https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/issue/feed RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva 2024-03-28T17:45:01-07:00 Francisco Navarro francisco@ibpefex.com.br Open Journal Systems <p>ISSN 1981-9927 versão online</p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>Revista Brasileira de Nutrição Esportiva (RBNE)</strong> É uma publicaçao do <strong>Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercí­cio (IBPEFEX)</strong>, é de periodicidade bimestral, com publicação de artigos cientí­ficos, fruto de pesquisas e estudos de cientistas, professores, estudantes e profissionais que lidam com a Nutrição e a Suplementação com fundamentação na fisiologia humana no âmbito do esporte, da estética, da educação e da saúde.</p> <p>&nbsp;</p> <p>The&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Sports Nutrition (RBNE)</strong>&nbsp;is published by the&nbsp;<strong>Brazilian Institute for Research and Education in Exercise Physiology (IBPEFEX)</strong>&nbsp;is a bimonthly publication of scientific articles, result of research and studies of scientists, professors, students and professionals who deal with the Nutrition and Supplementation with background in human physiology within the sport, aesthetics, education and health.</p> <p>&nbsp;</p> <p>La <strong>Revista Brasileña de Nutrición Deportiva (RBNE)</strong> es publicada por el <strong>Instituto Brasileño para la Investigación y Educación en Fisiologí­a del Ejercicio (IBPEFEX)</strong>, es una publicación bimensual con artículos cientí­ficos, el resultado de la investigación y los estudios de cientí­ficos, profesores, estudiantes y profesionales que se ocupan de la fundación Nutrición y suplementación en la fisiologí­a humana en el deporte, la estética, la educación y la salud.</p> <p>&nbsp;</p> <p>Il&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Sports Nutrition (RBNE)</strong> è una pubblicazione dell'<strong>Istituto Brasiliano di Ricerca e Insegnamento in Fisiologia dell'Esercizio (IBPEFEX)</strong>, ha cadenza bimestrale, con la pubblicazione di articoli scientifici, frutto di ricerche e studi di scienziati, insegnanti, studenti e professionisti che si occupano di Nutrizione e Integrazione basata sulla fisiologia umana nel contesto dello sport, dell'estetica, dell'educazione e della salute.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/index.php/rbne/about/submissions#onlineSubmissions"><strong>Clique aqui para submeter seu artigo</strong></a></p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>RBNE</strong> é indexada nas seguintes <a href="/index.php/rbne/announcement/view/1">bases de dados</a>:</p> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC ONEFILE</a>, <a href="http://journal-index.org/index.php/asi" target="_blank" rel="noopener">ASI</a>, <a href="http://www.base-search.net/" target="_blank" rel="noopener">BASE</a>, <a href="http://dialnet.unirioja.es" target="_blank" rel="noopener">DIALNET</a>, <a href="https://doaj.org/" target="_blank" rel="noopener">DOAJ</a>, <a href="http://www.drji.org/" target="_blank" rel="noopener">DRJI</a>, <a href="http://ebscohost.com/" target="_blank" rel="noopener">EBSCO</a>, <a href="http://www.who.int/hinari/" target="_blank" rel="noopener">HINARI</a>, <a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">INFORME ACADÊMICO</a>, <a href="http://oaji.net/" target="_blank" rel="noopener">OAIJ</a>, <a href="https://www.redib.org/pt-pt" target="_blank" rel="noopener">REDIB</a>,&nbsp;<a href="http://www.sherpa.ac.uk/romeo/" target="_blank" rel="noopener">SHERPA RoMEO</a>, <a href="http://www.ebscohost.com/academic/sportdiscus-with-full-text" target="_blank" rel="noopener">SPORTDISCUS</a>, <a href="http://www.sumarios.org" target="_blank" rel="noopener">SUMÁRIOS.ORG</a>,&nbsp;<a href="http://apps.webofknowledge.com" target="_blank" rel="noopener">WEB OF SCIENCE</a>,&nbsp;<a href="https://www.worldcat.org/" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <div>&nbsp;</div> </div> <div>nas <a href="/index.php/rbne/announcement/view/4">bases indexadoras</a>:</div> <div>&nbsp;</div> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://www.citefactor.org/" target="_blank" rel="noopener">CITEFACTOR</a>, <a href="http://ezb.uni-regensburg.de/" target="_blank" rel="noopener">CZ3</a>,&nbsp;<a href="http://diadorim.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">DIADORIM</a>,&nbsp;<a href="https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/index" target="_blank" rel="noopener">ERIH PLUS</a>, <a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">FMJ</a>, <a href="http://globalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF&nbsp;(Global Impact Factor)</a>, <a href="http://generalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF (General Impact Factor)</a>, <a href="http://scholar.google.com.br" target="_blank" rel="noopener">GOOGLE SCHOLAR</a>, <a href="http://impactfactorservice.com/" target="_blank" rel="noopener">IIFS</a>, <a href="http://www.journalindex.net/" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://www.jourinfo.com/index.html" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INFORMATICS</a>, <a href="http://www.journals4free.com/" target="_blank" rel="noopener">J4F</a>, <a href="http://www.journaltocs.ac.uk" target="_blank" rel="noopener">JOURNALTOCS</a>, <a href="http://www.latindex.unam.mx" target="_blank" rel="noopener">LATINDEX</a>, <a href="https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp" target="_blank" rel="noopener">LIVRE!</a>, <a href="http://miar.ub.edu/" target="_blank" rel="noopener">MIAR</a>, <a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/" target="_blank" rel="noopener">PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES</a>, <a href="http://seer.ibict.br/" target="_blank" rel="noopener">SEER</a>, <a href="http://sindexs.org/Default.aspx" target="_blank" rel="noopener">SIS</a>, <a href="http://www.sjifactor.inno-space.org/" target="_blank" rel="noopener">SJIF</a>, <a href="http://sjournals.net/" target="_blank" rel="noopener">SJOURNALS INDEX</a>, <a href="http://oasisbr.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">OASISBR</a>, UIF, <a href="http://qualis.capes.gov.br/webqualis/" target="_blank" rel="noopener">QUALIS PERIÓDICOS</a></li> </ul> </div> <div> <p>e nas <a href="/index.php/rbne/announcement/view/6">universidades/bibliotecas</a>:&nbsp;</p> <ul> <li class="show"><a href="https://neos.library.ualberta.ca/uhtbin/cgisirsi/x/0/0/57/5?user_id=WUAARCHIVE&amp;searchdata1=ocn836862485" target="_blank" rel="noopener">ALBERTA</a>&nbsp;(Canada),&nbsp;<a href="http://aleph-www.ub.fu-berlin.de/F/BJNPRR5F7A6N8XBPRLPE4M9UIN7LDKVAA4CN54TM5SB5QBD2SB-05435?func=find-e&amp;request=Revista+brasileira+de+nutri%C3%A7%C3%A3o+esportiva&amp;find_scan_code=FIND_WRD&amp;adjacent=N" target="_blank" rel="noopener">BERLIN</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="http://ul-newton.lib.cam.ac.uk/vwebv/search?searchCode1=ISSN&amp;searchType=2&amp;argType1=any&amp;searchArg1=1981-9927" target="_blank" rel="noopener">CAMBRIDGE</a>&nbsp;(Inglaterra),&nbsp;<a href="https://opac.ub.tum.de/search?bvnr=BV043314160" target="_blank" rel="noopener">MUNIQUE</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="https://searchworks.stanford.edu/?q=836862485" target="_blank" rel="noopener">STANFORD</a>&nbsp;(Estados Unidos),&nbsp;<a href="http://copac.jisc.ac.uk/" target="_blank" rel="noopener">COPAC</a>,&nbsp;<a href="https://ie.on.worldcat.org/oclc/836862485" target="_blank" rel="noopener">IE LIBRARY</a>, <a href="http://www.rebiun.org/" target="_blank" rel="noopener">REBIUN</a>, <a href="http://www.sudoc.abes.fr/" target="_blank" rel="noopener">SUDOC (L'ABES)</a>,&nbsp;<a href="http://www.worldcat.org/oclc/836862485" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <p>&nbsp;</p> </div> <div> <p><a href="/index.php/rbne/announcement/view/5"><strong>FATOR DE IMPACTO DA RBNE</strong></a></p> <p><strong><strong><a href="/index.php/rbne/announcement/view/8"><strong>CIRC DA RBNE</strong></a></strong></strong></p> </div> https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2287 Os impactos do ciclo menstrual na performance de atletas eumenorréicas: uma revisão da literatura 2024-03-28T17:37:04-07:00 Carlos Cássio Ramalho ramalhocassio@gmail.com Nadia Mendes Soares de Carvalho nadjamscarvalho@gmail.com Pollyanna Ayub Ferreira pollyanna.rezende@ceub.edu.br <p>Um número elevado de mulheres tem-se engajado em treinamento esportivo com objetivo competitivo, seja de natureza amadora ou profissional. Houve um incremento significativo da participação de atletas femininas em jogos olímpicos nos últimos 10 anos. Em decorrência disso, ocorreu aumento no interesse de realizar estudos e pesquisas com objetivo de avaliar o desempenho de atletas do sexo feminino em diversas modalidades e aspectos como alterações sobre força, potência e resistência. Assim, o objetivo deste estudo é avaliar os impactos das alterações hormonais do ciclo menstrual na performance de atletas com ciclo menstrual normal (eumenorréicas), bem como a influência da nutrição no manejo dos sintomas das fases do ciclo destas atletas. Foram selecionados 27 (vinte e sete) artigos científicos para realizar leitura completa e fichamento, tendo como critério de exclusão artigos que se referiram a atletas que faziam uso de contraceptivos orais, injetáveis ou amenorréicas. Os estudos realizados constataram que há impactos tanto positivos quanto negativos das alterações dos hormônios estrogênio e progesterona na performance das atletas. Esses impactos podem ser emocionais, físicos, cognitivos, metabólicos, cardiovasculares e na capacidade musculoesquelética. Apesar dos resultados observados, considerando a grande variação dos estudos e pesquisas até então realizadas, não foi estabelecida uma diretriz geral quanto ao manejo desses impactos nas etapas de treinamento, de competição e de recuperação das atletas eumenorréicas. Sendo assim, a nutrição é imprescindível na intervenção dos sintomas e dos impactos em cada fase do ciclo menstrual, posto que podem interferir na performance das atletas.</p> 2024-03-17T01:52:05-07:00 Copyright (c) 2024 Carlos Cássio Ramalho, Nadia Mendes Soares de Carvalho, Pollyanna Ayub Ferreira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2280 Whey protein e exercício físico no tratamento da sarcopenia: Revisão sistemática 2024-03-28T17:45:01-07:00 Franko Marcelo Goulart Andreoli frankogoulart@hotmail.com Marina dos Santos marinasantos@unipampa.edu.br Karina Sanches Machado d'Almeida karinadalmeida@unipampa.edu.br Joice Trindade Silveira joicesilveira@unipampa.edu.br Fernanda Aline de Moura fernandamoura@unipampa.edu.br <p>Introdução: A sarcopenia é definida como uma doença caracterizada pela baixa força muscular/falha muscular, geralmente associada com o avanço da idade. Suplementos proteicos, como o whey protein, têm sido utilizados combinados a exercícios físicos no tratamento da sarcopenia, devido à sua capacidade promover recuperação muscular. Objetivo: Revisar a literatura a fim de analisar os efeitos do consumo de whey protein associado ao exercício físico no tratamento da sarcopenia. Materiais e métodos: A busca de artigos foi realizada a partir dos bancos de dados PubMed, ScienceDirect, Scielo e Lilacs, no período de 2015 a 2021. Resultados: Foram selecionadas 6 publicações que atenderam aos critérios de inclusão. Em média, as intervenções tiveram duração de 12 semanas. O consumo de whey protein foi de no mínimo 20 g ao dia ou em dias de treinamento físico. Houve grande variação em relação ao tipo de exercício físico, tempo de duração e frequência. Conclusão: Em geral, observou-se que os indivíduos com sarcopenia obtiveram um aumento na massa muscular e melhora da função motora, porém, a maior parte dos estudos não apresentou efeitos adicionais da suplementação com whey protein, indicando maior benefício do exercício físico nesta condição.</p> 2024-03-17T01:51:25-07:00 Copyright (c) 2024 Franko Marcelo Goulart Andreoli, Marina dos Santos, Karina Sanches Machado d'Almeida, Joice Trindade Silveira, Fernanda Aline de Moura https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2291 Análise e quantificação de metais em suplementos à base de proteínas 2024-03-28T17:27:02-07:00 Carolina Penso Trindade c.trindade00@edu.pucrs.br Gabriel Rübensam gabriel.rubensam@pucrs.br Giuseppe Potrick Stefani giuseppe.stefani@pucrs.br <p>O uso, a divulgação e a comercialização dos suplementos alimentares ampliaram-se nos últimos anos. O rótulo alimentar é a sua principal ferramenta de apresentação de informações nutricionais e deve ser um instrumento de fácil acesso, claro e com informações verídicas. O presente estudo tem como objetivo analisar e quantificar os metais Alumínio (Al), Cromo (Cr), Cobalto (Co), Níquel (Ni), Manganês (Mn) e Zinco (Zn) em suplementos, das mais diversas marcas, à base de proteínas, como whey protein concentrado, isolado e hidrolisado, albumina e proteína vegana. As amostras foram adquiridas no comércio local de Porto Alegre e de diferentes fornecedores na modalidade de e-commerce. Foram adquiridas e analisadas 25 amostras em triplicata, e em todas elas foram encontradas valores de algum determinado metal, sendo eles essenciais ou não essenciais e tóxicos. Algumas amostras, por menores níveis apresentados nos resultados, obtiveram em sua composição algum metal que não estava descrito no rótulo alimentar, cuja inclusão na formulação não está permitida, de acordo com a ANVISA e OMS. Já outras amostras, além de apresentarem metais não essenciais e tóxicos que não são permitidos na sua composição, estavam com níveis excedentes de metais essenciais, que, ao consumidos em quantidades acima do recomendado, podem trazer sérios riscos à saúde. Dessa forma, verifica-se a necessidade de intensificar a fiscalização dos suplementos alimentares disponíveis no comércio, de forma que o consumidor possa ler seu rótulo ou ingredientes com tranquilidade e seguro de que as informações sejam de confiança.</p> 2024-03-17T01:50:38-07:00 Copyright (c) 2024 Carolina Penso Trindade, Gabriel Rübensam, Giuseppe Potrick Stefani https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2286 Comparação da calorimetria indireta com fórmulas preditoras do gasto energético basal em lutadores e muay thai de um centro de treinamento na cidade de Caxias do Sul-RS 2024-03-28T17:12:45-07:00 Luana Seifert Boeira Luana-seifert@hotmail.com Samanta Dias Machado samanta_dm26@yahoo.com Ana Lúcia Hoefel anahoefel@yahoo.com.br <p>Introdução e Objetivo: A prática esportiva deve ser acompanhada pela ingestão adequada de calorias, sob o risco de causar prejuízos à saúde caso a meta calórica não seja atingida. O gasto energético de basal é o maior componente do gasto energético total e estimá-lo corretamente é de suma importância, principalmente em atletas. Objetivou-se avaliar se as fórmulas de estimativa do gasto energético de repouso (GER) amplamente utilizadas, são adequadas para determinar o gasto basal de lutadores de Muai Thay. Materiais e Métodos: Foram coletados dados antropométricos, com posterior determinação do percentual de gordura corporal (%GC), massa de gordura e massa livre de gordura (MLG). O gasto energético de repouso foi medido por meio da calorimetria indireta e calculado pelas fórmulas Cunninghan, Harris Benedict, Mifflin St Jeor e Tynsley. As análises de concordância entre a calorimetria indireta e as fórmulas foram realizadas por meio de Bland-Altmann. Resultados: Participaram do estudo dez (10) voluntários, 8 do sexo masculino. A média de idade 27,1 anos (+ 5,95). As análises de concordância entre a calorimetria indireta e as fórmulas de Cunningham, Harris Benedict, Mifflin St Jeor e Tinsley forneceram, respectivamente: r<sup>2</sup>= 0,82, r<sup>2</sup>=0,80, r<sup>2</sup>=0,83 e r<sup>2</sup>=0,75. Conclusão: Para atletas de Muai Thay, todas as fórmulas avaliadas mostraram adequação, mas, as que apresentaram maior concordância com a CI foram Cunninghan e Tinsley, apresentando confiabilidade e oferecendo uma alternativa de baixo custo para os profissionais que atendem esse público.&nbsp;</p> 2024-03-17T01:49:58-07:00 Copyright (c) 2024 Luana Seifert Boeira, Samanta Dias Machado, Ana Lúcia Hoefel https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2282 Utilização de whey protein por praticantes de atividade física de Antônio Prado-RS 2024-03-28T10:17:15-07:00 Paloma Wazlawick pwsoares@ucs.br Sabrina Susin ssusin4@ucs.br Bruna Bellincanta Nicoletto bbngehrke@ucs.br <p>Introdução: Diversos suplementos têm surgido com a finalidade de complementar a dieta. Um dos suplementos que vem sendo o mais utilizado é o whey protein, principalmente para os praticantes de atividade física que buscam hipertrofia. Objetivo: Avaliar o consumo de whey protein por praticantes de atividade física da cidade de Antônio Prado-RS. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo transversal descritivo, incluindo 90 indivíduos que frequentam academia e consomem o suplemento whey protein na cidade de Antônio Padro no Rio Grande do Sul. A coleta de dados foi realizada através de questionário autoaplicável, no período de dezembro de 2018 até março de 2019. Os questionários foram&nbsp;preenchidos pelos participantes nas entradas das academias, onde foram questionados sobre dados sociodemográficos, antropométricos, prática de atividade física sendo o tempo e a modalidade praticada, uso de suplementos nutricionais e quem indicou o uso do suplemento.&nbsp; Resultados: Foram incluídos 90 praticantes de academia usuários de whey protein. A maioria dos participantes foram adultos jovens do sexo masculino (63,3%), praticantes da modalidade de musculação (96,7%), em busca de hipertrofia (56,6%). Estes participantes ainda relataram que o macronutriente principal a ser consumido é a proteína (80%) e a maioria deles, não realiza acompanhamento com profissional nutricionista (48,9%). Conclusão: A maioria dos usuários de whey protein frequentadores de academias de Antônio Prado, eram adultos jovens do sexo masculino, sendo a maioria praticante de musculação, em busca de hipertrofia.</p> 2024-03-17T01:49:13-07:00 Copyright (c) 2024 Paloma Wazlawick, Sabrina Susin, Bruna Bellincanta Nicoletto https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2281 Identificação dos componentes da tríade da mulher atleta e perfil de macro e micronutrientes em universitárias 2024-03-28T09:18:26-07:00 Thais Neri de Souza thaisneri.nutricionista@gmail.com Willian Ricardo Komatsu wkomatsu@gmail.com Maita Poli de Araújo dramaita@gmail.com <p>A participação feminina em esportes aumentou nas últimas décadas e o mesmo ocorreu com a ocorrência da Tríade da Mulher Atleta. Esta síndrome é caracterizada pela presença de um ou mais dos seguintes componentes: baixa energia disponível, distúrbios no ciclo menstrual e baixa densidade mineral óssea. Nesse sentido objetivou-se identificar os componentes da Tríade, traçar o perfil do consumo de macro e micronutrientes e identificar a frequência de baixa energia disponível em atletas universitárias. Trata-se de um estudo observacional descritivo com dez atletas universitárias, sendo cinco do handebol e cinco do futsal. Foi realizada anamnese, registro alimentar de três dias, registro fotográfico dos alimentos, antropometria e composição corporal, estimativa do gasto de energia em repouso e no exercício e magnitude do risco da Tríade. A média de idade das participantes foi 23 (±1,9) anos, e todas apresentaram baixa energia disponível (≤30 kcal/kg MLG/dia). Somente uma atleta apresentou os três componentes da tríade, sendo que as demais apresentaram risco baixo. A média do consumo de macronutrientes foi 3,0g/kg/dia de carboidrato, 1,2g/kg/dia de proteína e 32% do valor calórico total de lipídios. Todas apresentaram baixa adequação aparente para ingestão magnésio e cálcio, e a média de ingestão de ferro, vitamina A, C e B12 apresentaram abaixo da Recommended Dietary Allowance (RDA) e Adequate Intake (AI).&nbsp; desta forma, conclui-se que em atletas universitárias a baixa energia disponível e a inadequação do consumo de micronutrientes foi elevada corroborando para ocorrência da Tríade da Mulher Atleta.</p> 2024-03-17T01:48:34-07:00 Copyright (c) 2024 Thais Neri de Souza, Willian Ricardo Komatsu, Maita Poli de Araújo https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2279 Estado nutricional e consumo de bebidas energéticas entre frequentadores e não frequentadores de ginásios em Luanda, Angola 2024-03-28T09:08:45-07:00 Lúcia de Fátima Chavito Massanga maymassanga@gmail.com Marli Stela Santana marli.santana@ucan.edu <p>As bebidas energéticas, também constituídas por hidratos de carbono e açúcares, são conhecidas pelos seus efeitos estimulantes, tanto na melhoria do desempenho muscular como nos efeitos psicoestimulantes, principalmente entre os praticantes de atividade física e jovens. Assim, o estudo procurou compreender a relação entre o estado nutricional e o consumo de bebidas energéticas em indivíduos frequentadores e não frequentadores de ginásios em Luanda, Angola, através da inclusão de 204 indivíduos do sexo masculino, 102 para cada grupo. Os resultados mostraram que as bebidas mais consumidas foram o café e a bebida energética nacional "A", havendo uma associação estatisticamente significativa entre as variáveis Índice de Massa Corporal (IMC) e idade, p=0,002 nos frequentadores de ginásio e p=0,001 nos não frequentadores, e entre o IMC e o tempo de consumo de bebidas energéticas (p=0,01) nos frequentadores de ginásio, demonstrando que tais variáveis parecem tender a alterar o padrão nutricional dos indivíduos.</p> 2024-03-17T01:46:13-07:00 Copyright (c) 2024 Lúcia de Fátima Chavito Massanga, Marli Stela Santana https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2276 Eficácia da suplementação de ácido fosfatídico em indivíduos praticantes de treinamento resistido: revisão sistemática 2024-03-28T09:02:52-07:00 Felipe Marcos da Silva felipesilvamarcos95@gmail.com Carine de Freitas Milarch carine.milarch@ielusc.br <p>Apesar de mais de 50 anos de pesquisa, o campo da nutrição esportiva continua a crescer rapidamente. Embora o foco da pesquisa tradicional fosse centrado em estratégias para maximizar o desempenho da competição, dados emergentes na última década demonstraram como a disponibilidade de macronutrientes e micronutrientes podem desempenhar um papel proeminente na regulação das vias de sinalização celular que modulam as adaptações do músculo esquelético para endurance e treinamento de resistência. O objetivo deste estudo foi realizar um levantamento de literatura reunindo informações das plataformas eletrônicas SciELO e PubMed sobre a eficácia da suplementação de Ácido fosfatídico no ganho de massa muscular em praticantes de exercício resistido, além de avaliar os mecanismos fisiológicos de ação do ácido fosfatídico. Trata-se de um estudo de revisão sistemática onde utilizou a estratégia PICOT e seguiu as estratégias do PRISMA para sua elaboração. Com base de dados do PubMed e SciELO foram encontrados 29 artigos no total sendo que 29 artigos pertencem ao PubMed e 0 ao SciELO, dos 29 artigos encontrados 10 associavam o ácido fosfatídico ao treinamento resistido e foram utilizados na leitura prévia. Conclui-se que a suplementação de ácido fosfatídico junto a um protocolo de treinamento resistido pode ter um papel na força muscular e no acúmulo de tecido magro, mais pesquisas devem ser realizadas buscando padronizar o protocolo de intervenção e os métodos de análise, visto que não existiu um consenso de diferença significativa entre os estudos citados.</p> 2024-03-17T01:45:08-07:00 Copyright (c) 2024 Felipe Marcos da Silva, Carine de Freitas Milarch https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2275 Avaliação antropométrica e da ingestão alimentar de atletas da seleção brasileira de cheerleading 2024-03-28T08:07:27-07:00 Adrielle Caroline Ribeiro Lopes adrielle.crlopes@gmail.com Luiz Henrique Resende Maciel luizhenrique@ufla.br <p>Introdução e objetivo: O cheerleading é uma modalidade emergente, dinâmica e intensa, com forte apelo estético. O objetivo do estudo foi avaliar perfil antropométrico, composição corporal, consumo alimentar e necessidades energéticas dos atletas da Seleção Brasileira de Cheerleading. Materiais e métodos: 53 atletas, homens (n=18) e mulheres (n=35), com idade média de 23,6 ±4,5 anos responderam um questionário sociodemográfico e realizaram avaliação antropométrica (estatura, massa corporal, circunferências e dobras cutâneas). Destes, 29 responderam adicionalmente a um recordatório alimentar de 24 horas. Resultados: Os dados antropométricos dos homens (1,74 ± 0,06 m; 79,3 ±12,2 kg; 11,5 ±5,4 %) e mulheres (1,60 ±0,06 m; 60,0 ±12,5 kg; 22,5 ±7,2 %) são semelhantes ao de atletas de outras nacionalidades, com adequados valores de IMC e gordura corporal. As diferentes posições desempenhadas possuem diferenças significativas, em que bases possuem valores maiores do que flyers em todas as variáveis. A média do consumo de macronutrientes (1,8 ±0,8 g/kg PTN, 3,4 ±1,1 g/kg CHO e 0,8 ±0,3 g/kg LIP) estava de acordo com os valores de referência, mas todos apresentaram baixa disponibilidade energética (18,6 ±8,8 kcal/kg MLG). Foi encontrada correlação indireta entre GC e EI (-0,44; moderada) e GC e PTN (-0,61; forte). Conclusão: Esse foi o primeiro estudo a avaliar atletas brasileiros de alto rendimento de cheerleading e seus resultados poderão embasar a atuação de profissionais e futuras pesquisas. Cheerleaders estão em risco para RED’s, o que reforça a importância de acompanhamento nutricional adequado.</p> 2024-03-17T01:44:25-07:00 Copyright (c) 2024 Adrielle Caroline Ribeiro Lopes, Luiz Henrique Resende Maciel https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2273 Prevalência e fatores relacionados ao uso de recursos ergogênicos em academias da cidade de Florianópolis-SC, Brasil 2024-03-28T07:53:12-07:00 Vinicius klehm de Jesus viniciusjjss@gmail.com Camila Marchioni camila.marchioni@ufsc.br <p>Introdução: os recursos ergogênicos são utilizados para aumento de força, hipertrofia muscular, emagrecimento e performance. Os suplementos nutricionais predominantes são à base de proteína, aminoácidos e carboidratos. As substâncias farmacológicas mais usadas são os esteroides anabólicos androgênicos (EAA). O consumo desses produtos em excesso pode causar efeitos tóxicos. Especula-se que os usuários de recursos ergogênicos tenham crescido nos últimos anos, mas o dado ainda é escasso em Florianópolis-SC. Objetivo: determinar a prevalência, motivações e perfil do uso de recursos ergogênicos em academias de ginástica de Florianópolis-SC e, de forma inédita, compreender a influência da pandemia de COVID-19 neste contexto. Materiais e métodos: estudo exploratório, transversal e quantitativo, que contou com a participação de academias que oferecem musculação e/ou crossfit. Puderam fazer parte da pesquisa indivíduos de ambos os sexos, fisicamente ativos, maiores de 18 anos, que frequentam as academias parceiras e que concordaram com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os formulários foram autopreenchidos e as perguntas contemplavam: perfil sociodemográfico, atividade física praticada, utilização de ergogênicos e fontes de informação. Resultados: foram analisados 71 voluntários, sendo o perfil predominante do sexo feminino (54,9%), faixa etária entre 20-29 anos, com pós-graduação, renda de até 3 salários, praticante de atividades físicas há mais de 5 anos. A prevalência de uso de recursos ergogênicos foi de 59,2%, sendo que a de EAA foi de 4,8%. Conclusão: há uma prevalência significativa no uso de ergogênicos na região central de Florianópolis-SC, indicando a importância de atividades para conscientizar sobre o uso racional.</p> 2024-03-17T01:43:34-07:00 Copyright (c) 2024 Vinicius klehm de Jesus, Camila Marchioni https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2271 Avaliação da autopercepção da imagem corporal e comportamento alimentar em estudantes do curso de nutrição de uma instituição de ensino 2024-03-28T07:44:31-07:00 Maria Clara Quintão Braga mquintaobraga@gmail.com Lorena Laureano Vieira lorenadt82@gmail.com Camila Costa Barbosa camiscostabarbosa23@gmail.com Victor Neiva Lavorato victor.lavorato@unifagoc.edu.br Gabriela Amorim Pereira-Sol gabriela.pereira@unifagoc.edu.br Thalita Azevedo Cabral coordnutri@unifagoc.edu.br Karine Franklin Assis karine.assis@unifagoc.edu.br Ana Beatriz Rezende Paula nha.rezende@hotmail.com Denise Coutinho de Miranda denise.miranda@unifagoc.edu.br <p>Introdução e Objetivo: Apesar do amplo conhecimento acerca dos alimentos e suas contribuições para a saúde e o estado nutricional, entre muitos estudantes de nutrição ainda são observados comportamentos alimentares inadequados que podem impactar na autopercepção da imagem corporal desses indivíduos. Diante dessas questões, o objetivo do presente estudo foi avaliar a autopercepção da imagem corporal e as atitudes alimentares de estudantes do curso de nutrição em uma instituição de ensino da zona da mata mineira. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal, descritivo, com discentes maiores de 18 anos, de ambos os sexos. Para avaliação do comportamento alimentar foi utilizado o Questionário Holandês do Comportamento Alimentar; para avaliar o consumo, o questionário de Marcadores do Consumo do Alimentar do SISVAN; e para a imagem corporal, a Escala de Satisfação Corporal. Os dados foram analisados no programa estatístico GraphPad Prism 8.0. Resultados e Conclusão: Foram avaliados 86 discentes do 1º, 3º e 5º períodos, dos quais 2/3 ou mais de cada período consumiam bebidas alcoólicas; e a ausência da prática de atividade física foi de 41,2%, 33,3% e de 50%, respectivamente. Quanto ao consumo de hamburgueres e embutidos, 2/3 ou mais consumiam e quanto às bebidas açucaradas, 1/3 ou mais, em todos os períodos. Quanto à imagem corporal, a maioria tinha o desejo de silhuetas mais magras, mas não houve diferença entre os períodos. A pressão sobre as escolhas e sobre os corpos desses discentes são fatores que podem explicar a alta prevalência de insatisfação com a sua autoimagem.</p> 2024-03-17T01:42:52-07:00 Copyright (c) 2024 Maria Clara Quintão Braga, Lorena Laureano Vieira, Camila Costa Barbosa, Victor Neiva Lavorato, Gabriela Amorim Pereira-Sol, Thalita Azevedo Cabral, Karine Franklin Assis, Ana Beatriz Rezende Paula, Denise Coutinho de Miranda https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2272 Mecanismos de ação e efeitos ergogênicos associados à suplementação com NaHCO3 no exercício físico: uma revisão narrativa 2024-02-27T11:55:18-08:00 Wanderson Matheus Lopes Machado wanderson.machado@estudante.ufla.br Claudia Eliza Patrocínio de Oliveira cpatrocinio@ufv.br Osvaldo Costa Moreira osvaldo.moreira@ufv.br <p>Em exercícios onde o sistema anaeróbico predomina, ocorre o acúmulo de íons H<sup>+</sup>, que gera um desequilíbrio ácido-base através de alterações no pH, impactando nos níveis de fadiga e gerando acidose metabólica. A suplementação com NaHCO<sub>3</sub> pode atenuar os efeitos da fadiga e otimizar o desempenho em atividades e/ou esportes com predominância do sistema anaeróbico. Portanto, o presente estudo teve por objetivo realizar uma revisão narrativa, a fim de elucidar e atualizar o conhecimento acerca da suplementação com NaHCO<sub>3</sub>. A revisão em questão foi feita através de buscas nas bases PubMed, Web of Science e Google Acadêmico, sem restrição de data, utilizando-se os termos “Sodium Bicarbonate Supplementation”, “NaHCO<sub>3</sub>” e “Alkalosis” ou os mesmos em português. Foram considerados artigos científicos, dissertações de mestrado e teses de doutorado, em inglês e português. Conclui-se que a suplementação com NaHCO<sub>3</sub> desempenha um papel fundamental nos processos fisiológicos relacionados ao metabolismo anaeróbico, principalmente, no que diz respeito a diminuição da acidose e retardo do surgimento da fadiga. Contudo, para que a suplementação apresente efeitos ergogênicos, uma série de cuidados devem ser tomados, principalmente em relação a quantidade, forma e momento de ingestão. Além de considerar o tipo de modalidade e a individualidade dos sujeitos. Por fim, ao utilizar o NaHCO<sub>3</sub> no contexto prático é indicado que a suplementação seja testada, de preferência longe de períodos de competição.</p> 2024-02-22T23:33:16-08:00 Copyright (c) 2024 Wanderson Matheus Lopes Machado, Claudia Eliza Patrocínio de Oliveira, Osvaldo Costa Moreira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2250 Efetividade clínica da suplementação de BCAA, L-Carnitina, Creatina, Glutamina e HMB: Um mapa de evidências 2024-02-27T11:27:07-08:00 Georgia Muccillo Dexheimer georgiamuccillo@gmail.com Felipe Frietto de Borba felipe.borba@universo.univates.br Joao Pedro Corbellini Gnoatto joao.gnoatto@universo.univates.br Thatiane Lopes Valentim Di Pasquale Ostolin thatiane.ostolin@unifesp.br <p>Introdução: A hipertrofia e manutenção do tecido muscular é uma busca constante em diferentes cenários populacionais. O treinamento físico e a nutrição são fundamentais para obter tais ganhos, incluindo a suplementação. Objetivo: avaliar os efeitos da suplementação com BCAA ou aminoácidos essenciais, Creatina, L-Carnitina, Glutamina e HMB no ganho de massa muscular, força e performance em diferentes condições e grupos populacionais. Materiais e métodos: busca de artigos nas bases de dados PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde, incluindo artigos de revisão sistemática. Foram obtidos dados das intervenções realizadas, possíveis desfechos (massa muscular, força e performance) e dados da população. Resultados: Foram incluídos 48 artigos. A população avaliada foi composta predominantemente por adultos e idosos de ambos os sexos, abordando quadros de sarcopenia, doenças crônicas ou indivíduos hígidos. A intervenção com suplementação foi combinada ou isolada, sendo associada ou não com atividade física. Os desfechos foram ganho de massa muscular, força ou resistência/performance. Em relação ao aumento de massa muscular, foram identificadas 57 intervenções diferentes com 43 casos (75%) associados a efeito positivo ou potencialmente positivo. Ainda, 39 intervenções avaliaram força e resistência muscular, sendo que 29 apresentaram efeitos positivos ou potencialmente positivos (74%). Conclusão:&nbsp; Definir efeitos, dose, combinação de suplementos é importante para cada grupo populacional. Destaca-se uma necessidade de melhor definição da população avaliada, através da análise do perfil inflamatório dos indivíduos, microbiota intestinal, taxa de metabolismo basal em repouso, força máxima e VO<sub>2</sub> máximo, níveis hormonais, etnias, comorbidades, hábitos alimentares, histórico de atividade física, entre outros.</p> 2024-02-22T23:32:34-08:00 Copyright (c) 2024 Georgia Muccillo Dexheimer, Felipe Frietto de Borba, Joao Pedro Corbellini Gnoatto, Thatiane Lopes Valentim Di Pasquale Ostolin https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2270 Quem é o atleta universitário no Brasil: Estudo transversal sobre o que buscam no aconselhamento nutricional e seus aspectos nutricionais 2024-02-28T10:15:58-08:00 Gabriel de Barros Mariano gmariano1098@gmail.com Vinícius Suedekum da Silva viniciussuedekum@gmail.com Gabriela Lucciana Martini gabrielamartini@gmail.com Carolina Guerrini de Souza carolina.guerini@ufrgs.br <p>Objetivo: identificar características nutricionais de atletas universitários de uma universidade no Sul do Brasil e o que buscam no aconselhamento nutricional. Materiais e Métodos: Estudo transversal realizado com atletas universitários da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Dados antropométricos, de ingestão alimentar, objetivos pela busca ao aconselhamento nutricional, rotina de treinos, consumo de álcool, fumo e suplementos alimentares foram avaliados. A análise estatística comprendeu teste de Kolmogorov-Smirnov para distribuição da amostra, teste de Qui-quadrado para comparar diferenças entre os sexos e número de consultas realizadas nas modalidades coletivas ou individuais, sendo adotado nível de significância de 5% (p&lt;0,05). Resultados: A amostra foi composta por 50,1% de atletas do sexo feminino e 49,9% masculino. A frequência média de treinos foi de 3,3 (±1,7) vezes/semana e as modalidades coletivas englobaram 80% dos atletas atendidos. O principal objetivo no aconselhamento nutricional foi melhorar a composição corporal e apenas 17,4% dos atletas do sexo masculino e 20,4% do sexo feminino estavam com percentual de gordura corporal de acordo com o desejável. O consumo alimentar mostrou baixa ingestão de energia (1849,26 ±509,9 kcal) e carboidratos (3,21 ±1,05 g/kg) em relação ao recomendado para o esporte. Dentre os suplementos alimentares, o mais consumido foi Whey Protein (62,5%), porém menos de 1/3 da amostra referiu fazer uso de suplementos. Conclusão: Os atletas universitários avaliados possuem um perfil nutricional semelhante a atletas amadores e não de alto rendimento. O percentual de gordura elevadol na maior parte do grupo, frequência de treinos mediana e ingestão alimentar com inadequações importantes sustentam esta hipótese.</p> 2024-02-22T23:31:35-08:00 Copyright (c) 2024 Gabriel de Barros Mariano, Vinícius Suedekum da Silva, Gabriela Lucciana Martini, Carolina Guerrini de Souza https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2269 Prevalência de comportamentos de risco para transtornos alimentares em atletas: Uma revisão sistemática 2024-02-28T10:05:43-08:00 Rafaela Mendoça Fontella nutrirafaelafontella@gmail.com Ana Letícia Vargas Barcelos analeticia@unipampa.edu.br Karina Sanches Machado d'Almeida karinadalmeida@unipampa.edu.br <p>Introdução: O ambiente esportivo competitivo exige muita disciplina e requer rotinas regradas para alcançar melhores resultados, o que pode gerar cobranças e estresse. Acredita-se que esse ambiente possa favorecer o desenvolvimento de transtornos alimentares (TA’s). O objetivo deste estudo foi investigar a prevalência de comportamentos de risco para transtornos alimentares (CRTA’s) em atletas. Materiais e métodos: Revisão sistemática realizada nas bases de dados PubMed, Lillacs e SciELO, para artigos publicados nos últimos cinco anos, em português e inglês. Para a busca, foram utilizados os termos “Anorexia”, "Athletes”, “Bulimia”, “Exercise”, “Feeding and Eating Disorders” e “Sports”. Resultados: Um total de 2101 estudos foram encontrados e, após a aplicação dos critérios de elegibilidade, 30 estudos foram incluídos. Nesta revisão, 80% dos estudos identificaram a presença de CRTA’s. Sobre a imagem corporal, a insatisfação variou de 3,8% a 87%. Constatou-se que o transtorno mais estudado foi a bulimia, seguido da anorexia, transtorno compulsivo alimentar periódico e ortorexia. O Eating Attitudes Test-26 (EAT-26) foi o questionário mais utilizado (40%). As modalidades mais estudadas foram a corrida (25%), futebol (20,8%), balé (16,7%) e fisiculturismo (12,5%). A prevalência de CRTA’s nas mulheres foi de 23,5% e 18,7% nos homens. A média de idade dos participantes dos estudos (n=18) foi de 25,2 anos. Conclusão: Os atletas parecem ser vulneráveis ao desenvolvimento de TA's, os quais podem afetar qualquer modalidade, sexo e idade. O EAT-26 foi o instrumento mais utilizado para a identificação dos CRTA's. As pesquisas sobre esse tema auxiliam no esclarecimento desse problema, para prevenir riscos e tratá-los precocemente.</p> 2024-02-22T23:30:43-08:00 Copyright (c) 2024 Rafaela Mendoça Fontella, Ana Letícia Vargas Barcelos, Karina Sanches Machado d'Almeida https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2263 Estratégias nutricionais utilizadas para perda de peso rápida em atletas de artes marciais no período pré-competitivo 2024-02-28T09:53:24-08:00 Wellington Danilo Soares wdansoa@yahoo.com.br Saulo Henrique de Souza Silva saulohenriquemg@hotmail.com Árlen Almeida Duarte de Sousa arlen.sousa@unimontes.br <p>Introdução e objetivo: O interesse crescente pelas artes marciais tem resultado no surgimento de novos atletas de alto nível. Entretanto, muitos desses atletas adotam estratégias nutricionais inadequadas, prejudicando sua saúde e desempenho. Este estudo investiga os sintomas físicos e indicadores de patologias em atletas amadores de artes marciais que utilizam estratégias nutricionais para perda de peso. Materiais e Métodos: Realizamos uma pesquisa descritiva comparativa com 29 atletas de diferentes modalidades de luta, de ambos os sexos. Utilizamos um questionário online para coletar dados sobre a rotina pré e pós-competitiva. Os dados foram analisados utilizando o programa SPSS versão 26.0. Resultados: A maioria dos atletas estava satisfeita com sua saúde geral, mas o uso de estratégias extremas para perda de peso afetava suas relações pessoais. A pressão para atingir categorias de peso específicas levava os atletas a adotarem dietas restritivas e desidratação. Embora a maioria não relatasse problemas de saúde, uma parcela significativa indicou complicações. Também foi observado o uso inadequado de agentes farmacológicos e hormonais em alguns casos. Conclusão: Os resultados evidenciam os riscos associados ao uso inadequado de estratégias nutricionais para perda de peso por atletas amadores de artes marciais. A falta de orientação profissional e a dependência de fontes não especializadas contribuem para o uso incorreto dessas estratégias. Este estudo destaca a importância de atenção aos aspectos nutricionais nas artes marciais, orientação profissional e combate à disseminação de informações falsas. Promover a saúde e o bem-estar dos atletas é fundamental para garantir um desempenho esportivo saudável e sustentável.</p> 2024-02-22T23:29:52-08:00 Copyright (c) 2024 Wellington Danilo Soares, Saulo Henrique de Souza Silva, Árlen Almeida Duarte de Sousa https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2261 Evidências da suplementação de Beta-Alanina em exercícios físicos de resistência 2024-02-28T07:58:59-08:00 Arthur Rocha Medeiros arthur.r.medeiros2015@gmail.com Iraíldo Francisco Soares iraildo.soares@hotmail.com <p>A suplementação de beta-alanina tem sido vista como um importante recurso para melhorar o desempenho físico. Estudos vêm mostrando que ao suplementar indivíduos com beta-alanina, ocorre um aumento no teor de carnosina que funciona como tamponamento para controlar o pH, evitando fadiga e aumentando o desempenho. Nesse sentido, o trabalho teve como objetivo realizar uma revisão sistemática sobre os efeitos da beta-alanina em exercícios físicos de resistência. Foram realizadas buscas nas bases de dados PubMed/MEDLINE e Scopus por ensaios clínicos realizados entre os anos de 2017 e 2022. Os descritores utilizados como chave de busca foram: beta-alanina, suplementação, exercício físico e resistência. O estudo utilizou a estrutura Preferred Reporting Items in Systematic Reviews and Meta-Analyses. A revisão sistemática contou com 10 estudos, sendo evidente que os efeitos positivos apresentados na grande maioria das pesquisas demonstraram benefícios sobre o seu uso, ficando claro que a suplementação crônica de beta-alanina se deposita em fibras rápidas, favorecendo exercícios anaeróbicos de alta intensidade e curta duração. Apesar de alguns resultados mostrarem que houve melhora com a beta alanina, mesmo assim houve alguns impedimentos que podem levar a erros, pela falta de uma melhor avaliação e medições como de lactato e carnosina muscular, que devido ao mecanismo de ação da beta alanina, seria necessário para um resultado mais confiável.</p> 2024-02-22T23:29:00-08:00 Copyright (c) 2024 Arthur Rocha Medeiros, Iraíldo Francisco Soares https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2259 Papel da atividade física excessiva na saúde óssea de mulheres com diagnóstico de transtornos alimentares 2024-02-28T07:45:45-08:00 Maxsuel Pinheiro da Silva nutrimaxsuelpinheiro@gmail.com Jionocley Viana dos Santos vjionocley@gmail.com Luan Lício Lima de Souza licionutri@gmail.com Myllena Santos Souza souzamyllena@icloud.com José Reginaldo Alves de Queiroz Júnior reginaldoqueirozjr3@gmail.com Jarson Pedro da Costa Pereira jarsoncostap@gmail.com <p>Introdução e objetivo. Ainda existem poucos estudos que avaliaram a relação entre transtornos alimentares, atividade física excessiva e saúde óssea em mulheres com anorexia nervosa (AN) e bulimia nervosa (BN). Nosso estudo teve como objetivo avaliar o impacto da atividade física excessiva na saúde óssea de mulheres diagnosticadas com AN ou BN. Materiais e métodos. Trata-se de um estudo transversal em um serviço de referência especializado em transtornos alimentares em um hospital público, envolvendo mulheres diagnosticadas com AN ou BN. Medimos dados antropométricos para calcular o índice de massa corporal. O comportamento alimentar foi avaliado usando o Questionário de Exame de Transtornos Alimentares. Foram coletadas amostras de sangue para avaliar os níveis séricos de vitamina D das participantes. O status de atividade física foi autorrelatado. A densidade mineral óssea foi medida usando a absorciometria por raio-X de dupla energia. Resultados. As pacientes com AN apresentaram maior duração de amenorreia e valores significativamente mais baixos de índice de massa corporal. Os exercícios aeróbicos foram predominantes em ambos os grupos (AN e BN), no entanto, as mulheres com BN apresentaram maior frequência de exercícios aeróbicos e de prática de musculação (p&lt;0,05). Em ambos os grupos, mulheres que praticaram exercícios aeróbicos por menos de 300 minutos por semana apresentaram maior densidade mineral óssea. Conclusão. A prática excessiva de atividade física, especialmente em exercícios aeróbicos, teve um impacto negativo na densidade mineral óssea de mulheres diagnosticadas com AN ou BN.</p> 2024-02-22T23:28:10-08:00 Copyright (c) 2024 Maxsuel Pinheiro da Silva, Jionocley Viana dos Santos, Luan Lício Lima de Souza, Myllena Santos Souza, José Reginaldo Alves de Queiroz Júnior, Jarson Pedro da Costa Pereira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2256 Perfil nutricional e motivação de adolescentes praticantes de futebol de um projeto social no município de Eusébio-CE 2024-02-27T17:38:54-08:00 Yanka Moreira da Silva yankamsilvaa@gmail.com Jamille Araújo Félix Duailibe jamille.af@gmail.com Júlio César Chaves Nunes Filho julio.filho@unichristus.edu.br Richele Janaína de Araújo Machado richele.machado@unichristus.edu.br Paulo Vitor Nogueira de Abreu paulovitor0470@gmail.com Iramaia Bruno Silva iramaiabrunosilva@gmail.com Alex Sousa Paiva alexpaivanutri@hotmail.com <p>Sabe-se que a alimentação sem o acompanhamento nutricional representa risco à saúde, como a deficiência de nutrientes e interferência no desenvolvimento e desempenho em práticas esportivas. O objetivo deste estudo foi avaliar o estado nutricional e determinar os principais fatores motivacionais para a prática de futebol por adolescentes de um projeto social no município de Eusébio-CE. Trata-se de um estudo transversal e descritivo, com abordagem qualitativa. A população foi constituída por adolescentes de 12 a 17 anos. A pesquisa foi composta pelas variáveis independentes; sexo, idade, tempo de prática no projeto social, frequência nos treinos e se realiza outra atividade física. Quanto às variáveis antropométricas foram analisadas: Peso, estatura e IMC de acordo com a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e adotados pelo Ministério da Saúde. Para avaliar a motivação, foi feito o uso do questionário adaptado e validado para a prática de atividade física, avaliando os fatores motivacionais como: controle de estresse, saúde, sociabilidade e competitividade. Analisando o fator motivacional controle de estresse, saúde, sociabilidade e competitividade dentro dos subgrupos pouco motivado e muito motivado, observou-se que há uma distribuição similar na classificação do IMC para idade, em que a maior concentração ocorreu em adolescentes eutróficos por conseguinte sobrepeso e obesidade. Com base nos resultados encontrados houve predominância do fator saúde, seguido da competitividade, controle de estresse e sociabilidade em relação a adolescentes categorizados eutróficos, o que pode estar relacionado com as informações contemporâneas sobre um modo de vida saudável.</p> 2024-02-22T23:24:51-08:00 Copyright (c) 2024 Yanka Moreira da Silva, Jamille Araújo Félix Duailibe, Júlio César Chaves Nunes Filho, Richele Janaína de Araújo Machado, Paulo Vitor Nogueira de Abreu, Iramaia Bruno Silva, Alex Sousa Paiva https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2253 Nível de atividade física dos seguidores de influenciadores digitais 2024-02-27T17:15:32-08:00 Rafael Alves Jacomini rafajacomini@bol.com.br Wellington Danilo Soares wdansoa@yahoo.com.br <p>Introdução: Diante do novo contexto tecnológico, a Educação Física também foi afetada por esta realidade. A mídia social, através do influencer digital, é um dos difusores em influenciar as pessoas quanto ao padrão de beleza, imagem corporal e atividade física. Objetivo: Este estudo tem como foco analisar o nível de atividade física dos seguidores de influenciadores digitais na cidade de Montes Claros-MG. Materiais e métodos: Foi um estudo de cunho experimental com caráter predominante descritivo e delineamento metodológico transversal. A amostra foi composta por 71 pessoas, com idades entre 18 e 41 anos de idade, ambos os sexos. Coletou-se dados antropométricos, em seguida os analisados responderam ao Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) versão curta com adaptações feita com o intuito de direcionamento de tema da pesquisa. Após, os dados foram planilhados e submetidos a uma análise descritiva através do Statistical Package for the social (SPSS) versão 22.0 para Windows. Resultados e discussão: De acordo com os resultados desse estudo, com predomínio do gênero feminino (66,1%) os avaliados, em sua maioria, foram classificados como irregularmente ativo. Conclusão: Infere-se do estudo que os seguidores dos influenciadores digitais consideram importante os conteúdos postados nas redes sociais, mesmo com o reconhecimento da importância de ter o acompanhamento de um profissional qualificado durante a prática de atividade física.</p> 2024-02-22T23:24:01-08:00 Copyright (c) 2024 Rafael Alves Jacomini, Wellington Danilo Soares https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1883 Intervenção nutricional para melhora do perfil antropométrico em atletas de Crossfit 2024-02-27T16:48:45-08:00 Manayra Gonçalves Maciel de Jesus manayramaciel@outlook.com Thalita de Jesus de Melo thalitadejesus.nutricao@hotmail.com Bruna Kempfer Bassoli bruna.bassoli@ufrr.br Fernanda Rosan Fortunato Seixas fernandaseixas@ufgd.edu.br <p>CrossFit é denominada uma prática física de alta intensidade, que inclui exercícios de força e resistência. Para potencializar os benefícios dessa modalidade, faz-se necessário acompanhamento dietético adequado. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência de uma dieta individualizada sobre o estado antropométrico de atletas de CrossFit. Trata-se de um ensaio clínico, realizado em um centro de treinamento de CrossFit no município de Dourados-MS, no qual participaram quatro atletas (2 do sexo feminino e 2 do sexo masculino) que foram submetidos à avaliação antropométrica e avaliação do consumo alimentar por meio do registro alimentar de 24horas, antes e após intervenção nutricional. Após os 30 dias da intervenção nutricional observou-se um aumento na ingestão média de calorias (2760±428 kcal/dia), do consumo de carboidratos (4,8±0,22 g/kg/dia), adequação da proteína ingerida (1,44±0,04g/kg/dia) e houve uma diminuição na ingestão de lipídios (0,81± 0,04g/kg/dia). Já na avaliação antropométrica foram observadas variações em todos os parâmetros, no entanto diminuições significativas (p&lt;0,05) foram observadas para peso, IMC, circunferência do tronco, circunferência abdominal e circunferência do braço esquerdo e direito relaxado. Assim, este estudo reforça a importância de um planejamento dietético e orientações nutricionais adequadas para melhora na composição corporal de atletas de CrossFit.</p> 2024-02-22T23:23:12-08:00 Copyright (c) 2024 Manayra Gonçalves Maciel de Jesus, Thalita de Jesus de Melo, Bruna Kempfer Bassoli, Fernanda Rosan Fortunato Seixas https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1879 Avaliação do perfil alimentar pré e pós-treino de praticantes de Crossfit® 2024-02-27T16:39:16-08:00 Mário Rodrigo Brustolin rodrigobrustolin23@gmail.com Caroline Tarcinalli Souza caroltar11@hotmail.com Débora Tarcinalli Souza deboratarcinalli@hotmail.com Artur Junio Togneri Ferron artur.ferron@gmail.com Fabiane Valentini Francisqueti-Ferron fabiane_vf@yahoo.com.br <p>O CrossFit® é uma modalidade de exercício de alta intensidade que exige o consumo de nutrientes específicos e adequados garantindo uma melhor performance e evitando lesões, acidose e o risco de hipoglicemia. Assim, o objetivo da pesquisa foi avaliar o perfil alimentar pré e pós treino de praticantes de CrossFit®. Sendo um estudo transversal realizado durante os meses de agosto e outubro de 2020 no box de CrossFit® C. Miles Training no município de Bauru-SP. Foram avaliadas as medidas antropométricas e realizada uma anamnese nutricional. Participaram do estudo 20 indivíduos, sendo 11 homens e 9 mulheres. Notou-se que o IMC médio foi de 25,2kg/m<sup>2</sup> nas mulheres e 26,0kg/m<sup>2</sup> nos homens. Em relação ao pré-treino dos participantes, 15 deles se alimentam 30 minutos antes do treino, e no pós-treino, 14 deles tem hábito de se alimentar 1 hora após o treino, especialmente com o jantar. Conclui-se que os praticantes de CrossFit® tem hábitos de se alimentar no pré e pós-treino. Vale ressaltar que para uma melhor performance e resultados dos treinos, os indivíduos tenham que realizar uma dieta equilibrada de acordo com a atividade realizada e a biodisponibilidade de cada um.</p> 2024-02-22T23:22:30-08:00 Copyright (c) 2024 Mário Rodrigo Brustolin, Caroline Tarcinalli Souza, Débora Tarcinalli Souza, Artur Junio Togneri Ferron, Fabiane Valentini Francisqueti-Ferron https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1846 Associação do consumo alimentar e estado nutricional de praticantes de musculação 2024-02-27T12:20:36-08:00 Sheila Elí­da Mariuzza sheila.mariuzza@universo.univates.br Patrí­cia Vogel patricia.vogel@universo.univates.br Juliana Bruch-Bertani julianabruch@gmail.com <p>Introdução: A nutrição apresenta importante papel na saúde e desempenho de atletas e desportistas sendo necessário um adequado aporte de nutrientes para a otimização dos resultados. Desta forma, o objetivo deste estudo foi avaliar o consumo alimentar e estado nutricional de praticantes de musculação. Materiais e Métodos: Foram coletados dados sociodemográficos, de consumo alimentar (dois recordatórios) e antropométricos (peso, altura e dobras cutâneas). As médias dos recordatórios foram comparadas com as referências da Dietary References Intakes (NASEN, 2017;2019) e da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME, 2009). Foi calculado o Índice de Massa Corporal (IMC) e % de gordura corporal. Resultados: Participaram do estudo 71 praticantes de musculação, a maioria em estado de eutrofia (63,4%), seguido de sobrepeso/obesidade (33,8%). A média do consumo de carboidratos foi significativamente inferior às recomendações, 41,7% do valor energético total (VET), enquanto, o consumo de lipídeos foi significativamente superior, 35,8% do VET. O consumo de vitamina D, potássio e fibras foi significativamente inferior às recomendações em ambos os gêneros, em contrapartida, o consumo de sódio foi significativamente superior. O consumo de ferro foi significativamente acima das recomendações entre os homens e significativamente inferior entre as mulheres. Conclusão: Foi observado consumo inadequado de carboidratos, proteínas, lipídios, vitamina D, potássio e fibras por praticantes de musculação em relação às recomendações, sendo necessário uma maior atuação do nutricionista nas academias a fim de promover a adequação do consumo alimentar.</p> 2024-02-22T23:20:31-08:00 Copyright (c) 2024 Sheila Elí­da Mariuzza, Patrí­cia Vogel, Juliana Bruch-Bertani https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2218 Os efeitos da suplementação de creatina na prática do exercício físico 2024-01-31T16:31:13-08:00 Marina Silveira Penadez marinasilveirapenadez@gmail.com Alessandra Doumid Borges Pretto alidoumid@yahoo.com.br Nadine Costa Gonçalves nadinegcosta@hotmail.com Gustavo Vinícius Monteiro Duarte nutrigustavoduarte@gmail.com Romina Buffarini romibuffarini@gmail.com <p>Introdução e Objetivo: A creatina é um suplemento alimentar que vem sendo muito utilizado devido ao seu potencial de efeito no rendimento físico, aumentando o desempenho muscular em praticantes de exercício físico e atuando no combate da perda de massa muscular relacionada ao envelhecimento. Este estudo objetivou analisar a literatura científica em relação ao uso do suplemento de creatina na prática de exercício físico em adultos e idosos. Materiais e métodos: A busca foi conduzida utilizando base de dados como PubMed, Scielo e Lilacs e limitou-se a estudos originais, randomizados, realizados com seres humanos, publicados nos últimos dez anos e nos idiomas inglês, português e espanhol. Foram recuperados 415 artigos, onde 40 foram selecionados pelo título, e após a leitura dos resumos, 28 foram descartados por critérios estabelecidos. Após isso os artigos selecionados foram submetidos a uma avaliação de qualidade metodológica pela escala Jadad. Resultados: Foram avaliados 12 artigos, correspondentes a estudos randomizados, sendo metade em adultos e metade em idosos, sendo que a maioria avaliou indivíduos do sexo masculino. Os protocolos de suplementação de creatina variaram em relação à quantidade e tempo de duração. Os desfechos avaliados variaram entre força, índice de fadiga, potência, resistência, neutralização da perda de massa induzida pelo envelhecimento. Conclusão: De modo geral, os estudos mostraram que o exercício de resistência associado ao uso de creatina melhora diferentes pontos no desempenho muscular, como também, neutraliza a perda de massa magra em idosos.</p> 2024-01-07T04:41:41-08:00 Copyright (c) 2024 Marina Silveira Penadez, Alessandra Doumid Borges Pretto, Nadine Costa Gonçalves, Gustavo Vinícius Monteiro Duarte, Romina Buffarini https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2211 Influência do suco de beterraba nas concentrações sanguíneas de lactato em praticantes de exercícios físicos: uma revisão narrativa 2024-03-17T01:58:55-07:00 Joana Sabino da Silva joanasabino@outlook.com Fernanda da Fonseca Freitas fernanda.freitas@ufrn.br Thaiz Mattos Sureira thaiz.sureira@ufrn.br Morgana de Medeiros Fernandes morganadmfernandes@gmail.com Paulo Ricardo das Chagas Oliveira pauloricardo0092@gmail.com <p>Introdução: O interesse pelo suco de beterraba como suplementação tem crescido na Nutrição Esportiva, pois parece trazer efeitos ergogênicos na performance em exercícios físicos devido ao seu teor de nitrato inorgânico, favorecendo o aumento da concentração plasmática de óxido nítrico. Portanto, o objetivo desta revisão é descrever e sintetizar as informações disponíveis acerca dos possíveis efeitos da suplementação com suco de beterraba sobre a concentração de lactato sanguíneo em praticantes de exercício físico. Materiais e métodos: A busca foi realizada nas bases de dados: PubMed, Scientific Electronic Library (SciELO) e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs), via Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), com a estratégia de busca: “lactate” AND “beetroot”, com descritores em português, inglês e espanhol. Resultados e conclusão: Foram encontrados, inicialmente, 38 estudos, restando 15 após o uso dos critérios de inclusão e exclusão. Desses, 80% (n=12) não demonstraram alterações significativas nas concentrações sanguíneas de lactato dos participantes, enquanto 13,3% (n=2) indicaram aumento e 6,25% (n=1) indicou alguma redução. Em relação aos efeitos positivos, 66,7% (n=10) dos estudos apontaram, ao menos, uma melhora nas variáveis relacionadas ao desempenho. Portanto, são necessários mais estudos que abordem a suplementação do suco de beterraba em praticantes de exercício físico. Principalmente em relação à padronização da dosagem para o alcance dos benefícios esperados e dos protocolos de suplementação que levem em conta modalidade esportiva, duração, intensidade de treino e outros fatores.</p> 2024-01-07T04:40:53-08:00 Copyright (c) 2024 Joana Sabino da Silva, Fernanda da Fonseca Freitas, Thaiz Mattos Sureira, Morgana de Medeiros Fernandes, Paulo Ricardo das Chagas Oliveira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2249 Caracterização e análise de conteúdo de posts do Instagram sobre suplementação esportiva 2024-01-31T16:00:43-08:00 Eisenhower de Araujo Santos eisen.nutri@gmail.com Clara Amelia Nunes de Oliveira claraliveeira@academico.ufs.br Maycon George Oliveira Costa maycongeorge10@gmail.com Róger Conceição Torres Junior roogertrs@gmail.com Luana Edla Lima edlaluana@gmail.com Marcus Vínicius Santos do Nascimento marcusnascimentone@gmail.com Fabiana Poltronieri fabianapoltronieri@hotmail.com Raquel Simoes Mendes-Netto raquelufs@gmail.com <p>A suplementação no esporte vem se popularizando e as mídias sociais tem papel importante na facilitação do acesso e na velocidade da disseminação de informações em saúde para a sociedade. O objetivo do estudo foi caracterizar e analisar a qualidade dos conteúdos publicados no Instagram acerca da temática de suplementação esportiva. Ao longo de 5 semanas, 2 vezes por semana foram coletadas as dez principais postagens no Instagram a partir da busca por hashtags chaves sobre a temática e a análise do conteúdo foi realizada de forma quanti-qualitativa a partir da Classificação Hierárquica Descendente, nuvem de palavras e o instrumento DISCERN. Cento e doze postagens compuseram o corpus textual analisado, com menções a 154 suplementos, 39,4% dos autores eram nutricionistas, seguido de criadores de conteúdo (23,2%) e estudantes de nutrição (16,9%), com maior representação feminina (66,9%) e da hashtag “suplementação”, responsável por 60,5% das postagens analisadas. As principais temáticas nas postagens envolvem a suplementação da creatina, fatores predeterminantes para a suplementação, benefícios e características da suplementação de proteínas. A pontuação média do DISCERN foi de 2.77, representando uma baixa confiabilidade das postagens, porém, profissionais e estudantes da área de nutrição tiveram médias superiores. Os resultados evidenciam que as publicações sobre suplementação esportiva apresentam baixa qualidade de confiabilidade científica, mas que, essa qualidade pode sofrer variações a depender do grau de instrução do autor da publicação.</p> 2024-01-07T04:39:51-08:00 Copyright (c) 2024 Eisenhower de Araujo Santos, Clara Amelia Nunes de Oliveira, Maycon George Oliveira Costa, Róger Conceição Torres Junior, Luana Edla Lima, Marcus Vínicius Santos do Nascimento, Fabiana Poltronieri, Raquel Simoes Mendes-Netto https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2247 Atitudes alimentares de risco para deficiência de Energia relativa no esporte em praticantes de Crossfit® 2024-01-31T15:55:28-08:00 Letícia Gondim Lima Rezende leticiagondim08@gmail.com Daianne Cristina Rocha daianne.rocha@unichristus.edu.br <p>O CrossFit® é um exercício funcional de alta intensidade. Apesar dos inúmeros benefícios, algumas atitudes inadequadas podem causar prejuízos à função fisiológica. A Deficiência de Energia Relativa no Esporte (RED-S) é uma síndrome que pode ocorrer em praticantes de CrossFit®&nbsp;quando não há adequação do consumo energético e do volume de treino. Comportamentos alimentares de risco podem contribuir para a baixa disponibilidade de energia e, consequentemente, com o desenvolvimento da RED-S. O estudo objetiva analisar a ocorrência de comportamentos alimentares inadequados para o desenvolvimento de RED-S em praticantes de CrossFitⓇ. A amostra foi composta por 69 praticantes de CrossFit®, de ambos os sexos, residentes em Fortaleza-Ceará, com idade de 19 a 59 anos e que realizassem CrossFit® há pelo menos 1 ano. Foram utilizados os questionários LEAF-Q, EAAT e BSQ e a avaliação antropométrica foi feita pelo cálculo do índice de Massa Corporal (IMC) e pela análise do percentual de gordura corporal. Os dados foram armazenados no programa Microsoft Excel 2016 e posteriormente alisados no programa Jamovi Versão X. Foi observado risco de RED-S em 32,7% dos participantes, presença de insatisfação corporal em 26,4% dos integrantes e que prevalência de lesões foi de 31,6%, não havendo diferenças significativas entre os gêneros. A pontuação do EAAT foi discretamente maior nas mulheres. Foi analisado uma associação positiva entre percentual de gordura e IMC e percentual de gordura e insatisfação corporal.&nbsp; Portanto, devido à alta intensidade do treinamento de CrossFit®, a investigação das RED-S é necessária devido aos inúmeros impactos na saúde.</p> 2024-01-07T04:39:00-08:00 Copyright (c) 2024 Letícia Gondim Lima Rezende, Daianne Cristina Rocha https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2246 Efeitos da ingestão do suco de beterraba (Beta vulgaris L.) em praticantes de exercício físico 2024-01-31T15:28:47-08:00 Izabela Nunes Araújo izabelaaraujo7@gmail.com Patrícia Fonseca de Oliveira Vales patricia.vales@mail.uft.edu.br Iraíldo Francisco Soares iraildo.soares@hotmail.com <p>A utilização de recursos ergogênicos tem sido empregada por meio de manipulações dietéticas capazes de retardar o surgimento de fadiga e aumentar o poder contrátil do músculo, aprimorando o trabalho físico. Nesse contexto, o suco de beterraba vem apresentando efeitos capazes de melhorar rendimento em esportistas. Com isso, objetivamos investigar os benefícios do suco de beterraba para praticantes de exercício físico. O estudo realizado trata-se de uma revisão sistemática, elaborada com seleção detalhada de artigos científicos. O estudo teve como alvo o mapeamento de trabalhos que abordaram os benefícios do suco de beterraba para o praticante de exercício físico.&nbsp;A pesquisa utilizou a estratégia PICOT e seguiu os métodos estabelecidos pelo Preferred Reporting Items in Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA) para sua estruturação. Foram analisados 10 pesquisas que mostraram efeitos ergogênicos positivos com a ingestão de suco de beterraba, como o aumento do potencial vasodilatador e melhora na resistência, potência e força em exercícios intermitentes com alta intensidade e com um curto período de descanso. Com isso, foi possível concluir que a inclusão do suco de beterraba na alimentação do esportista demonstra benefícios sobre a execução de exercícios podendo, portanto, otimizar resultados de diferentes modalidades esportivas.</p> 2024-01-07T04:37:37-08:00 Copyright (c) 2024 Izabela Nunes Araújo, Patrícia Fonseca de Oliveira Vales, Iraíldo Francisco Soares https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2237 Resposta aguda à ingesta de carboidrato por mulheres praticantes de treino intervalado de alta intensidade (HIIT) 2024-01-31T15:23:09-08:00 Solange Aparecida Pereira sol.pereira0718@gmail.com Ana Carolina Brasil e Bernardes carolbrasil@gmail.com Everton Pereira evertonprpm@gmail.com <p>Introdução: O HIIT é um treinamento intervalado de alta intensidade, com movimentos intercalados entre alta e baixa intensidade. Um bom suprimento energético é essencial para praticantes de exercícios físicos que necessitam de um aporte energético adequado. Desse modo é comum a utilização de recursos ergogênicos, especialmente de carboidratos para manter um bom desempenho e retardo da fadiga nos treinamentos. Assim, o doce de leite é uma opção, pois ele é fonte de carboidrato de rápida absorção e alta palatabilidade e pode ser utilizado como recurso dietético. Objetivo: Verificar os efeitos dos carboidratos como fontes energéticas na performance de mulheres praticantes de HIIT. Materiais e Métodos: Estudo quantitativo, transversal, intervencional, realizado em campo. As participantes realizaram um treino de HIIT, protocolo 30/30. Elas realizaram três encontros: no primeiro, realizou-se o teste incremental para determinar a velocidade máxima para realização da pesquisa; no segundo, o teste físico sem a utilização de nenhum tipo de suplementação; no terceiro encontro, o teste realizado com a ingestão de 30g de doce de leite, 30 minutos antes do treino. Resultados:&nbsp; Todas apresentaram um maior rendimento quando utilizaram o doce de leite em seus treinamentos. Os resultados apresentaram um aumento de 34% na distância percorrida quando utilizaram o doce de leite em seus treinamentos. Conclusão: Conclui-se que o doce de leite como pré-treino pode promover melhora na performance.</p> 2024-01-07T04:35:56-08:00 Copyright (c) 2024 Solange Aparecida Pereira, Ana Carolina Brasil e Bernardes, Everton Pereira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2236 #NutriçãoEsportiva: Estudo do conteúdo de nutricionistas da área de Nutrição em Esporte e Exercício Físico no Instagram 2024-01-31T15:14:31-08:00 Lara Thainá Evangelista Miranda larainfo452@gmail.com Ângela Giovana Batista angela.batista@ufjf.br <p>As redes sociais, especialmente o Instagram, têm sido utilizadas por profissionais da área de nutrição esportiva para veiculação de informação, aconselhamento nutricional e captação de pacientes. O objetivo deste trabalho foi avaliar os conteúdos compartilhados no Instagram por profissionais da área de nutrição em esporte e exercício físico (NEEF). Para a pesquisa foi criado um perfil sem vínculos no Instagram. Utilizou-se hashtags para a busca de postagens sobre NEEF. Foram selecionadas apenas as postagens de nutricionistas que declararam ser da área de NEEF na bio para análise de conteúdo. Os conteúdos foram analisados conforme a adequação de informação, clareza, profundidade, referência científica e segundo a popularidade e tipo de postagem. Dos 100 perfis analisados, 48% declararam na bio ser especializados em NEEF. Os conteúdos mais postados (n=68) por estes foram sobre, em ordem decrescente: pré e pós-treino (n=23), suplementos (n=22), emagrecimento (n=15), e hipertrofia (n=8). Conteúdos sobre hipertrofia foram os mais adequados e mais claros, ao contrário dos conteúdos sobre pré e pós-treino. Já os conteúdos sobre suplementos foram os que apresentaram maior profundidade de informação. Com relação ao tipo de postagem, o formato carrossel foi o mais utilizado e apresentava maior frequência de aprofundamento da informação. Apesar de menos frequente, o formato reels apresentou conteúdos com maior índice de adequação. Concluiu-se que a maior parte dos conteúdos de nutricionistas do esporte e exercício físico no Instagram, estavam adequados, porém exploraram pouco a profundidade e a referência científica das informações, o que pode gerar dúvidas ao público-alvo.</p> 2024-01-07T04:35:09-08:00 Copyright (c) 2024 Lara Thainá Evangelista Miranda, Ângela Giovana Batista https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2232 Os efeitos de uma intervenção nutricional no consumo alimentar de jovens atletas de Rugby 2024-01-31T15:06:13-08:00 Alessandra Doumid Borges Pretto alidoumid@yahoo.com.br Pamela Silva Vitória Salerno pamelasvitoria@gmail.com Gabriel Barreto Veiga gabrielveiga@icloud.com Gisele da Silva Dias giselediasss4@gmail.com Juliendry Medeiros Silveira juliendryms@hotmail.com Gustavo Vinícius Monteiro Duarte gustavoifrs@outlook.com Gustavo Dias Ferreira gusdiasferreira@gmail.com Eraldo dos Santos Pinheiro eraldo.pinheiro@ufpel.edu.br Camila Borges Muller camilaborges1210@gmail.com <p>Introdução e objetivo: Uma alimentação adequada irá proporcionar a energia necessária para as funções vitais e melhores escolhas alimentares o que irá repercutir na performance durante o exercício e na saúde. O objetivo do presente estudo foi verificar os efeitos de uma intervenção nutricional no consumo alimentar de jovens atletas de Rugby. Materiais e métodos: Estudo de intervenção com 15 atletas de escolas públicas e moradoras da periferia da cidade de Pelotas. O consumo alimentar foi aferido por um questionário de frequência alimentar e um recordatório de 24 horas. Foram feitas avaliações antes e após a intervenção nutricional. As análises estatísticas foram realizadas no Stata 14.0<sup>®</sup>, com nível de significância de 5%. &nbsp;Resultados: Quanto ao consumo alimentar, percebeu-se baixo consumo de verduras e legumes, frutas e ovos e alto consumo de embutidos, industrializados e refrigerantes. Discussão: Estudos com adolescentes mostram um consumo inadequado de alimentos como frutas, legumes, verduras e alto consumo de alimentos não saudáveis. Conclusão: Houve melhoras no consumo de alguns grupos alimentares, mas ainda são necessárias novas intervenções nutricionais, de forma a possibilitar maior conhecimento sobre alimentação, permitindo fazer trocas alimentares mais adequadas.</p> 2024-01-07T04:34:19-08:00 Copyright (c) 2024 Alessandra Doumid Borges Pretto, Pamela Silva Vitória Salerno, Gabriel Barreto Veiga, Gisele da Silva Dias, Juliendry Medeiros Silveira, Gustavo Vinícius Monteiro Duarte, Gustavo Dias Ferreira, Eraldo dos Santos Pinheiro, Camila Borges Muller https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2223 Caracterização da relação entre trabalho e recuperação de partidas profissionais de futevôlei 2024-01-31T13:46:07-08:00 Henrique Sasse Avena henriqueavena@gmail.com Marina Yazigi Solis marina.solis@gmail.com <p>Exercícios realizados em solo arenoso geram respostas fisiológicas com maior custo energético, maior percepção subjetiva de esforço, maior produção de lactato, aumento da frequência cardíaca e maior consumo de oxigênio em comparação aos solos firmes. O futevôlei é um esporte que exige gestos técnicos muito apurados e por ser praticado em solo arenoso, exige que os atletas tenham excelente preparo físico para performar em competições. Com o objetivo de caracterizar a relação trabalho-recuperação e intensidade dos pontos disputados, duração dos sets e de partidas de futevôlei profissional, para elucidar a demanda física do esporte, foram analisados 15 jogos da Liga Nacional de Futevôlei brasileira disputados durante a Temporada 2022. A relação trabalho-recuperação, das disputas de pontos, apresentou uma tendência central (mediana) de 1:3,1, sendo que 95,4% das relações estão no intervalo de 1:0,8 e 1:9,0 e com variabilidade muito alta (CV = 75,9%). Referente às disputas de pontos, 99,4% acontecerem em 30s ou menos, sendo 96,1% dos pontos disputados em 20,0s ou menos e 74% disputados em até 10,0s. Ainda, 71,7% das disputas se deram em intensidades altas. Os dados obtidos apontam o futevôlei como uma modalidade esportiva de demanda física intervalada de alta intensidade e, juntamente com as evidências disponíveis sobre as respostas fisiológicas e metabólicas do exercício realizado em solo arenoso, é plausível inferir que as vias metabólicas ATP-CP e glicolítica são determinantes para a disputa de pontos no futevôlei profissional.</p> 2024-01-07T04:33:16-08:00 Copyright (c) 2024 Henrique Sasse Avena, Marina Yazigi Solis https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2221 Respostas bioquímicas e de percepção subjetiva de esforço pós suplementação alimentar em praticantes de Crossfit: um estudo crossover 2024-01-31T13:29:26-08:00 Maria Eduarda Silveira de Mattos mariasilveiramattos01@gmail.com Mayara Karoline Vieira Camargo mayaravieira613@gmail.com Jean Rodrigo Santos rodrigosantosjean105@gmail.com Camila Freitas de Oliveira camilafreoli@gmail.com Camila Dallazen camiladallazen@gmail.com Dalton Luiz Schiessel daltonls68@gmail.com Gabriela Datsch Bennemann gabibennemann@gmail.com Stephane Janaina de Moura Escobar stephanejme@hotmail.com <p>Introdução: Os carboidratos possuem papel fundamental na manutenção da glicemia, podendo influenciar no rendimento da atividade física. Objetivo: Considerando isso, o objetivo do estudo foi comparar o impacto do jejum, da ingestão pré-treino de alimentos fontes de carboidratos e do suplemento alimentar a base de carboidrato nas respostas bioquímicas e subjetiva de esforço em praticantes de CrossFit. Materiais e métodos: O estudo foi desenvolvido com delineamento crossover e contou com a participação de 9 praticantes. A condução da pesquisa envolveu avaliação antropométrica e de consumo alimentar, análise da glicemia em três momentos 1 hora antes do treino com os participantes em jejum, logo antes do treino e logo após o treino e aplicação de escala de percepção de esforço ao final da atividade. Os participantes foram submetidos a 3 momentos de intervenção, dos quais receberam 1 hora antes do treino uma refeição composta por suco integral de uva e banana ou suplemento a base de carboidratos Waxy Maize (WM) ou permaneceram em jejum. As análises estatísticas foram realizadas utilizando o Teste de Friedman, considerando significativo p&lt;0,05. Observou-se que os participantes que ingeriram WM tiveram um aumento na glicemia no momento antes do treino e redução na percepção de esforço durante o exercício. Enquanto no momento em jejum, os participantes tiveram sua percepção de esforço aumentada durante a atividade física. Conclusão: Concluiu-se que a ingestão do suplemento alimentar foi capaz de reduzir a percepção de esforço possivelmente devido à liberação de substratos energéticos para realização do exercício.</p> 2024-01-07T04:32:30-08:00 Copyright (c) 2024 Maria Eduarda Silveira de Mattos, Mayara Karoline Vieira Camargo, Jean Rodrigo Santos, Camila Freitas de Oliveira, Camila Dallazen, Dalton Luiz Schiessel, Gabriela Datsch Bennemann, Stephane Janaina de Moura Escobar https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2214 Avaliação do índice de massa livre de gordura e sua relação com dismorfia muscular em praticantes de treinamento resistido do interior da Paraiba 2024-01-31T13:23:38-08:00 Ruy Suzuki Pinto Rabelo ruyrabelo98@gmail.com Widemar Ferraz Silva widemar_ferraz@hotmail.com <p>Introdução: O índice de massa livre de gordura (FFMI) tem sido sugerido como uma ferramenta de triagem para identificar o uso de esteroides anabolizantes (EAS) em praticantes de treinamento resistido. Além disso, já foi verificado que indivíduos usuários de EAS com FFMI &gt;25kg/m<sup>2</sup> apresentam maior prevalência de dismorfia muscular (DISMUS). Objetivo: Verificar a prevalência do uso de EAS e associação níveis de FFMI com sintomas de DISMUS em praticantes de treinamento resistido. Materiais e Métodos: Para verificação dos sintomas de dismorfia muscular será utilizado a escala de avaliação da satisfação muscular (MASS), que possui 19 perguntas com cinco níveis de escala para cada resposta. &nbsp;Para avaliação antropométrica (peso, altura e dobras cutâneas) serão determinados os valores de índice de massa corporal (IMC), percentual de gordura (%G) e FFMI. Resultados e Discussão: A amostra foi constituída por 38 sujeitos e foi verificado que apenas 10,5 eram usuários de EAS. Verificou-se que 63,20% dos indivíduos demostraram insatisfação muscular leve, 26,3% exibiram insatisfação muscular moderada e 10,5 insatisfação muscular severa. Os indivíduos com insatisfação moderada correspondem à população em risco de sofrer DISMUS, enquanto aqueles com insatisfação severa já estão possivelmente acometidos por este transtorno. No entanto, não foi verificado associação de nenhuma categoria de insatisfação com IMC, FFMI e %G. Conclusão: A insatisfação com o físico foi observada em diferentes níveis nesta população. O nosso estudo ressalta a importância de ações educativas para conscientização em uma forma de prevenção de problemas que possam prejudicar ainda mais a autoestima e qualidade de vida.</p> 2024-01-07T04:29:49-08:00 Copyright (c) 2024 Ruy Suzuki Pinto Rabelo, Widemar Ferraz Silva https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1656 Estudo comparativo entre dois protocolos de avaliação da composição corporal: quantidade relativa de massa adiposa e muscular 2024-01-31T13:15:33-08:00 Rony Jerônimo Lima roonyjl@gmail.com Sara Nobre Maia sarahnobre96@hotmail.com Tadeu de Almeida Alves Junior alvestaj@gmail.com Francisca Nimara Inácio da Cruz nimara.cruz@ifce.edu.br Eduardo da Silva Pereira edufaced@yahoo.com.br <p>Na literatura existem duas grandes formas de análise da composição corporal o método químico e o anatômico, e algumas divergências a respeito. O objetivo do presente estudo foi fazer uma comparação entre duas padronizações de medidas antropométricas. O protocolo de Petroski (1995) combinado com a equação de Brozek (1963) e o método de análise tecidual de Ross e Kerr (1991) desenvolvido através de estudos em cadáveres. Participaram deste estudo 19 indivíduos (10 homens e 9 mulheres) universitários entre 20 e 30 anos matriculados no curso de Educação física do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceara - Campus Canindé. A coleta de dados foi realizada por um único e experiente antropometrista. A amostra foi considerada normal pelo teste de normalidade de Shapiro-Wilk, utilizou-se a estatística descritiva e inferencial pelo teste t (p≤0,05). Observou-se diferença significativa na massa adiposa das mulheres Petroski; Ross e Kerr são, respectivamente 13,22 ± 2,94 kg; 20,49 ± 3,66 kg. Do mesmo modo, os homens apresentaram valores de massa adiposa de 10,24 ± 5,16 kg; 16,25 ± 4,61 kg. Quanto aos valores de massa muscular obtidos das mulheres são, respectivamente 29,35 ± 2,71 kg; 24,73 ± 2,80 kg. Porém, não teve diferença na massa muscular dos homens 33,19 ± 4,22 kg; 32,03 ± 7,02 kg. Os resultados evidenciam que há diferença entre os métodos de avaliação da composição corporal em universitários. O valor médio de massa muscular dos homens não apresentou diferença significa. Sugere-se novos estudos que busquem comparar esses dois métodos.</p> 2024-01-07T04:28:53-08:00 Copyright (c) 2024 Rony Jerônimo Lima, Sara Nobre Maia, Tadeu de Almeida Alves Junior, Francisca Nimara Inácio da Cruz, Eduardo da Silva Pereira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1651 Percepção da imagem corporal de praticantes de musculação 2024-01-31T13:06:22-08:00 Marcos Antonio Araújo Bezerra marcosantonio@leaosampaio.edu.br Lara Belmudes Bottcher larabottcher@leaosampaio.edu.br César Bernardo Gomes cesarbernardo@gmail.com Cícero Cléber Brito Pereira cicerocleber@univs.edu.br <p>A imagem corporal se expressa como uma representação mental que o indivíduo tem de seu próprio corpo e sofre influências por fatores socioculturais. O presente estudo tem como objetivo analisar a percepção da autoimagem de praticantes de musculação das academias de ginástica da cidade de Porteiras-CE. Trata-se de um estudo descritivo, de campo, transversal, com uma abordagem quantitativa. Participaram deste estudo 100 indivíduos, 50 mulheres e 50 homens praticantes de musculação com idades entre 18 e 40 anos. A Imagem Corporal foi avaliada através do Body Shape Questionnaire (BSQ). O BSQ é um questionário autoaplicativo com 34 perguntas com seis possibilidades de resposta dentro de uma escala likert. A distorção de imagem corporal foi classificada como leve (70 a 90), moderada (90 a 110) ou intensa (&gt;110). A análise dos dados foi realizada através de estatística descritiva, teste t através do software SPSS- 23, adotando um alfa de 0,05. O escore das questões do BSQ teve como média 62,50 ± 20,99 masculinos, e feminino 74,28 ± 27,44, classificados como nível de preocupação leve. Comparando os resultados de Peso, IMC e BSQ entre os grupos de homens e mulheres verificou-se diferença estatisticamente significativa para as variáveis BSQ e Peso. Verificou-se uma correlação fraca entre IMC e BSQ (r=0,290). Conclui-se que mulheres apresentam níveis de insatisfação corporal piores quando comparados com homens.</p> 2024-01-07T04:27:58-08:00 Copyright (c) 2024 Marcos Antonio Araújo Bezerra, Lara Belmudes Bottcher, César Bernardo Gomes, Cícero Cléber Brito Pereira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1630 Análise da satisfação da imagem corporal em mulheres praticantes de esporte de rendimento 2024-01-31T12:58:19-08:00 Thayane Luiza Cavalcante Torres thayanectorres@outlook.com Leyla Regis de Meneses Sousa Carvalho leyla.regis@hotmail.com <p>Introdução: A imagem corporal é externalizada com base os conceitos individuais e sociais, sofrendo influência da mídia, cultura, e meio na qual o indivíduo está inserido. Para grande maioria das mulheres, entender-se fora do padrão “corpo perfeito”, é motivo de tristeza e frustração com a autoimagem. Para as atletas de rendimento, o corpo ideal influencia no desempenho e no alcance de resultados. Objetivo: Analisar a satisfação da imagem corporal em mulheres praticantes de esporte de rendimento. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de revisão integrativa, realizada nas bases de dados Scielo, Pubmed e Medline. Resultados: A maioria das atletas dos esportes de rendimento possui uma insatisfação com sua imagem corporal, pois elas não desejam apenas a obtenção dos resultados em competições de alto nível, elas almejam ter corpos baseados na mídia, nos corpos de atletas renomadas e o corpo estabelecido pela sociedade como “perfeito”. Conclusão: Conclui-se que são muitas as atletas que praticam esportes de rendimento que estão insatisfeitas com sua imagem corporal, mas isso não significa que o esporte é o principal motivo das atletas terem esse tipo de comportamento, o esporte exige somente resultados satisfatórios nas competições de alto nível. Esse comportamento acontece porque elas baseiam e idealizam seus corpos de acordo com os corpos das atletas renomadas. Então é de extrema importância que haja novos estudos e pesquisas relacionados a este tema, pois é notório que existem poucos estudos que retratam a percepção da imagem corporal de mulheres praticantes de esporte de rendimento.</p> 2024-01-07T04:27:05-08:00 Copyright (c) 2024 Thayane Luiza Cavalcante Torres, Leyla Regis de Meneses Sousa Carvalho https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1618 Análise do perfil antropométrico da equipe universitária de handebol feminino da Universidade Federal de Santa Maria 2024-01-31T12:51:30-08:00 Luma Lemos Aires lumalemosedfisica@gmail.com Gitane Fuke gifuke@yahoo.com.br Bruna do Santos brunadossantos.ufsm@gmail.com Silvana Corrêa Matheus silvanacmatheus@gmail.com Camila Valduga camila.cefd@gmail.com <p>O esporte handebol, por exigir grandes deslocamentos, fintas e saltos, é preferível que seus atletas tenham baixa adiposidade corporal e consequentemente um acréscimo de massa magra. A avaliação é chave determinante do processo de treinamento, para verificação dos acertos ou possíveis ajustes de acordo com os objetivos daquilo que foi medido e que assim implicando em tomadas de decisões. Deste modo, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o perfil antropométrico da equipe universitária de handebol feminino da Universidade Federal de Santa Maria. Foram avaliadas 21 atletas, com idades entre 18 e 24 anos e para avaliações utilizou-se o protocolo de Jackson, Pollock e Ward (1980) para densidade corporal e equação de SIRI (Petroski e colaboradores 2010) para cálculo de percentual de gordura. Foi realizada a análise estatística descritiva dos dados antropométricos bem como cálculo de média e desvio padrão deles. A análise dos resultados quanto ao IMC, 57,14% das atletas apresentam normalidade, 33,33% em sobrepeso e 4,76% respectivamente para obesidade e abaixo do peso. Para quantidade de massa muscular, 52,38% das atletas possuem massa muscular muito alta e 47,62% classificadas com massa muscular alta. Quanto ao percentual de gordura corporal, 42,86% apresentam % de gordura corporal classificado na média, 28,57% abaixo da média, 4,76% não recomendado e apenas 23,81% com classificação em nível elevado. Pode-se concluir que a equipe de handebol feminino da UFSM encontra-se com valores próximos dos ideais para atletas de handebol.</p> 2024-01-07T04:26:08-08:00 Copyright (c) 2024 Luma Lemos Aires, Gitane Fuke, Bruna do Santos, Silvana Corrêa Matheus, Camila Valduga https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2209 Influência da ingestão de nitrato nas respostas cardiovasculares, hemodinâmicas e no desempenho ao treinamento de força: uma revisão crítica 2024-01-04T12:43:38-08:00 Mateus Chaves Primo nutricionista.mateuschaves@gmail.com Osvaldo Costa Moreira osvaldo.moreira@ufv.br <p>Introdução: O nitrato é um recurso nutricional utilizado no esporte devido sua atividade ergogênica, sendo uma substância precursora do óxido nítrico e possuindo um papel importante na regulação de parâmetros funcionais e fisiológicos relacionados ao desempenho esportivo, devido sua ação vasodilatadora e hipotensiva. Objetivo: Realizar uma revisão de literatura para apresentar e discutir os efeitos da ingestão do nitrato nas respostas cardiovasculares e hemodinâmicas durante o treinamento de força. Materiais e Métodos: Foi realizada uma busca na base de dados do PubMed e SciELO, incluindo estudos que associavam esses três fatores (nitrato; respostas cardiovasculares; treinamento de força). Resultados: Foi possível verificar que o nitrato influencia na resposta hemodinâmica devido à metabolização do nitrato que vai gerar como produto o óxido de nítrico na circulação sistêmica, aumentando sua produção na corrente sanguínea, especialmente nas condições em que existe uma demanda aumentada por oxigênio, como durante o exercício físico. Os efeitos fisiológicos destacam-se a melhora da respiração mitocondrial e muscular, modificando fatores como pressão arterial, frequência cardíaca e redução do consumo de oxigênio durante a realização do exercício, devido ao relaxamento do músculo liso, promovendo a vasodilatação e a regulação do fluxo sanguíneo e, consequentemente, melhorando o fornecimento de oxigênio. Conclusão: A suplementação de nitrato possui efeitos fisiológicos positivos no treinamento que melhoram o desempenho e performance esportiva. Entretanto, estes efeitos não são vistos em todos os estudos, devido à influência de determinadas variáveis como condicionamento físico, duração do exercício e doses administradas.</p> 2023-12-28T05:59:44-08:00 Copyright (c) 2023 Mateus Chaves Primo, Osvaldo Costa Moreira https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2210 Estilo de vida ativo na satisfação da imagem corporal e autoestima em acadêmicas do curso de educação física 2024-01-04T12:35:11-08:00 Leyla Regis de Meneses Sousa Carvalho leyla.regis@hotmail.com Bruna de Oliveira Batista obrunna19@gmail.com <p>Introdução: A imagem corporal é a percepção que o indivíduo tem de seu corpo, expresso em sua mente, isto é a forma como ele se ver, é uma construção multidimensional influenciada por fatores biológicos, históricos, sociais e culturais Objetivo: Verificar o estilo de vida ativo na satisfação da imagem corporal e autoestima em acadêmicas do curso de Educação física. Materiais e Métodos: A amostra foi composta por 100 acadêmicas do sexo feminino do curso de Bacharelado em Educação Física da cidade de Teresina-PI. Para tanto, foram utilizados Questionários de identificação de dados, Escala de Rosemberg (1985) e Escalas de Silhuetas Femininas (ESF) validada por Kanno (2009). A análise dos dados foi realizada por meio de valores percentuais, estes foram calculados no programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 22.0. Resultados: As acadêmicas não estão satisfeitas com o corpo, porém sem altas discrepâncias, as acadêmicas sedentárias se percebem como Imagem Real (IR) na silhueta (6) componente eutrófico e idealizam (II) na silhueta (3) componente hipetrofiado, entretanto as acadêmicas ativas se avaliam na Imagem Real (IR) a silhueta (4) componente eutrófico e idealizam (II) a silhueta (3) componente também hipertrofiado,&nbsp; ambos os grupos&nbsp; manifestaram&nbsp; discrepâncias com características de distorção mediana e baixa. Não houve associação da autoestima com o exercício físico, uma vez que, tanto as acadêmicas ativas quanto as sedentárias manifestaram autoestima baixa. Conclusão: As acadêmicas de ambos os grupos acusam o desejo de serem hipertrofiadas, idealizando corpos semelhantes aos divulgados pela mídia.</p> 2023-12-28T05:58:40-08:00 Copyright (c) 2023 Leyla Regis de Meneses Sousa Carvalho, Bruna de Oliveira Batista https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2208 Análise de proteínas carboniladas em formulações de bolos adicionadas com whey protein 2024-01-04T09:16:55-08:00 Alisson de Carvalho Gonçalves alisson.goncalves@ifgoiano.edu.br Jaqueline Borges jack_borges_@hotmail.com Renata Campos Leão renataleaonutricionista@gmail.com Luiz Ricardo Soldi ricksoldi@live.com Katia Aparecida Silva katia.silva@uftm.edu.br Guilherme Portari guilherme.portari@uftm.edu.br <p>Modificações químicas em formulações de bolos elaborados com whey protein e submetidos a altas temperaturas sofrem a formação de proteínas carboniladas que é um biomarcador de oxidação proteica. Foram elaboradas formulações de bolo com e sem adição de whey protein, divididos entre cru e assado, totalizando 4 amostras. A composição química foi analisada em triplicata, seguindo metodologias descritas pela AOAC. As proteínas carboniladas foram quantificadas por espectrofotometria no Laboratório de Análise de Alimentos do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Os resultados foram apresentados como média ± desvio padrão e analisados por ANOVA e pós-teste de Tukey, adotando-se como significativo p&lt;0,05. As amostras cruas apresentaram maior teor de água em relação às torradas, e maior quantidade de cinzas na amostra adicionada de whey protein. A quantidade de proteína foi maior nas amostras com whey protein. A amostra assada com whey protein apresentou maior quantidade de proteínas carboniladas em relação às demais. A adição de whey protein influenciou positivamente no aumento da formação de proteínas carboniladas no bolo. A ingestão de proteínas oxidadas pode causar distúrbios e doenças e deve ser evitada.</p> 2023-12-28T05:57:46-08:00 Copyright (c) 2023 Alisson de Carvalho Gonçalves, Jaqueline Borges, Renata Campos Leão, Luiz Ricardo Soldi, Katia Aparecida Silva, Guilherme Portari https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2204 Análise subjetiva de sintomas de mal-estar durante o treino de força: relação entre refeição pré-treino e desempenho 2024-01-04T09:08:20-08:00 Nataly Martins Paiva natalypaiva.123@gmail.com Júlio César Chaves Nunes Filho julio.filho@unichristus.edu.br Daianne Cristina Rocha daiannerocha@hotmail.com <p>O treinamento resistido vem sendo um dos exercícios físicos mais escolhidos por indivíduos que almejam melhor desempenho físico e ganho de massa magra. A alimentação efetuada antes do treino é primordial para a performance durante a prática de atividade física. Entre os benefícios desta refeição podemos citar a capacidade de evitar manifestações de mal-estar, permitindo um maior tempo de treino. Nesse contexto, o presente estudo teve como objetivo avaliar a carga glicêmica (CG) e o índice glicêmico (IG) das refeições pré-treino em praticantes de musculação e correlacionar com o desempenho, através da análise subjetiva de sintomas de mal-estar durante o treino de musculação. A amostra foi composta por 45 praticantes de musculação com idades entre 18 e 35 anos, de ambos os sexos. Para a coleta de dados foi realizada a aplicação online do questionário adaptado de Ackel-D'Elias. Além disso, foi realizada uma ligação para cada participante em que foram coletadas informações sobre sua alimentação habitual antes do treino. Ao término do estudo foi possível verificar que a maioria dos participantes apresentaram sintomas de mal-estar durante o exercício físico independente do IG da refeição. Além disso foi visto que o consumo de carboidratos com alto e moderado IG, aceleraram o retorno da fome durante o treino e o consumo da refeição pré-treino antes de 60 minutos do exercício causou sintomas de empachamento nos participantes.</p> 2023-12-28T05:56:38-08:00 Copyright (c) 2023 Nataly Martins Paiva, Júlio César Chaves Nunes Filho, Daianne Cristina Rocha https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2199 Uso de suplementos alimentares e avaliação da imagem corporal de praticantes de musculação no período de pandemia da COVID-19 2024-01-04T09:02:57-08:00 Eloiza Kern eloiza.kern@hotmail.com Romário Ribeiro de Oliveira romriboliver@gmail.com Eloá Angélica Koehnlein eloa.koehnlein@uffs.edu.br <p>As relações com o corpo são muito influenciadas pela sociedade, que impõe padrões de como os indivíduos devem apresentar seus corpos. Além do aumento da prática de atividade física, busca-se outros recursos para atingir estes padrões estéticos, e a suplementação nutricional é uma delas. Este estudo teve como objetivo avaliar o uso de suplementos alimentares e a imagem corporal de praticantes de musculação no período de pandemia da COVID-19. Foi realizada uma pesquisa descritiva, transversal no ano de 2021 com praticantes de musculação de academias na microrregião de Capanema-PR. Foram aplicados de forma online um questionário para caracterização sociodemográfica, clínica e relativa à prática de musculação e uma escala de foto silhueta para avaliação da imagem corporal. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva e as associações pelo de teste Qui-quadrado. Avaliou-se 115 praticantes, predominantemente do sexo feminino (71,3%), com idade entre 19 a 30 anos (60%), solteiros (55,7%), cursando ensino superior (46,1%) e com renda acima de 2 a 5 salários mínimos (46,1%). Foi identificado que 55,7% utilizavam suplementos alimentares, sendo 78,8% do sexo masculino. A avaliação da imagem corporal demonstrou que 80,9% dos praticantes de musculação apresentavam insatisfação, especialmente naqueles com IMC &lt;24,9kg/m<sup>2</sup>, sendo que 63,5% referiram desejo de aumentar massa muscular. Concluiu-se que a frequência de uso de suplementos alimentares dos praticantes de musculação foi elevada, com o agravante da prescrição não ser realizada por profissional habilitado, bem como a insatisfação com a imagem corporal esteve fortemente presente nesse grupo.</p> 2023-12-28T05:54:06-08:00 Copyright (c) 2023 Eloiza Kern, Romário Ribeiro de Oliveira, Eloá Angélica Koehnlein https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2196 Uso agudo de maltodextrina® e elevação da glicemia durante e após sessão de treinamento resistido em adultos saudáveis 2024-01-04T08:55:42-08:00 Igor Fontes de Moraes igorfontes06@yahoo.com.br Tatiana Moreira Domingues dominguestm@unip.br <p>O treinamento resistido (musculação) é uma prática que consiste em trabalhos com pesos e repetições voltada ao fortalecimento de um músculo ou grupo muscular. No presente trabalho, foram incluídos 21 praticantes regulares de musculação, com tempo médio de prática de exercício físico de 7,2 anos. Os indivíduos foram divididos em três grupos amostrais: o primeiro recebeu uma dose de 1 g/kg de suplemento alimentar composto por carboidratos (maltodextrina<sup>®</sup>), imediatamente antes do início da sessão de treinamento; o segundo recebeu uma dose de 2 g/kg também de maltodextrina<sup>®</sup> logo antes do início da sessão de treinamento; e o terceiro (o grupo controle experimental) recebeu um composto placebo - um suco em pó (Clight<sup>®</sup>) na versão zero açúcar - também antes do início da sessão de treinamento. O objetivo principal deste estudo foi avaliar a resposta glicêmica, através de um medidor de glicemia capilar portátil, em função da suplementação com carboidrato, durante e após o treinamento, e em relação ao desempenho físico do praticante de musculação. Os resultados obtidos mostraram que houve uma diferença estatística significativa nos níveis de variação glicêmica entre o grupo que ingeriu 1 g/kg de maltodextrina<sup>®</sup> e o grupo controle, enquanto o grupo que consumiu 2 g/kg de maltodextrina<sup>®</sup> não apresentou variações significativas na glicemia quando comparado aos demais grupos. Além disso, nenhum participante apresentou sinais de hipoglicemia de rebote devido à alta ingestão de carboidratos antes da sessão de treinamento, nem prejuízo significativo no desempenho esportivo.</p> 2023-12-28T05:42:55-08:00 Copyright (c) 2023 Igor Fontes de Moraes, Tatiana Moreira Domingues https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2194 Análise de rótulos de suplementos alimentares de creatina 2024-01-04T08:49:54-08:00 Pedro Luccas Moura de Araújo mouraujo@hotmail.com Aline Guimarães Amorim ag.amorim@ufma.br Tonicley Alexandre da Silva tonicley.silva@ufma.br <p>Introdução: A população está cada vez mais à procura de uma vida fisicamente ativa e uma alimentação mais equilibrada, aumentando a busca por suplementos alimentares. A creatina é um dos mais utilizados para atividade física devido seus efeitos ergogênicos. Todavia, os rótulos de suplementos devem conter todas as informações obrigatórias de acordo com a legislação. Objetivo: Analisar os rótulos dos suplementos alimentares de creatina conforme a legislação. Materiais e Métodos: Foram avaliados 26 rótulos de creatina, de 25 marcas diferentes, utilizando-se um check list próprio segundo a RDC n°243/2018. Resultados: Dos rótulos analisados 96,2% apresentaram irregularidades. As principais inadequações foram: não apresentar a designação “suplemento alimentar” em negrito (92%) e não apresentar a designação “suplemento alimentar” com tamanho mínimo equivalente 1/3 (um terço) do tamanho da maior fonte utilizada na marca do produto (69%). Além disso, não foi visto diferenças significativas entre as rotulagens das amostras presenciais e onlines. Conclusão: Diversos fabricantes ainda infringem as regras de rotulagem, sendo necessário uma maior ação dos órgãos sanitários para coibir tais práticas e garantir rótulos com informações seguras, evitando riscos à saúde dos consumidores.</p> 2023-12-28T05:40:54-08:00 Copyright (c) 2023 Pedro Luccas Moura de Araújo, Aline Guimarães Amorim, Tonicley Alexandre da Silva https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2192 O extrato de beterraba vermelha acelera a recuperação da dinâmica não linear da variabilidade da frequência cardíaca após o exercício: um estudo randomizado 2024-01-04T08:41:37-08:00 Cicero Jonas R Benjamim jonasbenjamim@usp.br Rafael Rodrigues dos Santos rafaelrsantos@usp.br Andrey Porto aa.porto@unesp.br Carlos Roberto Bueno Junior carlosrobertobuenojr@gmail.com David M. Garner davidmgarner1@gmail.com Vitor Valenti vitor.valenti@unesp.br <p>Introdução: Estudar o comportamento dos índices não lineares da VFC em situações mediadas pelo exercício pode revelar outras formas de analisar a recuperação da VFC após situações de estresse. Investigar os efeitos agudos do extrato de beterraba na recuperação autonômica após uma sessão aguda de exercícios resistidos. Métodos: Este é um ensaio randomizado, cruzado, duplo-cego e controlado por placebo. Foram avaliados 12 adultos saudáveis do sexo masculino que participaram de dois protocolos em dias randomizados: Extrato de Beterraba (600mg em cápsula) e Placebo (600mg em cápsula). Ambos os protocolos foram aplicados 120 minutos antes de uma sessão de exercício resistido (75% 1RM). A dinâmica não linear da VFC (análise simbólica, SampEn, DFA e fragmentação da FC) foi estudada antes, durante o exercício e durante a recuperação do exercício de força. Resultados: O protocolo de extrato de beterraba intensificou a recuperação da análise simbólica da VFC via índice 0V% (zero variações opostas) e 2UV% (duas variações diferentes); acelerando a recuperação da análise fractal (DFA); no entanto, não foi capaz de desencadear alterações durante a recuperação na fragmentação SampEn e HR. Conclusão: A ingestão de extrato de beterraba antes do exercício resistido melhora a recuperação autonômica dinâmica não linear da VFC após esforço físico.</p> 2023-12-28T05:39:43-08:00 Copyright (c) 2023 Cicero Jonas R Benjamim, Rafael Rodrigues dos Santos, Andrey Porto, Carlos Roberto Bueno Junior, David M. Garner, Vitor Valenti https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/2190 Perfil dos praticantes de crossfit® em relação à prevalência de uso de suplementos alimentares e esteróides anabólicos androgênicos como recursos ergogênicos 2024-01-04T08:20:16-08:00 Vanessa Comerlatto comerlattovanessa@gmail.com Priscila Berti Zanella priscila_zanella@hotmail.com Ana Lúcia Hoefel ana.hoefel@fsg.edu.br <p>Introdução: O uso de suplementos é bastante difundido em diversas modalidades esportivas como auxiliares ergogênicos, mas em muitos casos sem a devida prescrição. Objetivo: O objetivo deste estudo é investigar a prevalência do uso de suplementos alimentares e esteroides androgênicos anabolizantes entre praticantes de CrossFit e se estes foram prescritos por profissionais. Métodos: Foi realizado um estudo transversal com praticantes de CrossFit (n=217), que responderam a um questionário on-line anônimo padronizado e pré-codificado. Resultados: No geral, 50,7% dos indivíduos eram do sexo masculino e a amostra tinha idade média de 33,7 ±5,2 anos. A prevalência do uso de suplementos dietéticos foi de 60,8% e de esteroides androgênicos anabolizantes foi de 5,5%. O uso de suplementos dietéticos foi associado ao uso de esteroides androgênicos anabolizantes (p&lt;0,05). Variáveis demográficas e socioeconômicas não estiveram associadas ao aumento do uso de suplementos alimentares (p&gt;0,05). Frequência semanal de treinamento; experiência de atividade física antes do CrossFit; número de anos de prática de CrossFit e acompanhamento profissional de saúde, estiveram associados ao maior consumo de suplementos (p&lt;0,05). Conclusão: A prevalência do uso de esteroides androgênicos anabolizantes em praticantes de CrossFit (5,5%). Além disso, os indivíduos apresentavam um elevado consumo de suplementos dietéticos (60,8%) e, além disso, houve uma forte correlação entre o consumo de suplementos dietéticos e o uso de esteróides androgênicos anabolizantes.</p> 2023-12-28T05:34:53-08:00 Copyright (c) 2023 Vanessa Comerlatto, Priscila Berti Zanella, Ana Lúcia Hoefel https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1617 Perfil de adultos jovens praticantes de exercícios físicos em academias de ginástica da cidade de São Paulo 2024-01-04T08:12:50-08:00 Camila Anuar Cleim Rabah camila.rabah@gmail.com Manoela Borges Vieira e Silva manoelaborgesvs@gmail.com Maria Luisa Ramos Braidotti braidottimalu@gmail.com Renata Rissin Waiswol renar.wai@gmail.com Thaísa Lopes Rodrigues thaisa2000@hotmail.com Daniele Maria Alves Chaud daniela.chaud@mackenzie.br <p>Introdução: A busca por um corpo padrão tem se tornado cada vez mais visível na sociedade entre os adultos jovens, principalmente em razão do fácil acesso à mídia onde há uma intensa divulgação de informações. Consequentemente, tomam medidas, como dietas, suplementos e exercícios físicos, para conseguirem o que desejam. Quando não supervisionadas por profissionais capacitados, podem se tornar prejudiciais à saúde. A prática de exercícios físicos combinada com uma alimentação saudável deve visar a saúde e não somente a imagem corporal. Objetivo: Avaliar o perfil de adultos jovens, praticantes de exercícios físicos e frequentadores de academias de ginástica da Cidade de São Paulo. Materiais e métodos: Estudo transversal, realizado em academias de ginástica da cidade de São Paulo no período de agosto a novembro de 2019. Utilizou-se questionário desenvolvido e aplicado pelos próprios pesquisadores, contendo questões sobre prática de exercícios, principais tipos de alimentos consumidos, dietas, uso de suplementos, entre outros. Resultados: A maior parte frequenta academias entre 3 e 5 vezes por semana, sendo a saúde e a estética os principais motivos. Quase 50% já realizou algum tipo de dieta, indicadas, em sua maioria, por nutricionistas. Além disso, 60,9% não usa suplementos alimentares e grande parte diz ter conhecimento sobre os efeitos que podem causar no organismo humano. Dentre os consumidores, 48% dizem consumir por iniciativa própria. Conclusão: Há uma busca por equilíbrio entre alimentação saudável e a prática de exercícios pelos participantes, notando um bom consumo de todos os grupos de alimentos, exceto o de oleaginosas e cereais integrais.</p> 2023-12-28T05:33:58-08:00 Copyright (c) 2023 Camila Anuar Cleim Rabah, Manoela Borges Vieira e Silva, Maria Luisa Ramos Braidotti, Renata Rissin Waiswol, Thaísa Lopes Rodrigues, Daniele Maria Alves Chaud https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1588 Influência do acompanhamento nutricional sobre a composição corporal de indivíduos praticantes de treinamento de resistência 2024-01-04T08:07:23-08:00 Dálete Stephani Mendes Passos Santana dalete.stephani@gmail.com António José de Rezende tonimrezende@gmail.com Renata Costa Fortes renata.fortes@docente.unip.br <p>Introdução: o treinamento de resistência conduz à hipertrofia muscular por meio de maior síntese proteica induzida por sobrecargas progressivas nas fibras musculares. Entretanto, esse treinamento só apresentará resultados se estiver em conformidade com hábitos alimentares favoráveis à essa mudança. Objetivo: analisar a influência do acompanhamento nutricional sobre a composição corporal de indivíduos praticantes de treinamento de resistência. Materiais e métodos: estudo transversal analítico realizado em uma academia na cidade de Brazlândia, no Distrito Federal, entre os meses de outubro e novembro de 2019, em amostra composta por 10 indivíduos, de ambos os sexos, na faixa etária entre 20 e 42 anos, praticantes de treinamento de resistência há, no mínimo, um ano. Para a coleta dos dados, foi utilizado formulário próprio para dados antropométricos, recordatório 24 horas e questionário objetivo. Resultados: participantes com acompanhamento nutricional apresentaram menores percentuais de gordura corporal e maiores percentuais de massa magra em ambos os sexos. Conclusão: em termos de prevalência, indivíduos acompanhados por profissional nutricionista apresentaram menores percentuais de gordura corporal e maiores percentuais de massa magra, além de apresentarem uma maior circunferência muscular do braço em relação aos indivíduos que não realizam acompanhamento dietético, o que demonstra que o acompanhamento nutricional influencia positivamente sobre a composição corporal de indivíduos praticantes de treinamento de resistência.</p> 2023-12-28T05:32:56-08:00 Copyright (c) 2023 Dálete Stephani Mendes Passos Santana, António José de Rezende, Renata Costa Fortes https://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1584 Índice da qualidade alimentar de praticantes de atividade física em academia 2024-01-04T08:01:42-08:00 Renata Rodrigues Araújo renataarauujo76@gmail.com Renata Costa Fortes fortes.rc@gmail.com <p>Introdução: A alimentação tem uma relação direta na prevenção e no tratamento de doenças, assim como, na prática de atividades físicas, o que melhora a capacidade e o rendimento durante os treinos. Objetivo: O objetivo deste trabalho foi analisar o índice da qualidade alimentar de praticantes de atividade física em academia. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal descritivo, realizado em uma academia de musculação do Distrito Federal, no período de setembro a outubro de 2019.&nbsp; Foram avaliados50alunos de ambos os sexos. Foi aplicado um questionário com 5 questões, sobre a importância da alimentação saudável associada a prática de atividade física e um recordatório de 24 horas. Resultados e Discussão: Segundo o IASad 14 (28%) apresenta dieta de má qualidade, 17 (34%) precisando de melhorias e 19 (38%) dieta de boa qualidade. Conclusão: Pode-se concluir que, segundo a pesquisa realizada, o índice da alimentação dos praticantes de atividade física é adequado. Visto que a qualidade da dieta é adequada, os resultados esperados serão eminentes.</p> 2023-12-28T05:31:59-08:00 Copyright (c) 2023 Renata Rodrigues Araújo, Renata Costa Fortes