 12. Num. 4. 2013.

-Humidex index. Canadian Humidex Calculator. Disponível em:

www.csgnetwork.com/canhumidexcalc.html>. Acesso em: 11 de ago. 2016

-Kraft, J. A.; Green, J. M.; Bishop, P. A.; Richardson, M. T.; Neggers, Y. H.; Leeper, J. D. The influence of hydration on anaerobic performance: a review. Research quarterly for exercise and sport. Vol. 83. Num. 2. p. 282-292. 2012.

-Maia, E. C.; Costa, H. A.; Castro Filha, J. G. L. D.; Junior, O. Hydration status in athletes on 15 km street race under elevated heat stress. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 21. Num. 3. p. 187-191. 2015.

-Moreno, I. L., Pastre, C. M., Ferreira, C., de Abreu, L. C., Valenti, V. E., & Vanderlei, L. C. M. Effects of an isotonic beverage on autonomic regulation during and after exercise. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 10. Num. 1. 2013.

-Moreno, I. S., Pastre, C. M., Papoti, M., & Vanderlei, L. C. M. Efeitos da reposição hidroeletrolítica sobre parâmetros cardiorrespiratórios em exercício e recuperação. Motriz. Vol. 18. Num. 1. p. 165-175. 2012.

-Mota, J. C. Sergipe Bravos - História. Sítio virtual. 2015. Disponível em: http://www.sergipebravos.com.br/historia/. Acesso em 11/08/2016.

-Pinto, S. I. F.; Berdacki, V. S.; Biesek, S. Avaliação da perda hídrica e do grau de conhecimento em hidratação de atletas de futebol americano. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 8. Num. 45. 2014. Disponível em:

-Roda, A. A nutrição e o treino de força na patologia. Ver. Medicina Desportiva Informa. Vol. 3. Num. 3. p. 7-8. 2012.

-Rodrigues, R.; Pompermayer, M. G.; De Oliveira Lupion, R.; Manfredini, B. Influência do estado de hidratação sobre a capacidade de produção de força após exercício no calor com e sem ingestão hídrica. Em XII Salão de Iniciação Científica-PUCRS. 2011.

-Rodrigues, R.; Baroni, B. M.; Meyer, F.; Vaz, M. A. Hipo-hidratação e produção de força pelo músculo esquelético: uma breve revisão. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 13. Num. 1. 2014.

-Sawka, M. N.; Burke, L. M.; Eichner, E. R.; Maughan, R. J.; Montain, S. J.; Stachenfeld, N. S. American College of Sports Medicine position stand. Exercise and fluid replacement. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 39. Num. 2. p. 377-390. 2007.

-Silva, R. P.; Mündel, T.; Natali, A. J.; Bara Filho, M. G.; Lima, J. R.; Alfenas, R. C.; Marins, J. C. Fluid balance of elite Brazilian youth soccer players during consecutive days of training. Journal of sports sciences. Vol. 29. Num. 7. p. 725-732. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui