http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/issue/feed RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva 2020-08-05T01:01:57-07:00 Francisco Navarro francisco@ibpefex.com.br Open Journal Systems <p>ISSN 1981-9927&nbsp;versão online</p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>Revista Brasileira de Nutrição Esportiva (RBNE)</strong>&nbsp;é uma publicação do&nbsp;<strong>Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício (IBPEFEX)</strong>, é de periodicidade bimestral, com publicação de artigos científicos, fruto de pesquisas e estudos de cientistas, professores, estudantes e profissionais que lidam com a Nutrição e a Suplementação com fundamentação na fisiologia humana no âmbito do esporte, da estética, da educação e da saúde.</p> <p>&nbsp;</p> <p>The&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Sports Nutrition (RBNE)</strong>&nbsp;is published by the&nbsp;<strong>Brazilian Institute for Research and Education in Exercise Physiology (IBPEFEX)</strong>&nbsp;is a bimonthly publication of scientific articles, result of research and studies of scientists, professors, students and professionals who deal with the Nutrition and Supplementation with background in human physiology within the sport, aesthetics, education and health.</p> <p>&nbsp;</p> <p>La <strong>Revista Brasileña de Nutrición Deportiva (RBNE)</strong> es publicada por el <strong>Instituto Brasileño para la Investigación y Educación en Fisiología del Ejercicio (IBPEFEX)</strong>, es una publicación bimensual con artículos científicos, el resultado de la investigación y los estudios de científicos, profesores, estudiantes y profesionales que se ocupan de la fundación Nutrición y suplementación en la fisiología humana en el deporte, la estética, la educación y la salud.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/index.php/rbne/about/submissions#onlineSubmissions"><strong>Clique aqui para submeter seu artigo</strong></a></p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>RBNE</strong>&nbsp;é indexada nas seguintes&nbsp;<a href="/index.php/rbne/announcement/view/1">bases de dados</a>:</p> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC ONEFILE</a>, <a href="http://journal-index.org/index.php/asi" target="_blank" rel="noopener">ASI</a>, <a href="http://www.base-search.net/" target="_blank" rel="noopener">BASE</a>, <a href="http://dialnet.unirioja.es" target="_blank" rel="noopener">DIALNET</a>, <a href="https://doaj.org/" target="_blank" rel="noopener">DOAJ</a>, <a href="http://www.drji.org/" target="_blank" rel="noopener">DRJI</a>, <a href="http://ebscohost.com/" target="_blank" rel="noopener">EBSCO</a>, <a href="http://www.who.int/hinari/" target="_blank" rel="noopener">HINARI</a>, <a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">INFORME ACADÉMICO</a>, <a href="http://oaji.net/" target="_blank" rel="noopener">OAIJ</a>, <a href="https://www.redib.org/pt-pt" target="_blank" rel="noopener">REDIB</a>,&nbsp;<a href="http://www.sherpa.ac.uk/romeo/" target="_blank" rel="noopener">SHERPA RoMEO</a>, <a href="http://www.ebscohost.com/academic/sportdiscus-with-full-text" target="_blank" rel="noopener">SPORTDISCUS</a>, <a href="http://www.sumarios.org" target="_blank" rel="noopener">SUMÁRIOS.ORG</a>,&nbsp;<a href="http://apps.webofknowledge.com" target="_blank" rel="noopener">WEB OF SCIENCE</a>,&nbsp;<a href="https://www.worldcat.org/" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <div>&nbsp;</div> </div> <div>nas <a href="/index.php/rbne/announcement/view/4">bases indexadoras</a>:</div> <div>&nbsp;</div> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://www.citefactor.org/" target="_blank" rel="noopener">CITEFACTOR</a>, <a href="http://ezb.uni-regensburg.de/" target="_blank" rel="noopener">CZ3</a>,&nbsp;<a href="http://diadorim.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">DIADORIM</a>,&nbsp;<a href="https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/index" target="_blank" rel="noopener">ERIH PLUS</a>, <a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">FMJ</a>, <a href="http://globalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF&nbsp;(Global Impact Factor)</a>, <a href="http://generalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF (General Impact Factor)</a>, <a href="http://scholar.google.com.br" target="_blank" rel="noopener">GOOGLE SCHOLAR</a>, <a href="http://impactfactorservice.com/" target="_blank" rel="noopener">IIFS</a>, <a href="http://www.journalindex.net/" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://www.jourinfo.com/index.html" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INFORMATICS</a>, <a href="http://www.journals4free.com/" target="_blank" rel="noopener">J4F</a>, <a href="http://www.journaltocs.ac.uk" target="_blank" rel="noopener">JOURNALTOCS</a>, <a href="http://www.latindex.unam.mx" target="_blank" rel="noopener">LATINDEX</a>, <a href="https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp" target="_blank" rel="noopener">LIVRE!</a>, <a href="http://miar.ub.edu/" target="_blank" rel="noopener">MIAR</a>, <a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/" target="_blank" rel="noopener">PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES</a>, <a href="http://seer.ibict.br/" target="_blank" rel="noopener">SEER</a>, <a href="http://sindexs.org/Default.aspx" target="_blank" rel="noopener">SIS</a>, <a href="http://www.sjifactor.inno-space.org/" target="_blank" rel="noopener">SJIF</a>, <a href="http://sjournals.net/" target="_blank" rel="noopener">SJOURNALS INDEX</a>, <a href="http://oasisbr.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">OASISBR</a>, UIF, <a href="http://qualis.capes.gov.br/webqualis/" target="_blank" rel="noopener">QUALIS PERIÓDICOS</a></li> </ul> </div> <div> <p>e nas <a href="/index.php/rbne/announcement/view/6">universidades/bibliotecas</a>:&nbsp;</p> <ul> <li class="show"><a href="https://neos.library.ualberta.ca/uhtbin/cgisirsi/x/0/0/57/5?user_id=WUAARCHIVE&amp;searchdata1=ocn836862485" target="_blank" rel="noopener">ALBERTA</a>&nbsp;(Canada),&nbsp;<a href="http://aleph-www.ub.fu-berlin.de/F/BJNPRR5F7A6N8XBPRLPE4M9UIN7LDKVAA4CN54TM5SB5QBD2SB-05435?func=find-e&amp;request=Revista+brasileira+de+nutri%C3%A7%C3%A3o+esportiva&amp;find_scan_code=FIND_WRD&amp;adjacent=N" target="_blank" rel="noopener">BERLIN</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="http://ul-newton.lib.cam.ac.uk/vwebv/search?searchCode1=ISSN&amp;searchType=2&amp;argType1=any&amp;searchArg1=1981-9927" target="_blank" rel="noopener">CAMBRIDGE</a>&nbsp;(Inglaterra),&nbsp;<a href="https://opac.ub.tum.de/search?bvnr=BV043314160" target="_blank" rel="noopener">MUNIQUE</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="https://searchworks.stanford.edu/?q=836862485" target="_blank" rel="noopener">STANFORD</a>&nbsp;(Estados Unidos),&nbsp;<a href="http://copac.jisc.ac.uk/" target="_blank" rel="noopener">COPAC</a>,&nbsp;<a href="https://ie.on.worldcat.org/oclc/836862485" target="_blank" rel="noopener">IE LIBRARY</a>, <a href="http://www.rebiun.org/" target="_blank" rel="noopener">REBIUN</a>, <a href="http://www.sudoc.abes.fr/" target="_blank" rel="noopener">SUDOC (L'ABES)</a>,&nbsp;<a href="http://www.worldcat.org/oclc/836862485" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <p>&nbsp;</p> </div> <div> <p><a href="/index.php/rbne/announcement/view/5"><strong>FATOR DE IMPACTO DA RBNE</strong></a></p> <p><strong><strong><a href="/index.php/rbne/announcement/view/8"><strong>CIRC DA RBNE</strong></a></strong></strong></p> </div> http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1505 Efeitos do consumo de álcool no desempenho e recuperação do exercício físico 2020-08-04T08:36:07-07:00 Katiele Baelz Giacomelli katielebaelz@hotmail.com Polliana Radtke dos Santos polly_radtke@hotmail.com Patrik Nepomuceno patrik.np@hotmail.com Annerose Barros anne-barros@hotmail.com <p>O álcool é uma droga lícita amplamente consumida pela população e devido à suas consequências, sua alta aderência e uso abusivo, no meio esportivo, tem se tornado preocupante. Apesar dos efeitos fisiológicos prejudiciais serem conhecidos, a literatura ainda está escassa quanto às repercussões do consumo de álcool no organismo de atletas. Sendo assim, objetivou-se analisar o impacto do uso episódico de bebida alcoólica no desempenho e recuperação do exercício físico. Trata-se de uma revisão de literatura que utilizou as bases eletrônicas Scientific Electronic Library Online e National Library of Medicine, a partir de palavras-chave nas línguas portuguesa e inglesa. No total, 27 publicações, correspondentes ao período de 1984 a 2018. Foram encontrados efeitos nas funções imunológica, cardiovascular, metabólica, nutricional, hormonal, psicomotora, síntese de proteínas, qualidade do sono. Entretanto, estes variam conforme a dose e tipo de álcool, uso agudo ou crônico, taxa de eliminação, fatores endógenos e exógenos e o tipo de exercício realizado. Sendo assim recomenda-se que os atletas sigam as diretrizes e não utilizem bebida alcóolica, a fim de evitar os impactos negativos que ela pode apresentar na recuperação e no desempenho esportivo.</p> 2020-08-04T08:35:31-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1503 Suplementação da curcumina, como reparador de dano muscular induzido pelo exercício 2020-08-04T08:36:07-07:00 Rafael Carvalho Costa contato@rafaelcostanutri.com.br Ana Lúcia Hoefel contato@rafaelcostanutri.com.br <p>A curcumina, composto ativo da cúrcuma (curcuma longa L.), vem ganhando inúmeros estudos sobre suas propriedades antioxidantes e antiinflamatórias. Apesar de já ser consumida por motivos medicinais há milhares de anos, apenas há algumas décadas, extensas pesquisas foram realizadas e comprovaram a capacidade de modular inúmeras vias de sinalização. Ensaios clínicos são realizados para avaliar sua eficácia, segurança e farmacocinética controlando os marcadores de dano muscular, o que pode proporcionar uma melhor recuperação para atletas. Nesta revisão, relatamos sua aplicação, através de estudos relevantes que demonstrem na prática esportiva, seus benefícios. A curcumina demonstra, ser uma boa estratégia nutricional em potencial, para controle de DOMS, devido sua capacidade anti-inflamatória.</p> 2020-08-04T08:29:16-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1501 Perfil nutricional e parâmetros bioquímicos no jejum intermitente 2020-08-04T08:36:07-07:00 Carolina Felaço felacocarol@gmail.com Manoela Andrea Hass manuahass@gmail.com Sheila Regina Schmidt Francisco srsfrancisco@furb.br <p>O Jejum Intermitente (JI) é uma estratégia de diminuição da ingestão alimentar, inicialmente praticada durante o período do Ramadã, em que jejuam do amanhecer ao pôr do sol. Estudos em pessoas durante a prática do Ramadã observaram melhoras no perfil lipídico e diminuição da gordura corporal. O objetivo do presente estudo foi analisar parâmetros bioquímicos e antropométricos de mulheres praticantes de exercício físico aeróbico regular antes, imediatamente após e 30 dias após a prática do JI, sem intervenção dietética. O estudo teve duração de dois meses, com mulheres de 20 a 35 anos que aplicaram o protocolo de 16 horas de JI três vezes na semana durante 30 dias, depois mais 30 dias com pausa no JI, realizando recordatório alimentar diário e praticando&nbsp; exercício aeróbico de uma hora, duas ou três vezes na semana. Foram coletados dados sócio demográficos, bioquímicos, dietéticos, antropométricos e um questionário de percepção da dieta, antes, imediatamente após e um mês após o término do jejum. Ao término do estudo observou-se um aumento nos níveis de creatinina, colesterol total, LDL e diminuição do HDL. O peso e a circunferência da cintura diminuíram, porém sem alterações no percentual de gordura e sem diferenças no consumo alimentar. Estudos semelhantes que avaliaram o JI demonstram a melhora no perfil lipídico e&nbsp; no peso corporal quando o JI estava associado a dieta com restrição calórica, ressaltando a importância da realização do JI com acompanhamento de profissional qualificado e a necessidade de mais estudos em seres humanos para avaliar sua eficácia.&nbsp;</p> 2020-08-04T08:23:17-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1500 Avaliação do perfil antropométrico e de força de MMSS em praticantes de Judô e Jiu-Jitsu 2020-08-04T08:36:07-07:00 Carlos Alberto da Silva carlosas@ufc.br Abraham Lincoln de Paula Rodrigues lincoln7777@hotmail.com Felipe Diego Galdino diego@gmail.com <p>O estudo objetivou avaliar o perfil antropométrico e de força de MMSS de praticantes de judô e jiu-jítsu. Foi um estudo descritivo e do tipo transversal onde foram avaliados 43 sujeitos sendo 22 praticantes de judô com média de idade de 20,7 ± 4,9 e tempo de treino médio de 6 anos ± 6,9, e de 21 praticantes de jiu-jítsu com média de idade de 23,4 ± 4,8 e tempo de treino médio de 4,2 anos ± 3,6. Foram analisadas as variáveis do índice de massa corpórea (IMC), e a força muscular de membros superiores (MMSS) através da força estática (dinamometria). Os praticantes de judô mostraram média de IMC de 24,5 ± 2,8 quando que os sujeitos praticantes de jiu-jítsu apresentaram média de 26,4 ± 5,0. Na variável força muscular de MMSS obtivemos os seguinte resultados para mão dominante na modalidade judô média de 47,9 ± 9,7 e jiu-jítsu média de 50,8 ± 5,9, e para mão não dominante na modalidade judô média de 47,2 ± 8,4 e jiu-jítsu média de 48,0 ± 5,6. Na variável velocidade de explosão de MMSS os resultados obtidos para as modalidades analisadas respectivamente foram médias de 429,3 ± 34,0 e 426,5 ± 45,8. Em conclusão, percebe-se que em ambas as modalidades, os praticantes apresentaram características antropométricas semelhantes, e ótimos níveis de força de MMSS, que ao serem comparados apresentaram diferenças significativas quando se tratou da mão dominante dos atletas, já em relação a mão não dominantes não se encontrou diferenças significativas entre os grupos.</p> 2020-08-04T08:21:13-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1499 Efeitos do whey protein e testosterona sobre parâmetros bioquímicos em ratos treinados 2020-08-04T08:36:06-07:00 Filipe Vicente Testoni filipetestoni@gmail.com Heidi Hoeft heidihft@gmail.com Sheila Regina Schmidt Francisco sheila.bqa@gmail.com <p>O consumo de suplementos alimentares, como whey protein (WP) e de esteróides androgênicos anabolizantes (EAA) tem se tornado evidente entre atletas e praticantes de exercícios físicos. Objetivou-se analisar os efeitos da suplementação de WP e da administração de uma dose suprafisiológica de testosterona, associadas ou não, em ratos machos Wistar submetidos ao nado forçado. Foram utilizados 40 ratos, divididos em: Grupo controle (G1), Grupo WP (G2), Grupo WP + testosterona (G3) e Grupo testosterona (G4). Os quatro grupos realizaram nado forçado por 30 minutos diários, cinco vezes por semana. Em todos os grupos analisou-se o peso inicial e final dos animais, o peso final do coração e do quadríceps, os parâmetros bioquímicos (glicose, colesterol total e frações, triglicerídeos, albumina, proteínas totais, creatinina, ureia, alanina aminotransferase, aspartato aminotransferase e creatina quinase), a curva glicêmica e a dosagem de glicogênio hepático e muscular. A suplementação com WP associada ou não a administração de testosterona, não promoveu alterações no peso corporal e do coração, fígado e quadríceps dos animais, nem alterou a tolerância a glicose e o armazenamento de glicogênio hepático ou muscular, porém os grupos que receberam testosterona apresentaram valores mais baixos de glicemia. A suplementação com WP causou uma redução no consumo de ração, já a testosterona isolada não alterou a ingesta. As funções hepática e renal não foram alteradas por nenhuma das substâncias, porém houve tendência de piora do perfil lipídico motivada pela administração de testosterona e o esteróide associado a suplementação parece diminuir a lesão muscular provocada pelo exercício.</p> 2020-08-04T08:16:35-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1497 Consumo e conhecimento de suplementos alimentares por atletas de alto rendimento de uma universidade da grande Florianópolis 2020-08-04T08:36:06-07:00 Vinícius Pedrini Paoli vinicius.pedrini@hotmail.com Marília Costa de Araujo mariliacostadearaujo@yahoo.com.br <p>O consumo de suplementos alimentares está cada vez mais frequente no cotidiano dos atletas e são utilizados com vários objetivos como ganho de massa magra, perda de gordura, rápida recuperação e melhor desempenho. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar o consumo de suplementos alimentares por atletas de alto rendimento de uma universidade do sul de Santa Catarina. Participaram do estudo 42 atletas de alto rendimento que responderam um questionário semi estruturado composto por nove questões, incluindo caracterização social, consumo e efeitos de suplementos, gasto financeiro, indicação para o uso de suplementos e conhecimento sobre suplementação. Os dados coletados foram analisados no Stata® (Statistics/Data Analysis) versão 11.0. Como resultados encontrou-se que 61,9% (n=26) dos atletas eram do sexo masculino e 38% (n=16) do sexo feminino, com relação às modalidades 64,3% (n=27) da natação e 35,7% (n=15) do judô, 38,1% (n=16) adolescentes e 61,9% (n=26) adultos. Em relação ao uso de suplementos alimentares, 78,6% (n=33) dos atletas consumiam e 21,4% (n=9) não consumiam, e 45,2% (n=19) gastavam de R$ 101,00 a 200,00 por mês. A recuperação muscular mais rápida (20%, n=16) foi o efeito mais relatado e a indicação do uso de suplementos foi realizada, na maior parte, por nutricionista (40,5%, n=17). Os atletas que utilizavam suplementos tinham conhecimento e os que não utilizavam não conheciam ou apenas ouviram falar. É importante conscientizar os atletas do uso dos suplementos, suas necessidades específicas, seus riscos e benefícios e a importância do profissional nutricionista na sua prescrição.</p> 2020-08-04T08:05:01-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1493 Dieta pré e pós treino em praticantes de crossfit®: um perfil qualitativo do consumo de alimentos e suplementos 2020-08-04T08:36:06-07:00 Tulio Cesar de Lima Lins lins.tulio@gmail.com Luiz Paulo Vieira de Souza luiztwister@gmail.com <p>Introdução e Objetivos: O CrossFit® é uma atividade de alta intensidade com execução de atividades funcionais frequentemente diversificadas, com o propósito de melhora do condicionamento físico. O objetivo deste trabalho foi analisar a alimentação pré e pós treino de praticantes de CrossFit®, verificando a ingestão de grupos de alimentos e o consumo de suplementos. Materiais e métodos: Pesquisa transversal realizada com praticantes de CrossFit® por meio de questionário online sobre alimentação pré e pós treino. Resultados: 50 participantes (30,2 ± 5,6 anos); com a média do IMC de 25,2 ± 3,2 kg/m². Referente aos hábitos de alimentação, 60% relatou ter dieta ou suplemento prescrito ou indicado por nutricionista. Foi constatado que 50% consomem somente alimentos antes da atividade e 48% após. Quando analisado em par, as refeições pré e pós-treino baseada somente em alimento foi a mais frequente (28%). Entretanto, a suplementação é utilizada por 80% dos participantes, o que vai de encontro com os objetivos referidos, como ganho de massa muscular e melhora do desempenho. Discussão e Conclusão: Por mais que os participantes da pesquisa tenham uma preferência maior por alimentos tanto antes quanto depois da prática da modalidade, vale ressaltar a importância de acompanhamento nutricional adequado. A suplementação foi muito utilizada apesar do hábito de refeições somente com alimentos estar muito presente. São necessário novos estudos na área, para que haja uma visão mais acurada sobre a alimentação, principalmente em análises quantitativas do consumo pré e pós treino dos praticantes de CrossFit®.</p> 2020-08-04T07:57:20-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1487 Ingestão hídrica, consumo de repositores hidroeletrolíticos e conhecimento sobre hidratação de tenistas amadores 2020-08-04T08:36:06-07:00 Lauren Kolling Pereira laaurenkolling@gmail.com Alessandra Doumid Borges Pretto alidoumid@yahoo.com.br Carla Alberici Pastore pastorecarla@yahoo.com.br <p>Introdução e objetivo: O tênis é um esporte de alta intensidade que exige uma ingestão hídrica adequada para não afetar o desempenho e a saúde do praticante. A hidratação é imprescindível para o atleta e constitui um desafio, pois além da ingestão de água é necessária a reposição de sódio. Este estudo objetivou avaliar a ingestão hídrica, consumo de repositores hidroeletrolíticos e o conhecimento sobre hidratação de tenistas amadores do município de Pelotas-RS. Materiais e métodos: Estudo transversal e descritivo com tenistas do sexo masculino de um clube esportivo de Pelotas, que responderam a um questionário sobre perfil socioeconômico, ingestão hídrica, consumo de repositores hidroeletrolíticos e o conhecimento sobre hidratação. As análises estatísticas foram realizadas no Stata14.0®, com nível de significância de 5% (p&lt;0,05). Resultados: Dos 49 tenistas avaliados idade variou entre 20 e 59 anos. Quanto à hidratação, a bebida mais utilizada é a água (93,8%), quanto ao momento de se hidratar, 44,9% tem costume antes dos treinos, 44,9% durante e apenas 8,1% após os treinos e a ingestão hídrica é de 500ml a 1litro (40,8%). Discussão: Estudos mostram que a hidratação é muito importante, pois está relacionada ao bom desempenho no esporte. Conclusão: A amostra apresentou baixa ingestão hídrica, pouco consumo de repositores hidroeletrolíticos e apesar disto, a maioria teve conhecimento sobre a importância de uma hidratação adequada.</p> 2020-08-04T07:55:39-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1483 Adiposidade relativa em adultos: comparação entre duas padronizações de medidas antropométricas 2020-08-05T01:01:57-07:00 Joaquim Huaina Cintra Andrade joaquimcintra@hotmail.com Brena Custódio Rodrigues brena_cust@hotmail.com Francisco Nataniel Macedo Uchôa nataniel4@hotmail.com <p>Objetivo: comparar a adiposidade relativa estimada a partir de variáveis mensuradas com duas diferentes padronizações de medidas antropométricas. Métodos: estudo transversal e quantitativo desenvolvido com 36 sujeitos de ambos os sexos e faixa etária de 18 a 35 anos (23,33 ± 4,84) na cidade de Fortaleza, Ceará, Brasil. A mensuração das medidas de variáveis antropométricas foi conduzida em conformidade às padronizações do Anthropometric Standardization Reference Manual (Lohman, Roche e Martorell) e International Standards for Anthropometric Assessment (Esparza-Ros, Vaquero-Cristóbal e Marfell-Jones). Estimou-se a densidade corporal utilizando a equação generalista de Petroski corresponde ao sexo. O valor obtido foi transformado em adiposidade relativa mediante a equação de Siri. Empregou-se estatística descritiva. Foi utilizado o teste t de student com valor significativo p&lt;0,05 e o teste pareado com cálculo do tamanho do efeito. Resultados: no sexo feminino, apenas a dobra cutânea subescapular apresentou valor médio superior (p=0,02) para a padronização de Esparza-Ros, Vaquero-Cristóbal e Marfell-Jones. Independente do sexo, não houve diferença estatisticamente significante na densidade corporal e adiposidade relativa ao compará-las com as padronizações investigadas. Conclusão: em adultos fisicamente ativos de ambos os sexos, não houve diferença com significância nos valores de adiposidade relativa estimados a partir de variáveis mensuradas com duas diferentes padronizações de medidas antropométricas.</p> 2020-08-04T07:38:54-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1482 Comportamento alimentar e estado nutricional de estudantes de educação física 2020-08-04T08:36:05-07:00 Jamylle Leal da Silva Pinto jamylle.leal@hotmail.com Maria Regina Mariano reginamariano01@hotmail.com Rafaella Maria Monteiro Sampaio rafaellasampaio@yahoo.com.br <p>Objetivo: O objetivo desse estudo é avaliar a relação entre consumo e comportamento alimentar dos acadêmicos de educação física em uma instituição privada de ensino superior no município de Fortaleza-Ceará. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo analítico, quantitativo e transversal, realizado com cem estudantes de educação física. Foi aplicado um questionário de dados pessoais e estilo de vida. Para avaliar o comportamento alimentar foi utilizado o Questionário Holandês do Comportamento Alimentar (QHCA). Foram realizadas avaliações antropométricas utilizando peso e altura. O estado nutricional foi calculado segundo o IMC, de acordo com os padrões de referência da OMS. Resultados: Participaram da pesquisa 100 estudantes do curso de educação física de ambos os sexos, sendo 66 (66,0%) do sexo masculino e 34 (34,0%) do sexo feminino. Quanto aos estilos alimentares, considerando o comportamento geral, o comportamento de homens diferiu significativamente (p=0,02) das mulheres, quando analisados os dados da amostra total. Conclusão: Conclui-se que há diferenças entre homens e mulheres quanto aos aspectos cognitivos e motivacionais envolvidos no comportamento alimentar, com as mulheres apresentando uma maior sensibilidade, no tocante às questões comportamentais.</p> 2020-08-04T07:21:30-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1478 Comparação entre métodos de avaliação da composição corporal em atletas: uma revisão sistemática 2020-08-04T08:36:05-07:00 Nicolli Cariello Martins nicollicariello@gmail.com Fernanda Donner Alves f.donneralves@gmail.com Paulo Sehl psehl@hotmail.com Cláudia Dornelles Schneider claudias@ufcspa.edu.br Gabriela Corrêa Souza ggabrielacsouza@gmail.com <p>Introdução: diferentes métodos e protocolos são utilizados para análise dos componentes corporais em atletas e não há um consenso sobre a utilização ou as comparações entre eles.&nbsp; Objetivo: identificar e descrever os estudos comparativos de métodos de avaliação da composição corporal utilizados em atletas. Métodos: trata-se de uma revisão sistemática onde foram buscadas as palavras-chave “atletas” e “composição corporal” e seus termos correspondentes em inglês, utilizando limite de tempo, idioma, delineamento e estudos em humanos, nas bases de dados Pubmed, Embase, Scopus, Lilacs e Scielo. Resultados: das 1.842 referências encontradas, 30 atenderam os critérios de inclusão, totalizando 2.202 atletas adultos de diferentes esportes. Foram identificados sete métodos diferentes, sendo os mais comparados: dobras cutâneas, densitometria de raios-X de dupla energia e bioimpedânciae os menos utilizados: pletismografia, raios infravermelhos e ultrassom. Houve uma maior predominância de estudos onde a bioimpedância apresentou valores superiores de componentes corporais quando comparada a outros métodos. Conclusão: as discrepâncias entre os resultados, populações, equações de predição e equipamentos utilizados dificultam a generalização dos achados, indicando que uma padronização das avaliações deve ser feita dentro de cada método.</p> 2020-08-04T07:13:19-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1474 Conhecimentos dos clientes de uma loja de suplementos alimentares sobre a alimentação saúdavel e fatores associados 2020-08-04T08:36:05-07:00 Ronilson Ferreira Freitas ronnypharmacia@gmail.com Samira Gonçalves de Oliveira Campos shammyha@hotmail.com Anne Cristine Fernandes Maia annefernandes10@hotmail.com Keli Fuckner Benevides eukeli@gmail.com Iara Veloso Almeida iara.veloso@yahoo.com.br Éryka Jovânia Pereira erykanutricao@gmail.com <p>Objetivo: Avaliar conhecimento dos clientes de uma loja de suplementos alimentares sobre alimentação saudável e fatores associados. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo do tipo analítico, transversal, com abordagem quantitativa. Este estudo foi realizado em uma loja que comercializa suplementos alimentares na cidade Montes Claros-MG. Participaram 61 clientes selecionados por conveniência e de forma intencional, que aceitaram responder aos questionários, que apresentaram idade superior a 18 anos. Foram aplicados questionários que avaliavam as características sociodemográficas e econômicas, hábitos de vida, nível de atividade física, tabagismo, etilismo, tratamento para perder peso e Índice de Massa Corporal. Para avaliar o conhecimento acerca da alimentação saudável e o uso de suplementos alimentares, os indivíduos responderam a um questionário adaptado de Zamin e Schimanoski (2010). Resultados: Com relação ao conhecimento sobre alimentação saudável, 91,8% dos entrevistados afirmaram ter conhecimento muito bom/suficiente sobre esta prática e 60,7% acreditam que a alimentação saudável é indispensável na prática de atividade física. Houve associação significativa entre o conhecimento sobre alimentação saudável com as variáveis: escolaridade (p=0,023), número de refeições diárias (p=0,020), conhecimento sobre suplementos alimentares (p=0,003) e prática de atividade física (p= 0,028). Conclusão: Conclui-se que pessoas tem buscado cada vez mais conhecimento sobre a alimentação saudável para suprir suas necessidades alimentares e que fatores como nível de escolaridade, número de refeições diárias, conhecimento sobre o sobre suplementos alimentares e prática de atividade física, são fatores que se associam ao conhecimento sobre alimentação saudável dessa população.</p> 2020-08-04T07:01:31-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1473 O uso de esteroides anabólicos por praticantes de musculação da cidade de Patos-PB 2020-08-04T08:36:05-07:00 Alana Simões Bezerra alana_simoes_edf@hotmail.com Juliete dos Santos Silva juliety_santos@hotmail.com <p>O padrão de beleza explorado pela mídia e o culto exagerado ao corpo tem feito com que muitos praticantes de musculação busquem resultados mais rápidos utilizando os esteroides anabólicos androgênicos (EAA). Objetiva-se verificar o consumo de esteroides anabólicos entre praticantes de musculação da cidade de Patos-PB. Para tanto, procede-se de uma pesquisa de campo, do tipo exploratória e abordagem quantitativa. Participaram 114 indivíduos, sendo 57,0% do sexo masculino e 43,0% do sexo feminino com idade média de 26 anos, como instrumento utilizou-se um questionário com 10 questões objetivas. Para análise dos dados foi utilizado o programa Statistical Package for The Social Sciences (SPSS). Observa-se que 16,7% dos indivíduos faz uso de EAA, 57,9% usaram no último ano e que 47,4% utilizaram entre 0-6 meses, 63,2% fazem uso para melhorar a estética, 42,1% afirmaram ter sido orientado pelo médico, 57,9% responderam que adquiram as substâncias nas farmácias. Já com relação aos efeitos positivos 89,5% afirmaram ter tido alguns efeitos positivos tais como aumento de força, aumento de massa muscular, aumento da libido e uma melhora na estética; 47,4% responderam ter tido algum efeito negativo. As substâncias mais utilizadas pelos usuários foram a Anabol/Dianabol (42,1%), durateston e deposteron ambos com 31,6%; quando perguntado se existiam pontos positivos 89,5% afirmaram que sim e quanto aos efeitos indesejados 52,6% afirmaram não ter tido, mesmo assim não indicariam para alguém (52,6%). O que permite concluir que os dados confirmam que existe o uso de EAA entre os praticantes de musculação da cidade de Patos-PB.</p> 2020-08-04T06:29:37-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1471 Consumo de alimentos prebióticos e probióticos por praticantes de musculação em academias de um município no Nordeste brasileiro 2020-08-04T08:36:04-07:00 Maria Rosiany Sousa Moreira rosianymbcc@hotmail.com Fernanda Lima dos Santos fernanda_limasantoss@hotmail.com Bruna Barbosa de Abreu brunnabarbosa.deabreu@gmail.com Regina Márcia Soares Cavalcante reginalunna@hotmail.com Nara Vanessa dos Anjos Barros nara.vanessa@hotmail.com <p>Tendo em vista a presença de problemas gastrointestinais frequentes em praticantes de musculação, faz-se necessária a inclusão de alimentos que contribuam para a melhora da microbiota intestinal. O presente trabalho objetivou avaliar o consumo de alimentos prebióticos e probióticos por praticantes de musculação em academias de um município do Nordeste brasileiro. Utilizou-se como amostra uma quantidade de 219 praticantes de musculação, que responderam a um questionário de frequência alimentar, sobre a frequência do consumo de alimentos probióticos e prebióticos. Relacionado ao consumo de alimentos prebióticos, observou-se que 64,4% e 52,8% relataram o consumo diário ou semanal de vegetais e frutas com propriedades prebióticas. O alimento probiótico que obteve maior consumo diário e semanal foi o queijo (14,2% e 44,7%, respectivamente). Cerca de 63% relataram não consumir coalhada e ricota, e 51,6% não consumiam molho shoyu. No estudo, observou-se no geral baixo consumo diário de alimentos prebióticos e probióticos. A dieta está entre os fatores que podem causar alterações na microbiota intestinal, podendo acarretar redução da absorção de nutrientes, alterações no armazenamento de gordura e desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes, alguns tipos de cânceres, entre outras. Concluiu-se que apesar do baixo consumo diário de prebióticos e probióticos, houve altos percentuais de consumo semanal para alguns tipos de alimentos, principalmente nos grupos das frutas e verduras, iogurtes e queijos. Destacou-se também a importância de mais estudos com este público alvo envolvendo esses alimentos.</p> 2020-08-04T06:25:40-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1470 Avaliação antropométrica e do consumo alimentar de jogadores de Futebol profissional 2020-08-04T08:36:04-07:00 Paula Reichert Hahn paula.reiche@gmail.com Fábia Benetti benetti@uri.edu.br <p>Para que um atleta de futebol tenha um bom desempenho é necessário treinamento e uma alimentação adequada. A demanda energética dos treinamentos e competições é elevada fazendo com que os atletas necessitem de uma boa ingestão alimentar, principalmente rica em carboidratos. Neste contexto, o presente estudo objetivou avaliar o estado nutricional e os hábitos alimentares de jogadores de futebol profissional de um time de Frederico Westphalen-RS. Trata-se de um estudo transversal, de caráter quantitativo, de natureza descritiva e analítica. A amostra foi composta por 18 jogadores, do sexo masculino, com idade média de 24,22±5,86 anos. As avaliações foram realizadas em período de competição, onde realizou-se avaliação antropométrica considerando peso, estatura e % de gordura corporal e calculou-se a ingestão alimentar dos jogadores por meio do R24 horas. Quanto à avaliação antropométrica, apresentaram em média peso de 75,6±6,8 kg, estatura de 1,79 ± 0,07m e percentual de gordura corporal de 10,49±1,94 %, sendo classificado dentro da faixa de normalidade. O consumo médio de Kcal foi de 2.615±510,12 Kcal/dia, e de macronutrientes 49% de CHO, 21% de PTN e 30% de LIP.&nbsp; Os atletas apresentaram ingestão energética e de carboidratos abaixo do preconizado, e não atingiram as recomendações mínimas da maioria dos micronutrientes, apenas do potássio, vitamina C e B¹². Conclui-se que os atletas apresentaram composição corporal adequada, entretanto, o consumo alimentar, principalmente a ingestão calórica apresentou-se abaixo dos valores recomendados. Um melhor discernimento sobre importância da alimentação, ingestão de macro e micronutrientes e hidratação, influenciará no desempenho esportivo dos jogadores.</p> 2020-08-04T04:01:09-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1469 Comparação do perfil alimentar e da composição corporal de idosos sedentários com idosos praticantes de atividade física 2020-08-04T08:36:04-07:00 Erivelton Alexandre Da Silva eri9520012@hotmail.com Ana Carolina Nunes Barbosa carolbarbosa7252@gmail.com Sâmella Barcelos samibarce@hotmail.com Bruno Affonso Parenti Oliveira bruno_parenti@hotmail.com Fabíola Pansani Maniglia fa_nutricao@hotmail.com Gabriel Silveira Franco gabriel_franco85@hotmail.com <p>O envelhecimento populacional vem crescendo nos últimos anos no Brasil. Estudos apontam que uma nutrição equilibrada e a prática de exercício físico são importantes para evitar a sarcopenia e promover um envelhecimento saudável. O objetivo do presente estudo foi analisar a composição corporal e a ingestão alimentar de idosos que praticavam ou não exercício físico. Trata-se de um estudo transversal com 20 idosos de ambos os sexos divididos em dois grupos: o Grupo A com idosos sedentários e o Grupo B com idosos que realizavam exercício físico pelo menos 3 vezes por semana. As medidas antropométricas e de composição corporal aferidas foram: peso, estatura, circunferências do braço e da panturrilha e dobras cutâneas. Para avaliar o nível de atividade física, utilizou-se o questionário IPAQ e a análise do consumo alimentar foi feita por meio da média de três recordatórios alimentares de 24 horas. Houve alta prevalência de excesso de peso em ambos os grupos, apesar da ingestão alimentar insuficiente. O Grupo A apresentou idade mais avançada (p=0,001) quando comparado ao Grupo B e maior risco de sarcopenia pelos valores de circunferência muscular do braço e da panturrilha. Houve menor adequação da composição corporal no Grupo A e não houve diferença entre os grupos para o consumo alimentar. Os idosos fisicamente ativos eram mais jovens e com melhor adequação da composição corporal, independentemente da alimentação. Possivelmente, o nível de atividade física entre os idosos esteja relacionado à idade, sendo que faixas etárias mais elevada parecem dificultar a prática de exercício.</p> 2020-08-04T03:33:33-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1462 Efeitos de diferentes formas de suplementação de creatina em praticantes de musculação: estudo exploratório 2020-08-04T08:36:03-07:00 Yuri de Lucas Xavier Martins yurixavier2011@gmail.com Mário Flávio Lima marioflaviolima@gmail.com Jaysa Ladeira Ramos jaysalr@yahoo.com.br João Carlos Bouzas Marins jcbouzas@ufv.br <p>A suplementação de creatina é uma estratégia comum para ganho de força e hipertrofia entre praticantes de musculação, entretanto não é consensual o tipo de protocolo que deve ser utilizado. O objetivo desse trabalho foi de verificar possíveis alterações antropométricas e dos níveis de força de praticantes de musculação com diferentes protocolos de suplementação de creatina por um período de quatro semanas.&nbsp;Foram avaliados 12 voluntários do sexo masculino, divididos em grupo placebo (GP), estável (Cr G-1) e sobrecarga (Cr G-2). Antes e depois de cada grupo, foram encontradas&nbsp;diferenças somente no Cr G-2 na massa corporal (MC), hipertrofia de braço e de coxa. A estratégia de sobrecarga por uma semana de 0,3 g/kg de MC seguida de 3 semanas com o consumo de 0,03g de creatina mostrou ser efetiva para o aumento da MC e hipertrofia de braço e de coxa. A estratégia de suplementação sem sobrecarga não teve nenhum impacto ergogênico. A força não foi alterada, independentemente do tipo de protocolo utilizado ao longo de quatro semanas.</p> 2020-08-04T03:25:55-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1459 Avaliação de condutas para perda de peso pré-competição de jovens atletas de Judô 2020-08-04T08:36:03-07:00 Hyago Furtado de Oliveira Pinto hyago.femi@hotmail.com Gabriella Berwig Möller gabibmoller@gmail.com Fernanda Donner Alves f.donneralves@gmail.com <p>Introdução: O judô possui categorias de peso corporal tendo por objetivo equilibrar as diferenças entre os competidores. Os judocas, para conseguirem alcançar o peso necessário, utilizam táticas para perda rápida de peso (PRP). Desse modo, o objetivo foi avaliar as condutas utilizadas pelos atletas de judô para alcançar perda rápida de peso (PRP) antes da competição. Materiais e Métodos:&nbsp; Dados sociodemográficos, características esportivas, alimentação e práticas de desidratação foram coletados além da associação entre o período de PRP com sentimentos e emoções. O test t de student foi utilizado para as variáveis descritivas e considerado diferença significativa p&lt;0,05. Resultado: 38 atletas (53% sexo masculino), idade 22,9 ± 5,2 anos, 92% destes relataram que PRP afeta o desempenho na competição e 34% a queixa mais frequente foi a fadiga. As técnicas mais utilizadas para PRP foram restrição alimentar (92%) hídrica (58%) e desidratação (50%). A maioria dos atletas relatou que a orientação veio dos seus colegas de equipe (58%). Conclusão: A maioria dos atletas de judô refere sentir queda no desempenho em competição por causa da PRP e utilizam mais de três estratégias para realizá-la, sendo as mais comuns a restrição alimentar e hídrica. A orientação e indicação dos métodos partiu, na maioria dos casos, dos colegas de equipe.</p> 2020-08-04T03:23:12-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1453 Nível de atividade física em adolescentes: uma revisão sistemática 2020-08-04T08:36:02-07:00 Nayra Suze Souza e Silva nayrasusy@hotmail.com Bruna Nathália Santos bruna_ns3@hotmail.com Luana Lemos Leão luanalemosleao@outlook.com Rosângela Ramos Veloso Silva rosaveloso9@gmail.com Carla Silvana de Oliveira e Silva profcarlasosilva@gmail.com <p>Objetivo: realizar revisão sistemática para verificar o nível de atividade física em adolescentes. Material e métodos: utilizou-se os padrões estabelecidos pelo Preferred Reporting Items in Systematic Reviews and Meta-analyses e incluiu-se estudos quantitativos com delineamento transversal. A busca foi realizada nas bases de dados eletrônicas Pubmed, Medline, Lilacs. A intensidade das atividades físicas foi classificada pelo Equivalente Metabólico (MET), sendo que atividades de baixa intensidade apresentam menos de 600 METs-min/sem; intensidade moderada entre 600 a 3000 METs-min/sem; atividades de intensidade vigorosa acima de 3000 METs-min/sem. Resultados: foram selecionados 17 artigos, e destes, quatro atenderam a todos os critérios de inclusão e foram selecionados para prosseguir na revisão sistemática. A maioria dos artigos apresentou pelo menos 50% dos adolescentes exercendo um alto nível de atividade física, exceto em um artigo, onde apenas 2% exercia esse nível de atividade física. Conclusão: Conclui-se que os adolescentes apresentam bons níveis de atividade física, embora esse comportamento precise ter maiores alcances, visando amenizar os efeitos causados pelo sedentarismo.</p> 2020-08-04T03:18:53-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1465 Perfil antropométrico e insatisfação corporal de estudantes universitários 2020-08-04T08:36:03-07:00 Stephany Beatriz do Nascimento stephanybnascimento@gmail.com Ísis Lucília Santos Borges de Araújo isis_lucila@hotmail.com <p>O peso corporal pode exercer influência sobre os comportamentos de risco para transtornos alimentares e estudos mostram que as alterações no índice de massa corporal podem gerar insatisfação com a imagem corporal. Este estudo avaliou o perfil antropométrico e insatisfação corporal de universitários da área de saúde. Participaram do estudo universitários de ambos os gêneros, com idades entre 18 e 54 anos. Foram coletados dados de caracterização, antropométricos e de insatisfação corporal. As medidas antropométricas aferidas foram peso, altura, circunferência da cintura e circunferência do pescoço. A insatisfação corporal foi avaliada pelo Body Shape Questionnaire. O banco de dados e análise estatísticas foi realizado e armazenado em planilha eletrônica no programa Microsoft Excel, versão 2010. As variáveis foram descritas nas formas de médias e desvios padrões. O teste t de student foi adotado para a associação entre as variáveis e para comparação das médias. A significância estatística adotada foi definida com p&lt;0,05. Os participantes tinham idade compreendida, entre 18 e 54 anos, dos quais 87,4% eram do sexo feminino. Destes, 61% estavam eutróficos e 14,9% apresentou algum tipo de insatisfação corporal. Ao estimar associação entre o IMC e o BSQ, foi visto que quanto maior a classificação deste índice, maiores foram os escores no BSQ. Logo, nota-se, que a autopercepção da forma corporal, é um aspecto importantíssimo para a vida dos estudantes. Nesta perspectiva, o estudo contribui para que essas vertentes sejam incluídas em futuros estudos afins de melhor investigá-los.</p> 2020-08-04T00:00:00-07:00 Copyright (c) 2020 RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1413 Alimentação de dançarinos do ballet versus atividade física 2020-01-13T14:01:46-08:00 Luciene de Cássia Gomes da Silva lugomesnutricionista@outlook.com Danielle Cristine Mendes Lacerda danielle88mau@gmail.com Laís Lisboa Carneiro laislisboac@gmail.com Kátia Pina Sepúlveda Hott katia.sepulveda@yahoo.com.br <p>O objetivo da pesquisa foi avaliar a qualidade da alimentação e analisar a gordura corporal de bailarinos, em relação as suas necessidades diárias para manutenção da saúde e desempenho físico. A amostra foi composta por 35 dançarinos de ambos os sexos com idade entre 16 a 30 anos em uma escola de dança privada de Montes Claros-MG. Para análise da composição corporal, foram aferidas as quatro pregas cutâneas (bicipital, tricipital, subescapular e supra ilíaca) através de um adipômetro da marca Cescorf, com sensibilidade de milímetros, e para avaliar a alimentação dos dançarinos foi aplicado questionários de frequência alimentar com 15 questões fechadas, sendo respeitados todos os preceitos éticos para a pesquisa em humanos. Nota-se 57% dos dançarinos tem uma alimentação regular e 43% tem uma alimentação inadequada. Os adolescentes, 17% apresentaram gordura corporal ótima e 17% muito alta e 33% moderadamente alta e 33% alta. Com relação aos dançarinos adultos, foram verificados 45% dos bailarinos encontrava-se com gordura corporal alta, moderadamente alta e muito alta, e 55% apresentaram valores considerados bons para excelente. A partir dos resultados obtidos, conclui-se que é necessária uma intervenção nutricional com esses dançarinos de ballet, esclarecendo sobre qual o tipo de alimento que ajuda a melhorar sua execução quando está se exercitando. </p> 2020-01-13T13:34:39-08:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1450 Analise do perfil alimentar de praticantes de CrossFit na região de Belém do Pará 2020-01-13T14:01:51-08:00 Bianca Maria Brescansin bmbrescansin@gmail.com Ranniery Fernanda Teixeira Naziazeno rannyteixeira51@gmail.com Tayana Vago de Miranda tayana.vdm@gmail.com <p>O CrossFit é uma modalidade constituída por exercícios atléticos e físicos que vem ganhando a preferência do público e destaque no mundo das academias. No que diz respeito à nutrição, uma alimentação equilibrada se faz necessária e preconiza o fornecimento de nutrientes de acordo com as necessidades individuais, frequência e intensidade do treino. O objetivo do estudo foi analisar o perfil alimentar de desportistas de CrossFit na região metropolitana de Belém-PA. Participaram do estudo 30 indivíduos de ambos os sexos. O estado nutricional segundo o IMC apresentou eutrofia para maior parte dos estudados (50%). Já na avaliação por meio do percentual de gordura 73,3% da população apresentou valores elevados, sendo que 40% da amostra apresentou alto risco de obesidade. Na frequência de consumo alimentar diária observou-se a elevada ingestão de cereais (76,6%), ovos (73,3%), óleo vegetal (73,3%), leites e derivados (66,6%) e hortaliças (66,6%). Destaca-se ainda que o consumo de embutidos (60%) é maior que o consumo de frutas (50%) e carne bovina (50%). Na semanal, observou-se um alto percentual de ingestão de bebidas alcoólicas (66,6%), pizza (66,6%) e refrigerantes (60%). Na mensal destacam-se salgados fritos (50%), macarrão com molho (50%) e miscelâneas (33,3%). Entre os alimentos descritos como nunca/raramente consumidos, destaca-se o açúcar (80%) e as leguminosas (26,6%). A partir dos resultados apresentados conclui-se que é de extrema importância o acompanhamento com um profissional nutricionista especializado, reforçando a prática de hábitos alimentares saudáveis, contribuindo assim para a melhora do desempenho e promoção da saúde do atleta.</p> 2019-09-19T10:25:04-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1449 A influência da formação em Educação Física na expressão da neofobia alimentar 2020-01-13T14:01:50-08:00 Francisco das Chagas Araújo Sousa chicaovet@gmail.com Francisca Nayane Medeiros Brito nayanemedeirosbrito@gmail.com Fabricio Alves da Silva fabriciozda98@gmail.com Augusto Cesar Evelin Rodrigues augustocevelin@yahoo.com.br Evaldo Hipolito de Oliveira evaldohipolito@gmail.com Roseane Mara Cardoso Lima Verde roseanelv1@mail.com Raimundo Nonato Cardoso Miranda Junior jrfarmaceutico@hotmail.com Francisco Laurindo da Silva flspb@yahoo.com.br Halmisson Darley Santos Siqueira halmisson@yahoo.com.br Erika Vicencia Monteiro Pessoa erikavicenica@hotmail.com Natalia Monteiro Pessoa natalia_tulip@hotmail.com Denis Romulo Leite Furtado denisfarmac@gmail.com <p>Introdução: A neofobia alimentar é uma aversão ao consumo ou incapacidade de conhecer novos alimentos, esse comportamento ocorre da infância até a fase adulta por estar associados aos hábitos, costumes e cultura sendo influenciado pela família e a tecnologia, modulando assim na escolha do alimento desconhecido. Objetivos: Este trabalho teve como objetivo avaliar a influência da formação acadêmica em Educação Física na expressão do comportamento alimentar neofóbico entre estudantes universitários. Materiais e Métodos: Tratou-se de uma pesquisa de campo, exploratória, descritiva, de corte transversal, com abordagem quantitativa, envolvendo 105 estudantes de Educação Física e Nutrição. Resultados e Discussões: A maioria dos participantes do curso de Educação Física era do sexo masculino e os de Nutrição eram do sexo feminino, não foi identificada interação entre o curso que o estudante estava cursando e o período de formação, de maneira geral, a expressão da neofobia alimentar, avaliada pela escala de neofobia alimentar, não foi diferente entre os estudantes de Nutrição e de Educação Física nos dois períodos avaliados. Foi encontrado efeito isolado do período, se ingressante ou concluinte, mas não se encontrou efeito nos cursos. As análises mostraram que os estudantes de Educação Física e Nutrição que estavam concluindo o curso apresentaram valores mais elevados na escala, quando comparados aos ingressantes. Conclusão: Foi observado que tanto a formação acadêmica em Educação Física e Nutrição e o conhecimento adquirido ao longo do curso parecem não ter muita influência sobre a expressão da neofobia alimentar.</p> 2019-09-19T10:15:35-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1448 Efeito da suplementação com probióticos no exercício físico 2020-01-13T14:01:50-08:00 Carlos Alberto Rodrigues de Sousa carlos.r.nutri@gmail.com Luciana Melo de Farias lmfarias@uninovafapi.edu.br <p>Os probióticos tornaram-se, nos últimos anos, opção interessante e cada vez mais populares como suplementos nutricionais, especialmente por reduzir queixas gastrointestinais e doenças infecciosas comuns. Na prática esportiva, há evidências do potencial dos probióticos em reduzir a incidência e a gravidade das infecções do trato respiratório. Em vista disso, o presente estudo tem como objetivo realizar uma revisão sistemática de estudos envolvendo suplementação com probióticos e seus efeitos sobre parâmetros ligados à saúde e o treinamento em atletas e praticantes de exercício físico. A busca foi realizada nas bases de dados Scielo e Pubmed e o período considerado para a revisão foi de 2008 a 2018. Foram considerados artigos da língua inglesa e portuguesa. Os descritores utilizados para a busca dos artigos foram: probiótico, exercício e desempenho esportivo. No total, quinze artigos atenderam aos critérios de elegibilidade. O tratamento com probiótico indica efeitos clínicos positivos e evidências para potencial suplementação no exercício. Os estudos trouxeram resultados que corroboram para atuação nas infecções do trato respiratório e gastrointestinal, como diminuição da incidência, gravidade e duração dos sintomas. Em relação ao desempenho, alguns benefícios isolados foram relatados, principalmente atenuação do dano muscular, recuperação muscular e melhora na potência. Portanto, os benefícios dos probióticos nas infecções respiratórias do trato superior e sistema imune no exercício físico foram satisfatórios, muito embora, em relação ao desempenho, os resultados sejam inconclusivos.</p> 2019-09-19T10:15:32-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1438 Revisão sistemática sobre o efeito de whey proteins na função renal de ratos e camundongos em relação a creatinina, ureia, proeinuria e nos glomérulos e túbulos renais 2020-01-13T14:01:50-08:00 Júlio César da Costa Machado julio.nutricao@gmail.com Francisco Navarro francisconavarro@uol.com.br Antonio Coppi Navarro ac-navarro@uol.com.br <p>Introdução: Dietas com whey proteins elevam a taxa de filtração glomerular de forma aguda e/ou crônica, bem como no aumento da concentração de creatinina, ureia e ácido úrico sérico na urina. Objetivo: o objetivo do estudo foi realizar uma revisão sistemática sobre o efeito do consumo de whey proteins na função renal de ratos e camundongos em relação aos biomarcadores creatinina, ureia, proteinúria e alterações histológicas teciduais nos glomérulos e túbulos renais. Materiais e métodos: Revisão sistemática nas Bases de Dados Lilacs, Scielo.org, Dialnet, Pubmed, Web of Science, com termos de busca constantes nos descritores em saúde da BVS/OMS. Resultados: vinte oito artigos foram selecionados. Discussão: a partir dos estudos analisados, observa-se que ainda são escassos os que abordam diretamente a relação entre as variáveis whey proteins e função/dano renal; a maioria dos estudos abordaram biomarcadores de função renal e/ou análises histológicas do rim, e não apresentam alterações significativas na utilização da suplementação de whey proteins, tanto em caráter agudo, quanto crônico. Conclusão: Os estudos apontam que a utilização/suplementação com whey proteins não altera de forma significativa os biomarcadores creatinina, ureia, proteinúria e nas alterações histológicas teciduais dos glomérulos e túbulos renais.</p> 2019-09-19T10:15:24-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1437 Efeitos da suplementação de creatina conciliada a cafeína sob a força de praticantes de musculação 2020-01-13T14:01:50-08:00 Felipe Pedrosa felipepedrosa1@hotmail.com.br Ana Caroline Pereira Ferreira de Souza ana.personalt@hotmail.com José Carlos Leal leal@uniformg.edu.br Gleuber Marques-Oliveira gleuberh@hotmail.com <p>Introdução: Evidências científicas têm demonstrado que a suplementação de cafeína e/ou creatina pode aumentar a força. No entanto, existem alguns dados apontando que a combinação de ambas pode anular esse efeito. Objetivo: Avaliar os efeitos da suplementação de creatina e cafeína sobre os ganhos de força muscular por praticantes de musculação. Materiais e Métodos: Praticantes de musculação foram randomicamente divididos em 4 grupos (controle, creatina, cafeína, creatina+cafeína). Durante 4 semanas os grupos experimentais foram suplementados com creatina (5g/dia), cafeína (5mg/kg de peso corporal) ou ambos (creatina+cafeína). A força foi avaliada pelos exercícios de supino reto e cadeira extensora previamente a suplementação, após 7 dias e após 28 dias de suplementação. Os resultados foram expressos como média ± erro padrão. As diferenças foram analisadas utilizando ANOVA seguida por teste de Bonferroni adotando valores de P&lt;0,05 para nível de significância. Resultados: O grupo controle não alterou a força em nenhum momento. O grupo suplementado com creatina aumentou a força na cadeira extensora após 7 dias (54,5 ± 4,8 vs. 57,7 ± 5,1kg). O grupo suplementado com cafeína aumentou a força na cadeira extensora após 7 dias (67,0 ± 9,0 vs. 72,0 ± 7,8kg) e após 28 dias (67,0 ± 9,0 vs. 72,0 ± 7,6kg). O grupo suplementado com ambas substâncias aumentou a força na cadeira extensora somente após 28 dias (56,2 ± 7,4 vs. 60,2 ± 7,0kg). Conclusão: Nossos dados sugerem que a suplementação de creatina e cafeína de forma associada promove redução dos efeitos ergogênicos quando comparado ao uso isolado dessas substâncias.</p><p> </p> 2019-09-19T10:15:02-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1397 Prevalência de insatisfação corporal em praticantes de atividade física 2020-01-13T14:01:45-08:00 Joyce Lopes Macedo joycelopes385@gmail.com Amanda Suellenn Santos Oliveira amandasuellenn@hotmail.com Erica Rodrigues Reis rodrigues.ericareis@gmail.com Magnólia de Jesus Sousa Magalhães Assunção magmagalhaes2009@hotmail.com <p>Introdução: A prática de exercício físico tem sido utilizada por indivíduos insatisfeitos com sua imagem corporal, para ganho ou perda de peso. Contudo, uma imagem corporal negativa pode, paradoxalmente, reduzir a motivação para a prática de atividades físicas ou aumentar o engajamento em programas de exercícios. Objetivo: O presente artigo tem por finalidade realizar uma busca bibliográfica sobre a prevalência de insatisfação corporal entre praticantes de atividade física. Metodologia: Trata-se de uma revisão de literatura do tipo integrativa. Para busca e seleção dos estudos utilizou-se as bases de dados: Scielo e Ebscohost e o buscador Google acadêmico, permitindo a seleção de 9 artigos, os quais foram publicados entre os anos de 2017 a 2019, pesquisou-se artigos publicados em português e inglês. Resultados e discussão: Em todos os estudos analisados foi possível verificar que há grande insatisfação com a imagem corporal, entre os praticantes de atividade física, fato este, que pode ser decorrente da elevada cobrança social de amigos, familiares e a forte influência da mídia pela busca e idealização do corpo estipulado perfeito. Conclusão: É necessário a realização de mais estudos, que abordem a temática, no intuito de compreender a auto percepção da imagem corporal entre praticantes de atividade física, a insatisfação corporal pode provocar problemas futuros, devido a essa busca por um corpo ideal.</p> 2019-09-19T07:01:55-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1436 Relação da vigorexia com o uso de esteroides anabolizantes em praticantes de treinamento de força 2020-01-13T14:01:49-08:00 Arythan Albuquerque de Macedo arythan.am@hotmail.com Julio Cesar Chaves Nunes Filho juliocesaref@yahoo.com.br Robson Salviano de Matos robsonmatos.ef@gmail.com Daniel Vieira Pinto danielvieirapinto@gmail.com Luís Felipe Viana Correia luisheavycorreia@gmail.com Marilia Porto Oliveira Nunes mariliaportoo@hotmail.com <p>Introdução: O uso de esteroides anabólicos andrógenos (EAA) tem sido relatado como presente em diversas modalidades esportivas, associado ao uso deles está a ocorrência de distúrbios de autoimagem. A vigorexia é um desses distúrbios mais comumente verificados. Objetivos: Relacionar a vigorexia com o uso de esteroides anabolizantes em praticantes de treinamento de força (TF) dentro de Centros de Treinamento Esportivo (CTE). Materiais e Métodos: pesquisa tipo transversal, quantitativa com abordagem descritiva, realizada no período de outubro de 2017 a junho de 2018 em dois CTE, localizada na zona periférica da cidade e na zona nobre. Composta por 40 voluntários, 20 da zona periférica (ZP) e 20 da zona nobre (ZN), classificados como vigoréxicos, de acordo com o Questionário de Complexo de Adônis. Os voluntários também preencheram um questionário com perguntas relacionadas ao uso de esteroides anabolizantes. Para a comparação dos dados foi utilizado o teste T de Student para amostras independentes, já para associação entre os dados qualitativos foi utilizado o teste de Qui-Quadrado. Resultados: Os participantes de ZN e ZP a tinham idade de (28,7 ± 4,77 anos) e (32,42 ± 6,03 anos) respectivamente (p=0,03). Foi verificado um maior percentual de uso de EAAs em ZN (80%), quando comparado com ZP (45%) (p=0,08). Os EAAs mais utilizados percentualmente foram, Durateston®(84%), Winstrol® (80%) e Deca Durabolin(44%). Em ambos grupos o fator principal para o uso de esteroides foi a estética (p&lt;0,05). Já para o acompanhamento médico durante a utilização de EAAs não houve associação entre os grupos, ou seja, independente da classe social a procura foi a mesma (p&lt;0,05). Sobre o acompanhamento médico para prevenção de doenças, 100% dos participantes de ambos grupos não faziam este tipo de procedimento. Conclusão: Praticantes de treinamento de força com vigorexia da zona nobre utilizam proporcionalmente mais esteroides anabolizantes do que os da zona periférica; existe diferença distribuição na motivação do uso de esteroides entre os dois grupos; Os esteroides mais utilizados são Durateston®, stanazolol e Deca Durabolim®, com a finalidade principal relacionada a estética.</p> 2019-09-19T06:45:00-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1434 Índice glicêmico e carga cligêmica de dietas de atletas 2020-01-13T14:01:49-08:00 Vania Letícia Souza Fernandes vanialeticia@hotmail.com Hellen Clair Garcez Nabuco hellenclair@hotmail.com Ana Paula Muraro muraroap@gmail.com Felipe Behrends Rodrigues fefe.b.rodrigues@gmail.com Fabrício César de Paula Ravagnani fabricioravagnani@hotmail.com Luiz Fabrizio Stoppiglia fabrizio.stoppig@gmail.com Christianne de Faria Coelho Ravagnani christianne.coelho@hotmail.com <p>Introdução: Índice Glicêmico (IG) e Carga Glicêmica (CG) têm sido utilizados como ferramenta de escolha da dieta para melhorar o desempenho físico. No entanto, pouco se sabe sobre a aplicabilidade do consumo pelos atletas de diferentes modalidades. Objetivo: Analisar o IG e a CG da dieta de atletas brasileiros. Métodos: Estudo transversal conduzido com 113 atletas (18,4 ± 6,6 anos, 22,3 ± 3,2kg/m2, 13,6 ± 7,0 % percentual de gordura corporal e 12,0 ± 6,9 horas de treinamento semanal). Para avaliar o percentual de gordura foi utilizado uma bioimpedância elétrica e também foi realizado medidas antropométricas. O consumo alimentar foi avaliado por meio do recordatório de 24 horas. Calculou-se IG e CG da dieta utilizando seguindo procedimentos previamente estabelecidos. O teste Mann-Whitney U e o teste de Kruskal-Wallis foram usados para as análises estatísticas. Resultados: Não houve diferença estatisticas no volume de treinamento, na ingestão de macronutrientes, no total de calorias e no IG entre homens e mulheres (P &gt;0,05). A CG foi menor nas mulheres e diferentes entre os esportes. As dietas de alta CG apresentaram baixo percentual de gordura corporal do que as dietas de moderada CG (P &lt;0,05). Conclusão: A maioria dos atletas apresentou dieta com baixo IG e alta CG. Houve diferenças entre a classificação da CG, as modalidades e o percentual de gordura corporal. Mais estudos são necessários para elucidar os efeitos da CG e do IG na composição corporal e no desempenho físico.</p> 2019-09-19T06:41:05-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1425 Aplicabilidade de indicadores alternativos para estimar a gordura corporal de homens e mulheres 2020-01-13T14:01:49-08:00 Guilherme Adroaldo Moraes Pereira gamp.pereira@gmail.com Silvana Corrêa Matheus silvanamatheus@gmail.com Diego Rodrigo Both diegoboth@yahoo.com.br Mauri Schwanck Behenck mbehenck@gmail.com <p>Introdução e Objetivo: uma das preocupações da área da educação física atualmente é desenvolver técnicas mais eficientes para estimar o percentual de gordura corporal (%GC), dessa forma, o presente estudo teve como objetivo testar a aplicabilidade de indicadores alternativos para estimar a gordura corporal, tendo a pesagem hidrostática (PH) como método de referência. Materiais e Métodos: Foram investigados 280 sujeitos, dos quais se analisou os resultados de percentual de gordura corporal (%GC) obtidos através do método PH e dos indicadores Clínica Universidad de Navarra-Body Adiposity Estimator (CUN-BAE), índice de adiposidade corporal (IAC), equações de estimativa a partir de dobras cutâneas (E-DC) e impedância bioelétrica (IB). Resultados e Discussão: Os resultados indicaram que não foram observadas diferenças significativas entre as medidas de %GC dos indicadores E-DC e IB e a PH para o grupo masculino, no entanto, para o grupo feminino, os valores de %GC apresentaram-se estatisticamente diferentes dos obtidos com o método de referência. O IAC apresentou erro de estimativa aceitável para grupo feminino e o CUN-BAE apresentou tendência de superestimar os valores de %GC. Conclusão: De uma forma geral, os indicadores E-DC e IB foram os que apresentaram os melhores resultados, sendo que o E-DC se mostra mais eficiente para avaliar indivíduos do sexo masculino. Já o IAC demonstrou aplicabilidade moderada para avaliar o grupo feminino, porém o CUN-BAE mostrou-se demasiadamente limitado para avaliar o público em questão.</p> 2019-09-19T06:41:01-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1423 Análise de concentração de proteinas em diferentes tipos de suplementos proteicos nacionais 2020-01-13T14:01:48-08:00 Carolina Stacntz Farias carolinaf.nutricao@gmail.com Giuseppe Potrick Stefani giuseppe.stefani@pucrs.br Cláudia Dornelles Schneider claudias@ufcspa.edu.br Vanusa Regina Lando vrlando@ufcspa.edu.br <p>O consumo de suplementos nutricionais, como whey protein, vem aumentando constantemente entre atletas e praticantes de exercício físico. É de extrema importância para o consumidor que a informação nutricional contida nos rótulos destes produtos respeite as exigências previstas na legislação Brasileira. O objetivo deste estudo foi determinar a quantidade de proteína de diferentes marcas nacionais de whey protein, concentrado e isolado, bem como comparar os valores determinados com os dados apresentados nos rótulos desses suplementos. Foi analisado o teor proteico de cinco amostras de whey protein 100% concentrado e cinco amostras de whey protein 100% isolado, obtidas nas cidades de Porto Alegre e Canoas. As análises foram realizadas em quadriplicata através do método semi-micro Kjeldahl. Os resultados obtidos foram comparados com os valores expressos nos rótulos dos produtos, e com o preconizado na legislação. As 10 amostras analisadas apresentaram na análise percentual menor teor proteico em relação ao rótulo. Entretanto, em relação à legislação, todas amostras estavam adequadas quanto aos critérios de 20% de diferença em relação ao rótulo e conter 10,0 g proteína/porção, com apenas um produto contendo &lt;50% do valor energético total na porção. A maioria das amostras demonstrou adequação de teores de proteína na porção conforme a legislação, entretanto, todos os produtos, independentemente de ser whey protein concentrado ou isolado apresentaram menores teores de proteína na porção em relação aos seus rótulos.</p> 2019-09-19T06:39:48-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1421 Alimentação: consumo e conhecimento por praticantes de exercício físico em uma cidade no interior do RS 2020-01-13T14:01:48-08:00 Renata Machado Sommer renataasommer@gmail.com Fernanda Aline de Moura fernandamoura_nut@yahoo.com.br Rodrigo Martins da Silva rod.martinss@gmail.com Fabiana Copês Cesario fabianacopes@gmail.com <p>A nutrição equilibrada, variada e com quantidades adequadas de nutrientes, quando associada à prática de exercício físico, proporciona uma melhora na qualidade de vida do ser humano, pois auxilia na movimentação do corpo, melhora o rendimento e potencializa o efeito dos treinos. Esse estudo teve como objetivo avaliar o consumo alimentar e o conhecimento sobre a alimentação por praticantes de exercício físico em uma cidade no interior do RS. Participaram da pesquisa 43 indivíduos, de ambos os sexos, com faixa etária entre 18 e 54 anos. A coleta de dados se deu através da aplicação de um questionário em três academias localizadas no município de Uruguaiana. Em relação ao consumo alimentar, em ambos os sexos, o consumo de carboidratos encontrou-se abaixo da recomendação diária da AMDR (65,1%). A maioria (97,7%) dos praticantes estava com consumo adequado de proteínas, sendo que apenas um participante apresentou consumo abaixo da recomendação. Quanto aos lipídios, grande parte dos indivíduos consumiam quantidades adequadas, mas observou-se que 23,2% deles consumiam dieta hiperlipídica. A autoavaliação do conhecimento acerca da alimentação saudável mostrou que grande parte dos participantes classifica seus conhecimentos em “suficiente” (62,8%) e “muito bom” (25,6%). No entanto, quando questionados acerca do nutriente de maior consumo diário, grande parte respondeu que a proteína deve ser o macronutriente mais consumido. A partir do exposto, reforça-se a importância de um profissional nutricionista na assistência à praticantes de exercício físico, para garantir a qualidade alimentar e o alcance dos objetivos desejados.</p> 2019-09-19T06:37:30-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1419 Adequabilidade da rotulagem à lesgislação e classificação de suplementos alimentares para praticantes de exercícios físicos 2020-01-13T14:01:48-08:00 Alan de Carvalho Dias Ferreira alanamarajp@hotmail.com João Andrade da Silva joaoctdr@gmail.com Irinaldo Capitulino de Souza irinaldopersonal@gmail.com Alana Mara Inácio de Aquino alanamarajp@hotmail.com <p>Objetivo Avaliar a adequabilidade da composição rotulada e das características dos suplementos para praticantes de exercícios físicos à legislação; identificá-los e classificá-los de acordo com seus ingredientes rotulados. Métodos Identificaram-se os produtos em 33% (n=131) dos pontos de venda da cidade de João Pessoa-PB, representados por farmácias, lojas especializadas e supermercados; comparou-se a composição rotulada e as características dos suplementos com os fatores essenciais de composição e qualidade fixados pela Portaria 222/98 da ANVISA; classificou-se os produtos que não se enquadravam na Portaria em categorias, de acordo com seus ingredientes rotulados. Realizou-se o teste exato de Fisher, com nível de significância de 5%. Resultados Catalogou-se 945 produtos diferentes, a maior parte (43%) considerada Alimentos para Praticantes de Atividades Físicas, 30% de suplementos não incluídos na Portaria 222/98 e 27% produtos com comercialização proibida no Brasil. Dentre os Alimentos para Praticantes de Atividades Físicas, nenhum apresentou todas as características exigidas pela legislação, principalmente por conter, em seus rótulos, excesso de vitaminas e minerais ou não apresentar a quantidade mínima de proteínas. Dos suplementos analisados, 43% apresentavam denominação inadequada e 33% apresentaram expressões proibidas. Conclusão O alto índice de inadequabilidade encontrada na composição rotulada, principalmente quanto ao excesso de micronutrientes, à menor proporção de proteínas e à presença de substâncias proibidas, indica a necessidade de maior controle e fiscalização desses produtos. A avaliação da adequabilidade permite verificar se o suplemento possui as características e composição de nutrientes mínimas para gerar os efeitos esperados, seja no desempenho, na saúde ou na nutrição de quem o consumir.</p> 2019-09-19T06:36:09-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1418 Perfil nutricional de mulheres praticantes de corrida de rua e treinamento funcional de Itaqui-RS 2020-01-13T14:01:47-08:00 Carolina Rapetti Rodrigues carolnutrirun@gmail.com Fabiana Copês Cesario fabianacopes@unipampa.edu.br Marina Couto Pereira marinapereira@unipampa.edu.br Joice Trindade Silveira joicesilveira@unipampa.edu.br Fernanda Aline Moura fernandamoura@unipampa.edu.br <p>O treinamento funcional e corrida de rua têm conquistado muitos adeptos nos últimos tempos, como forma de variar a prática esportiva. Entretanto, estudos de perfil nutricional do público feminino que pratica estas modalidades de exercício físico ainda são escassos. Portanto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o consumo alimentar, a composição corporal e o estado nutricional de mulheres praticantes de corrida de rua e treinamento funcional da cidade de Itaqui-RS. Foram avaliadas 12 mulheres praticantes de treinamento funcional e/ou corrida de rua, sendo mensurados e classificados seu IMC, circunferência da cintura e percentual de gordura corporal. O consumo alimentar foi avaliado a partir do recordatório de 24horas. Observou-se uma distribuição equilibrada de macronutrientes, porém constatou-se se um déficit médio de 520 kcal, considerando as recomendações para prática de exercícios físicos. A maioria das participantes encontrava-se em eutrofia ou sobrepeso (41,66% para ambas classificações) e 66,66% apresentaram percentual de gordura elevado. O risco aumentado de complicações metabólicas foi observado em 50% das mulheres e risco substancialmente aumentado em 41,66%. Concluiu-se que, apesar de se tratar de um grupo de mulheres fisicamente ativas, o consumo energético estava deficitário e havia risco de agravos à saúde em função do excesso de peso, do alto percentual de gordura corporal e da alta circunferência da cintura. Uma vez que 100% das participantes da pesquisa não estavam sob acompanhamento nutricional, os resultados reforçam a necessidade de orientações nutricionais com vistas à saúde e desempenho físico.</p> 2019-09-19T06:34:54-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1417 A influência do exercício físico sobre o cortisol e glicose sanguínea de praticantes de atividade física 2020-01-13T14:01:47-08:00 Suelana Marta Nunes Ramos suelanamarta123@gmail.com Luís Paulo Bezerra de Carvalho enferlp@hotmail.com Leila Maria de Carvalho Estêvão leilacarvalho1000@hotmail.com Raphael Rodrigues Bezerra raphaelrbezerra@hotmail.com Joyce Lopes Macedo joycelopes385@gmail.com Francisco das Chagas Araujo Sousa chicaovet@gmail.com <p>Introdução: A secreção do cortisol está diretamente relacionada à utilização da glicose pelo organismo, devido a sua função antagônica à glicose, por isso a importância da avaliação simultânea de ambos, afim de que sejam considerados fatores associados com o catabolismo proteico muscular e hiperglicemia associada ao exercício físico. Objetivo: Analisar a influência do exercício físico sobre o cortisol e a glicose sanguínea. Metodologia: O estudo trata-se de uma revisão bibliográfica do tipo integrativa, utilizou-se para a pesquisa as bases de dados: Pubmed, Scielo e o buscador Google acadêmico, priorizando trabalhos publicados entre os anos de 2011 a 2018, totalizando 11 estudos. Resultados: Foi verificado a relação entre os resultados dos parâmetros bioquímicos obtidos, possibilitando avaliar o estresse físico relacionado à intensidade do exercício físico e, em alguns casos, relacionar com a suplementação de carboidratos. Considerações finais: Por meio dos achados, conclui-se que de acordo com o período de tempo e horas dispendidas a prática de exercício físico tem-se uma adaptação do organismo a secreção do cortisol, onde a melhora do desempenho pode estar diretamente relacionada ao uso de carboidrato e que a restrição calórica não é preditora de estresse.</p> 2019-09-19T06:33:16-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1415 Cálculo do erro técnico de medição em antropometristas iniciantes para pesquisa com atletas 2020-01-13T14:01:47-08:00 Gabriel Gonçalves da Costa goncalvesgc@hotmail.com Igor da Costa Salvador igorsalvador@rocketmail.com João Pedro de Saldanha Gomes joca5200@gmail.com Maria Alice Nogueira nogueira.mariaalice@hotmail.com Leila Sicupira Carneiro de Souza Leão leilaleao@gmail.com <p>Introdução: Um dos métodos mais utilizados para determinação da composição corporal é a aferição das dobras cutâneas e das circunferências corporais. Entretanto, uma limitação importante deste método reside na dificuldade de procedimento nos pontos específicos tanto inter como intra-avaliador. Neste sentido, o ETM é o cálculo estatístico que permite avaliar a precisão dos avaliadores e a margem de confiança das medidas coletadas. objetivo: descrever o ETM de antropometristas iniciantes. materiais e métodos: As medidas antropométricas foram realizadas por cinco antropometristas (um experiente e quatro iniciantes), em 20 estudantes voluntários, adultos de ambos os sexos. Além da análise descritiva, foi calculado o ETM relativo (ETM%) intra-avaliador e inter-avaliador para perímetros e dobras. Resultados: A análise do ETM% inter-avaliador indicou que os quatro antropometristas apresentaram valores de erro aceitáveis para iniciantes no perímetro do braço, dois para o perímetro do quadril e1 nos perímetros da cintura e abdominal. Nas medidas de dobras cutâneas, o ETM%, se apresentou bastante elevado para todos os pontos anatômicos aferidos. Quanto ao ETM% intra-avaliador na análise dos perímetros, todos os antropometristas apresentaram ETM% aceitáveis no perímetro do quadril, três no do braço e da cintura, e no perímetro abdominal, dois antropometristas. Nas medidas de dobras cutâneas, os erros percentuais se apresentaram mais baixos em relação aos valores encontrados na análise inter-avaliador. conclusão: Considerando os resultados obtidos em antropometristas iniciantes, recomenda-se a realização de avaliações periódicas do ETM visando controlar e minimizar os erros intra e interavaliador de antropometristas envolvidos em pesquisa.</p> 2019-09-19T06:31:03-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1414 Nível de desidratação e concentração de lactato de praticantes de atividade física de alta intensidade 2020-01-13T14:01:47-08:00 João Pedro Assis Moreira joaoassism11@gmail.com Thiago Pires Mendes thiagopiresufv@yahoo.com.br André Gustavo Vasconcelos Costa agvcosta@gmail.com <p>A desidratação gerada por atividades físicas de alta intensidade, como o croosfit, prejudica a performance dos atletas. De forma paralela, a acidez aumentada em função do acúmulo de lactato contribui para a fadiga do atleta. Este estudo objetivou avaliar a desidratação e a relação entre o consumo de carboidrato e o nível de lactato sanguíneo de praticantes de atividade física de alta intensidade. Um total de 13 indivíduos concluíram um treinamento padronizado chamado de Open 16.5 (CrossFit Games Open). Inicialmente, coletou-se dados antropométricos e dietéticos dos participantes. No dia do treino, foram determinados o nível de lactato e grau de desidratação. Os dados dietéticos indicaram baixo consumo de carboidrato, com média de ingestão diária de 2,6 ± 0,7 g de carboidrato/kg, além do consumo proteico e lipídico aumentado. O tempo médio de execução da atividade foi de 16,6 ± 3,6 minutos. O lactato apresentou média final de 9,6 ± 2,2 mmol/L, com variação de 6,9 ± 2,5 mmol/L. Ao avaliar a taxa de desidratação, observou-se perda hídrica de 394 ± 155 mL. O consumo de carboidrato diário ou anterior ao treino não se correlacionou com o grau de desidratação, concentração de lactato ou tempo de conclusão do treino. Portanto, o presente estudo não observou correlação entre a ingestão de carboidrato com o nível de lactato sanguíneo, porém evidenciou uma perda hídrica importante, apesar de um treino curto, reforçando a necessidade da hidratação correta do atleta.</p> 2019-09-19T06:29:14-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1409 A insatisfação corporal em jovens de uma escola de ensino médio em Porto Alegre 2020-01-13T14:01:46-08:00 Alexandre Rossoni da Rocha alexandre.rossoni@gmail.com José Augusto Evangelho Hernandez hernandez.uerj@gmail.com Miguel Angelo dos Santos Duarte Junior miguel.nutricao@hotmail.com Priscila Antunes Marques priscila.antunes@ufrgs.br Gabriel Alves Aimi gabaimi@hotmail.com Adriana Moré Pacheco adrimpacheco@ufrgs.br Rogério da Cunha Voser rogerio.voser@ufrgs.br <p>O objetivo deste estudo foi analisar as percepções da imagem corporal de 133 estudantes de ambos os sexos, com idade entre 15 e 19 anos de uma escola pública estadual de Ensino Médio de Porto Alegre-RS. Cada participante indicou a silhueta mais parecida com seu corpo e a mais desejada numa Escala de Silhuetas (Kakeshita, 2008). O Índice de Massa Corporal foi calculado para cada indivíduo. A insatisfação corporal foi identificada a partir da diferença entre os escores das silhuetas auto percebida e desejada em comparação à silhueta real. A maioria dos participantes apresentou estado nutricional eutrófico, 74,4%, sendo 21,1% deles com sobrepeso e apenas 4,5% de baixo peso para a idade. Os achados mostraram que há insatisfação corporal entre os escolares e que há diferença entre a insatisfação dos sexos masculino e feminino, principalmente com relação à escolha das silhuetas. Os estudantes de ambos os sexos perceberam sua imagem corporal menor do que realmente é. No entanto, as estudantes do sexo feminino ainda desejavam uma silhueta menor, visto que perceberam os tamanhos de seus corpos significativamente maiores do que os tamanhos desejados, diferente dos estudantes do sexo masculino, que não demonstraram essa diferença significativa entre silhueta percebida e desejada. Os resultados da pesquisa são compatíveis com outros estudos na literatura.</p> 2019-09-19T06:26:39-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1400 Avaliação corporal de triatletas: uma comparação entre diferentes métodos 2020-01-13T14:01:46-08:00 João Pedro de Freitas Galinari jpgalinari@gmail.com Gabriel Versari Salvalaggio gabrielversari@outlook.com Ariana Ferrari arianaferrari0612@gmail.com <p>O triatlo é um esporte de resistência que vem se popularizando cada vez mais. Objetivo: Este trabalho teve como objetivo comparar diferentes métodos de avaliação da composição corporal em triatletas utilizando métodos de bioimpedância e antropometria. Materiais e métodos: Foram avaliados 24 triatletas (15 do sexo masculino e 9 do sexo feminino) da cidade de Maringá-PR, dos quais foram aferidas: estatura, peso e as pregas cutâneas tricipital, peitoral, subescapular, da coxa, abdominal, axilar média, da panturrilha, bicipital e suprailíaca, e os dados coletados foram inseridos em diversas fórmulas matemáticas, sendo utilizadas para o sexo masculino: Jackson, Pollock (1978), Faulkner (1968), Forsyth e Sinning (1973) e Pollock, Jackson, Jackson (1980), enquanto que para o sexo feminino as fórmula utilizadas foram: Durnin, Womersley (1974), Jackson, Pollock e Ward (1980) e Petroski (1995) e foram obtidos também os percentuais de gordura corporal através de 3 aparelhos de bioimpedância, sendo eles: InBody 570, Biodynamics 310E e OMRON HBF-514C. Resultados: Foi encontrado um maior grau de correlação do método OMRON HBF-514C com o padrão de referência InBody 570, quando avaliado o sexo masculino. Já no caso do sexo feminino foi encontrado que o método de Petroski (1995) apresentou maior correlação com o padrão de referência. Conclusão: Apesar da alta correlação dos métodos OMRON HBF-514C, no sexo masculino, e Petroski (1995), no sexo feminino, com o padrão de referência InBody 570, não se pode afirmar qual é o método mais fidedigno, por não existirem estudos que validem métodos para este público.</p> 2019-09-19T06:24:36-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1389 Nutrição esportiva como componente curricular nos cursos de Nutrição e Educação Física da região Norte do Brasil 2020-01-13T14:01:45-08:00 Thais Rayara dos Santos Mendonça thais-rayara@bol.com.br Jessica Regina Perin jessicaperin@outlook.com Ana Paula dos Santos Rodrigues anapsr@gmail.com Tatienne Neder Figueira da Costa tati-nut@usp.br <p>A prática de exercício físico e alimentação saudável com a finalidade de melhorar o desempenho esportivo tem crescido e junto a necessidade por profissionais devidamente capacitados a atuar nessa área. Assim, a inclusão da disciplina Nutrição no Esporte na matriz curricular dos cursos de Graduação em Nutrição e Educação Física faz-se necessária. Este estudo objetivou caracterizar a disciplina de Nutrição no Esporte nos cursos de Graduação em Nutrição e Educação Física da Região Norte do Brasil. Foram avaliados somente os cursos das Instituições de Ensino Superior (IES) reconhecidas pelo Ministério da Educação. As Instituições foram selecionadas através da Base de Dados do Sistema de Regulação do Ensino Superior – Sistema e-MEC, considerando-se a presença ou não da disciplina Nutrição Esportiva e sua caracterização como denominação; natureza (obrigatória ou optativa); carga horária e período ministrado. A maioria dos cursos de Nutrição (88,9%) oferta a disciplina, percentual maior que nos cursos de Educação Física (56,5%). Comportamento similar foi observado em relação à natureza de sua ofertada, sendo obrigatória em 88,2% dos cursos de Nutrição e 77,0% na Educação Física. Ambos os cursos apresentaram ampla variabilidade no período de oferta, bem como em sua carga horária total (maior na Educação Física) e sua subdivisão entre teórica e prática. Conclui-se que há diferenças intra e inter-cursos consideráveis em relação à disciplina de Nutrição Esportiva e que demandam uma avaliação qualitativa a fim de investigar seu impacto no processo de ensino-aprendizagem e consequente capacitação nesta área.</p> 2019-09-19T06:23:01-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1407 Uso de suplementos por praticantes de musculação em academias 2019-09-12T03:27:42-07:00 Ariel de Deus Medeiros arielmedeiros92@gmail.com Luciane Sanchotene Etchepare Daronco luetchepare@gmail.com Laércio André Gassen Balsan laerciobalsan@yahoo.com.br <p>Introdução: Atualmente a musculação é uma prática esportiva muito realizada por promover benefícios estéticos, à saúde e à qualidade de vida. Com o objetivo de aumentar tais benefícios o uso da suplementação está cada vez mais presente nas academias. Objetivo: Identificar qual é o suplemento mais consumido pelos praticantes de musculação e o perfil do consumidor. Método: Essa é uma <em>survey</em> transversal, com abordagem quantitativa, que foi realizada em dois clubes de uma cidade do interior do Estado do Rio Grande do Sul. Para tanto, utilizou-se um questionário de avaliação suplementar, composto por 13 perguntas. Na análise dos dados, foi utilizada a estatística descritiva e teste t. Resultados: Constatou-se que os adultos jovens são os que mais ingerem suplementos, principalmente do tipo <em>whey protein</em> com o objetivo de obter hipertrofia muscular. Conclusão: O desejo pelo aumento da massa muscular é o principal determinante do uso e do tipo de suplementação utilizada.</p> 2019-09-12T03:17:15-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1406 Perfil antropométrico e sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em praticantes de musculação no município de Picos-PI 2019-09-12T03:27:42-07:00 Maria Rosiany Sousa Moreira rosianymbcc@hotmail.com Fernanda Lima dos Santos fernanda_limasantoss@hotmail.com Paulo Víctor de Lima Sousa paulovictor.lima@hotmail.com Gleyson Moura dos Santos g_leyson_moura@hotmail.com Regina Márcia Soares Cavalcante reginalunnaa@hotmail.com Nara Vanessa dos Anjos Barros nara.vanessa@hotmail.com <p>A disbiose intestinal é uma alteração intestinal, que é caracterizada pela predominância de bactérias patogênicas sobre as benéficas, interferindo na integridade do intestino. Objetivou-se verificar o perfil antropométrico e prevalência dos sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em praticantes de musculação no município de Picos-PI por meio do Questionário de Rastreamento Metabólico (QRM). Trata-se de um estudo do tipo transversal, descritivo, de caráter quantitativo, envolvendo praticantes de musculação em academias, de ambos os sexos. Foram obtidos peso e estatura, para obtenção do Índice de Massa Corporal (IMC). Através da bioimpedância foram obtidos a gordura visceral, gordura corporal e massa magra, também foi avaliado as circunferências da cintura e quadril, e por meio da aplicação do QRM foi analisado o indicativo de hipersensibilidade e sintomas sugestivos da presença de disbiose intestinal. Participaram do estudo 219 voluntários, de acordo com o IMC, a maioria apresentou-se dentro da eutrofia para ambos os sexos, 53,3% dos homens e 58,2% das mulheres apresentaram resultados elevados para a gordura corporal, com percentuais de massa magra dentro da normalidade. A maioria apresentou baixo risco para desenvolvimento de doenças cardiovasculares de acordo com a relação cintura-quadril, e a gordura visceral também estava adequada. Quanto ao QRM, verificou-se que os valores que não indicavam a presença de hipersensibilidade correspondem a 47,1%, e 41,4% mostraram a presença de hipersensibilidade. Os resultados sugeriram a presença de disbiose intestinal em praticantes de musculação, entretanto mais estudos são necessários, visto que a literatura é muito escassa relacionando disbiose e musculação.</p> 2019-09-12T03:17:03-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1405 Fatores associados à insatisfação com a imagem corporal em bailarinos profissionais 2019-09-12T03:27:42-07:00 Joseani Paulini Neves Simas joseanisimas@gmail.com Ana Macara a.macara@hotmail.com Sebastião Iberes Lopes Melo sebastiao.melo@udesc.br Andreia Pelegrini joseanisimas@gmail.com <p>A preocupação com estética corporal presente na dança está relacionada à insatisfação com imagem corporal (IC). O objetivo deste estudo foi investigar a insatisfação com a IC e verificar que fatores se associam especificamente à insatisfação pela magreza e pelo excesso de peso em bailarinos profissionais de ambos os gêneros. Participaram do estudo 181 bailarinos profissionais (54.1% feminino e 45.9% masculino), com média de idade 24.36 anos, das principais companhias de dança do sul e sudeste do Brasil. Utilizou-se um questionário autoaplicado, em que os bailarinos responderam a questões sobre informações gerais e antropométricas (IMC), imagem corporal (escala de silhuetas), transtorno alimentar (EAT 26). Utilizou-se a estatística descritiva e inferencial não paramétrica (teste do Qui-quadrado e regressão logística multinominal), adotando-se nível de significância de p≤ 0.05. Os resultados apontaram que a prevalência de insatisfação com a imagem corporal foi de 60.8%, sendo maior a proporção de insatisfação corporal foi por excesso de peso (45.3% insatisfeitos pelo excesso de peso) entre os bailarinos profissionais. Foram encontradas associações significativas da insatisfação pelo excesso de peso com o gênero feminino (OR: 3.79), a dança clássica (OR: 3.79) e a presença de sintomas de TA (OR: 3.83). Da mesma forma, foram verificadas diferenças significativas entre a insatisfação pela magreza no estudo e a faixa etária (OR: 3.40). Conclui-se que os bailarinos investigados apresentaram uma insatisfação com sua imagem corporal, estando associado à idade quando insatisfeitos pela magreza, e ao gênero, estilo de dança e sintomas de TA quando insatisfeitos pelo excesso de peso.</p> 2019-09-12T03:16:53-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1404 Nível do estado de hidratação em corredores amadores de rua antes e após uma competição de 25km 2019-09-12T03:27:42-07:00 Andressa Medeiros Santos andressa.edfisica20@hotmail.com Wilson Lima dos Santos Filho wilsonlimafilho95@gmail.com Jymmys Lopes dos Santos jymmyslopes@yahoo.com.br Lúcio Marques Vieira Souza profedf.luciomarkes@gmail.com Silvan Silva de Araújo silvan.ssa@gmail.com Marcus Vinicius Santos do Nascimento marcusnascimentone@gmail.com Luís Paulo Souza Gomes siulpaulosouza@gmail.com <p>O presente trabalho se caracteriza em análise do nível de desidratação em corredores de rua de 25 km, pré e pós competição, utilizando-se três variáveis: gravidade específica da urina, coloração e massa corporal. Identificando seus efeitos fisiológicos como modificações na coloração da urina pela falta de ingestão de líquidos durante a competição. No momento pré competição teve em média 1013,75 ± 6,44, chegando a uma classificação de desidratação miníma. No momento pós competição, obteve um desvio de 1019,16 ± 6,44 apresentando uma desidratação significativa (p=&lt;0,020) dos corredores. Conclui-se que os corredores estavam desidratados antes e após competição.</p> 2019-09-12T03:16:43-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1403 Perfil nutricional, composição corporal e maturação sexual de atletas adolescentes da ginástica rítmica 2019-09-12T03:27:41-07:00 Amanda Cristina Elias amandacristinanutricao2017@gmail.com Dieni Anselmo da Silva Cardozo dienianselmo@gmail.com Bruno Affonso Parenti Oliveira bruno_parenti@hotmail.com Marina Garcia Manochio-Pina marina.manochio@unifran.edu.br Gabriel Silveira Franco gabriel_franco85@hotmail.com <p>A ginástica rítmica é um esporte caracterizado pela realização de movimentos que demandam muita flexibilidade e resistência. Alguns critérios são indispensáveis para essa prática esportiva, sendo que o estado nutricional das atletas deve seguir algumas exigências específicas. O objetivo deste trabalho foi analisar o perfil antropométrico, maturação sexual e consumo alimentar de atletas de ginástica rítmica. Participaram da pesquisa 12 voluntárias (10 a 13 anos) de um determinado centro de treinamento localizado em uma cidade no interior de SP, onde realizou-se as seguintes avaliações: antropometria (peso e estatura), composição corporal (bioimpedância), consumo alimentar (recordatórios de 24 horas) e maturação sexual (escalas de Tanner). Os resultados encontrados apresentaram que 91,7% das atletas estavam classificadas como eutróficas e um percentual de gordura corporal médio de 21,6 ± 6,8. Quanto a ingestão calórica, as atletas consumiram 33,6 ± 7,3 Kcal/kg, valores abaixo do preconizado pela Sociedade Brasileira de Nutrição Esportiva, sendo que o consumo de macronutrientes constatou uma baixa ingestão de carboidratos (4,7 ± 1,3 g/Kg/dia), uma alta ingestão de proteínas (2,7 ± 1,0 g/Kg/dia) e de lipídios (1,2 ± 0,3 g/Kg/dia) quando comparado a mesma diretriz. Por outro lado, a maioria das atletas já estavam em estágios maturacionais mais avançados tanto para pelos pubianos como para seios. Conclui-se que apesar da maioria das atletas estarem classificadas como eutróficas e/ou com um percentual de gordura dentro do aceitável, elas apresentaram erros alimentares que podem contribuir para uma queda no desempenho e/ou comprometer o desenvolvimento físico.</p> 2019-09-12T03:16:31-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1399 Avaliação do consumo alimentar de praticantes de musculação e atletas de judô de academias de Campo Grande-MS 2019-09-12T03:27:41-07:00 Laís Maluf Hokama maluf.lais@gmail.com Gabrielly da Costa Gomes Rodrigues gabys.gomes21@gmail.com Fabiane La Flor Ziegler Sanches fabianelaflor@gmail.com <p>A alimentação é um dos fatores determinantes no desempenho da atividade física realizada, entretanto, a falta de conhecimento em relação uma alimentação balanceada é presente inclusive entre atletas de nível competitivo. O estudo objetivou avaliar o consumo alimentar entre praticantes de musculação e atletas de judô. Estudo transversal descritivo com 50 participantes, de ambos os gêneros, entre 18 e 35 anos, praticando as atividades regularmente. Avaliou-se consumo alimentar por diferentes inquéritos dietéticos (recordatório 24h, habitual e questionário de frequência alimentar), mensurando-se o consumo de energia, macronutrientes e micronutrientes antioxidantes (vitamina C e E) através do <em>software </em>DietPro 5.i. A adequação dos nutrientes foi realizada conforme preconizado pelas DRIs (<em>Dietary Reference Intakes</em>). A análise estatística foi realizada no <em>software</em> SPSS, considerando 5% de significância (p &lt; 0,05). Observou-se tanto nos atletas de judô quanto nos praticantes de musculação uma ingestão calórica inferior as suas necessidades energéticas (EER). Ambos os grupos apresentaram consumo inadequado de proteína, realizando uma ingestão acima da recomendação preconizada pelas DRI’s. Constatou-se um consumo elevado de vitamina C, principalmente entre atletas de judô. Ao comparar médias de ingestão entre os inquéritos dietéticos avaliados verificou-se diferença estatística apenas no consumo de lipídios. Conclui-se que em ambos os inquéritos alimentares foi encontrado uma ingestão energética inadequada e um alto consumo proteico em ambas as modalidades esportivas, mostrando a necessidade de mais estudos buscando melhorar a orientação nutricional, podendo aprimorar o desempenho físico desses indivíduos.</p> 2019-09-12T02:56:54-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1396 Consumo de antioxidantes por praticantes de atividade física 2019-09-12T03:27:41-07:00 Joyce Lopes Macedo joycelopes385@gmail.com Daisy Jacqueline Sousa Silva d.jack204@hotmail.com Leticia Sousa dos Santos leticiaviana120@gmail.com Suelana Marta Nunes Ramos suelanamarta123@gmail.com Nayane dos Santos Lima Oliveira oliveira.nayanelima@gmail.com Magnólia de Jesus Sousa Magalhães Assunção magmagalhaes2009@hotmail.com <p>Introdução. A prática de exercícios físicos promove efeitos benéficos à saúde humana, porém, quando os limites fisiológicos não são respeitados, pode provocar danos ao organismo, como por exemplo, causar o aumento da produção de radicais livres. O termo antioxidante refere-se a compostos químicos que reduzem os efeitos oxidativos de lipídios, proteínas e ácidos nucleicos causados pelos radicais livres. Os antioxidantes apresentam capacidade de reagir com estes radicais diminuindo seus efeitos nocivos. Objetivo: Realizar uma busca bibliográfica sobre o consumo de antioxidantes por praticantes de atividade física. Materiais e métodos: Trata-se de uma revisão de literatura do tipo integrativa. Para busca e seleção dos estudos utilizou-se as bases de dados: Ebscohost<em> </em>e<em> </em>Scielo e o buscador Google acadêmico totalizando 8 artigos, publicados entre os anos de 2015 a 2019. Resultados e discussão: Em todos os estudos analisados, verificou-se que houve inadequação do consumo de alimentos antioxidantes por praticantes de diversos tipos de atividade física, aeróbias e anaeróbias, entre as vitaminas e minerais estudados, observou-se um predomínio de baixo consumo especialmente das Vitaminas A e C. Conclusão: Na presente pesquisa observou-se que os praticantes de atividade física, apresentam consumo inadequado de antioxidantes, é necessário a ingestão adequada desses compostos devido ao stress físico das lesões decorrentes da prática desportiva.</p> 2019-09-12T02:56:46-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1395 Comparação entre diferentes compassos de dobras cutâneas para estimativa da gordura corporal relativa 2019-09-12T03:27:41-07:00 Josué Brito Barroso josueb.barroso@gmail.com Cayo Lazaro de Araujo Silva cayotfa@gmail.com Caio Cesar dos Reis Façanha caio_adidas10@hotmail.com Claudio Rodrigo Magalhães Gomes claudiorodrigomg@hotmail.com Wollner Materko wollner.materko@gmail.com <p>O presente estudo comparou os resultados da gordura corporal relativa (GCR) das medidas das dobras cutâneas aferidas entre as diferentes marcas de compassos Cescorf, Sanny e Terrazul através da equação preditiva de Faulkner em 16 homens (18 a 41 anos) praticantes de atividade física. Todos os voluntários passaram pela avaliação antropométrica e tomadas as medidas das quatro dobras cutâneas (tríceps, supra-ilíaca, subescapular e abdômen) por um mesmo avaliador para comparar o resultado da gordura corporal relativa de diferentes compassos científicos por dobras cutâneas: Cescorf, Sanny e Terrazul através da análise de variância Anova por medidas repetitivas, e o Post Hoc Bonferroni, quando foram encontradas diferenças significativas, com α = 0,05. Os resultados em média, desvio padrão e intervalo de confiança de 95% da GCR com os diferentes compassos: em 15,7 ± 3,3 % de gordura; IC: 13,9-17,5 % de gordura (Cescorf), 16,5 ± 3,4 % de gordura; IC: 14,6-18,3 % de gordura (Sanny) e 16, 7 ± 3,5 % de gordura; IC: 14,8-18,7 % de gordura (Terrazul), demostrando diferença significativa (p = 0,0013). Portanto, o ajuste de Bonferroni reporta uma diferença de significância entre as comparações de pares dos resultados da GCR entre os compassos Cescorf e Sanny (p = 0,0047) e entre o Cescorf e o Terrazul (p = 0,0038). Conclui-se que no presente estudo notou-se que a estimativa da GCR pode ser afetada pela escolha do compasso utilizado Cescorf quando comparado ao Sanny e o Terrazul, com isso, justificando a utilização do mesmo compasso pelo avaliador durante a estimativa da composição corporal.</p> 2019-09-12T02:56:36-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1394 Efeito de um suplemento termogênico na composição corporal de praticantes de musculação 2019-09-12T03:27:40-07:00 Luiz Carlos da Silva Júnior silvaluizcarlosjunior@gmail.com Erika Aparecida de Azevedo Pereira nutricao@unis.edu.br Gilmara Junqueira Machado gilmarajunqueira@gmail.com <p>Substâncias termogênicas se caracterizam por aumentar a taxa metabólica basal, facilitando a perda de peso e gordura corporal. O objetivo foi avaliar o efeito do consumo de um suplemento termogênico (cafeína, chá verde, capsaicinóides e citrus aurantium) na composição corporal de alunos praticante de musculação, determinando o período de maior eficiência para o seu consumo, pré ou pós-treino. A população envolvida foi composta por 30 praticantes de musculação de uma academia na cidade de Varginha-MG. Aplicou-se um questionário para levantamento de informações pessoais, socioculturais e hábitos de vida. Posteriormente, foram divididos em 3 grupos, o Grupo 1: consumiu o suplemento termogênico antes do início dos treinos; Grupo 2: consumiu o mesmo suplemento termogênico, até uma hora após o término dos treinos; e o Grupo 3: não consumiu o suplemento termogênico. Foram avaliados a composição corporal, Índice de Massa Corpórea (IMC), circunferência abdominal e risco cardiovascular (RCQ), em duas avaliações inicial (AI) e final (AF), após 10 treinos consecutivos. Observou-se uma redução significativamente maior do percentual de gordura corporal nos Grupos 1 e 2, comparados com o Grupo 3. Não houve variação no IMC e RCQ em todos os grupos. O Grupo 1 apresentou uma maior redução na circunferência abdominal em relação ao Grupo 3. O suplemento termogênicos mostrou efeitos positivos quanto à redução da composição corporal e circunferência abdominal. Provando que tal suplementação trouxe eficiência nos treinos e bons resultados, em ambos os grupos que fizeram o uso do suplemento termogênico.</p> 2019-09-12T02:56:25-07:00 Copyright (c) http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1390 Parâmetros murinométricos de ratos sedentários e exercitados, suplementados com óleo de coco (Cocos Nucífera L.) extra virgem 2019-09-12T03:27:40-07:00 Irinaldo Capitulino de Souza irinaldopersonal@gmail.com João Andrade Silva joaoctdr@gmail.com <p>Objetivos: avaliar o exercício físico em ratos sedentários e exercitados associado ao consumo do óleo de coco extravirgem. Métodos: foi analisado o peso corporal (kg) IMC, gordura visceral, circunferência abdominal e circunferência torácica em 40 ratos wistar adultos associado ao óleo de coco e exercício físico. Para isso foram aplicados exercício físico durante 7 dias/semanas durante 12 semanas, mais gavagem de óleo de coco extravirgem durante 10 semanas. Resultados e discussão: o peso corporal do grupo DTOC foi menor do que o peso dos demais grupos (p&lt;0,05). Os valores do IMC não apresentaram diferença estatística entre os grupos. Os valores da gordura visceral do grupo DTOC foi significativamente menor do que os demais grupos. A circunferência abdominal e o teor da gordura corporal do grupo DTOC foram menores do que dos demais grupos (p&lt;0,05). Conclusão: Assim, os resultados indicam que a prática do exercício físico rotineiramente associado ao consumo do óleo de coco extravirgem é uma opção para indivíduos obesos ou não que visam à melhoria de suas taxas metabólicas.</p> 2019-09-12T02:56:18-07:00 Copyright (c)