Comparação do perfil alimentar e da composição corporal de idosos sedentários com idosos praticantes de atividade física

  • Erivelton Alexandre Da Silva Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca-SP, Brasil.
  • Ana Carolina Nunes Barbosa Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca-SP, Brasil.
  • Sâmella Barcelos Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca-SP, Brasil.
  • Bruno Affonso Parenti Oliveira Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), RIbeirão Preto-SP, Brasil.
  • Fabíola Pansani Maniglia Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca-SP, Brasil.
  • Gabriel Silveira Franco Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca-SP, Brasil. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), RIbeirão Preto-SP, Brasil.
Palavras-chave: Idosos, Sarcopenia, Proteína, Exercício físico

Resumo

O envelhecimento populacional vem crescendo nos últimos anos no Brasil. Estudos apontam que uma nutrição equilibrada e a prática de exercício físico são importantes para evitar a sarcopenia e promover um envelhecimento saudável. O objetivo do presente estudo foi analisar a composição corporal e a ingestão alimentar de idosos que praticavam ou não exercício físico. Trata-se de um estudo transversal com 20 idosos de ambos os sexos divididos em dois grupos: o Grupo A com idosos sedentários e o Grupo B com idosos que realizavam exercício físico pelo menos 3 vezes por semana. As medidas antropométricas e de composição corporal aferidas foram: peso, estatura, circunferências do braço e da panturrilha e dobras cutâneas. Para avaliar o nível de atividade física, utilizou-se o questionário IPAQ e a análise do consumo alimentar foi feita por meio da média de três recordatórios alimentares de 24 horas. Houve alta prevalência de excesso de peso em ambos os grupos, apesar da ingestão alimentar insuficiente. O Grupo A apresentou idade mais avançada (p=0,001) quando comparado ao Grupo B e maior risco de sarcopenia pelos valores de circunferência muscular do braço e da panturrilha. Houve menor adequação da composição corporal no Grupo A e não houve diferença entre os grupos para o consumo alimentar. Os idosos fisicamente ativos eram mais jovens e com melhor adequação da composição corporal, independentemente da alimentação. Possivelmente, o nível de atividade física entre os idosos esteja relacionado à idade, sendo que faixas etárias mais elevada parecem dificultar a prática de exercício.

Referências

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico : estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 2018.

-Carneiro, J.A.O.; Vilaça, K.H.C.; Pfrimer, K.; Lima, N.K.C.; Marchini, J.S.; Moriguti, J.C.; Ferriolli, E. Estudo da composição corporal de idosas ativas pelos métodos óxido de deutério e antropométrico. Revista Brasileira de Cineantropométria e Desempenho Humano. Ribeirão Preto. Vol. 14. Num. 5. 2012. p. 615.

-Chastin, S.F.; Buck, C.; Freiberger, E.; Murphy, M.; Brug, J.; Cardon, G.; O’Donoghue, G.; Pigeot, I.; Oppert, J.M. Systematic literature review of determinants of sedentary behaviour in older adults: a DEDIPAC study. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity. Vol. 12. Num. 127. 2015. p.1-12.

-Chumlea, W.C.; Guo, S.; Roche, A.F.; Steibaugh, M.L. Estimating stature from knee height for person 60 to 90 years of age. Jama. Vol. 33. 1985. p. 116-120.

-Diz, J.B.M.; Queiroz, B.Z.D.; Tavares, L.B.; Pereira, L.S.M. Prevalência de sarcopenia em idosos: resultados de estudos transversais amplos em diferentes países. Revista Brasileira De Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro. Vol. 18. Num. 3. 2015. p. 665-678.

-Fisberg, R.M.; Marchioni, D.M.L.; Colucci, A.C.A. Avaliação do consumo alimentar e da ingestão de nutrientes na prática clínica. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 53. Num. 5. 2009. p.617-624.

-Frisancho, A.R. Anthropometric standards for the assessment of growth and nutritional status. Ann Arbor, Michigan. University of Michigan Press. 1990. p. 195.

-Guedes, D.P. A técnica de espessura do tecido subcutâneo. In: Guedes, D.P. (Org.). Composição corporal: Princípios, técnicas e aplicações, 2ª edição. Londrina. APEF. Cap. 4. p. 46-79. 1994.

-IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2015.

-IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015 / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro. IBGE. 2016.

-IOM. Institute of Medicine. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids. Washington (DC): National Academy Press. 2005.

-Lipschitz, D.A. Screening for nutricional status in the elderly. Primary care. Vo. 21. Num. 1. 1994. p.55-67.

-Lopes, A.C. Consumo de nutrientes em adultos e idosos em estudo de base populacional: Projeto Bambuí. Caderno De Saúde Pública. Vol. 21. Num. 4. 2005. p. 1201-1209.

-Martinez, B.P.; Camelier, F.W.R.; Camelier, A.A. Sarcopenia Em Idosos: um estudo de revisão. Revista Pesquisa em Fisioterapia. Bahia. Vol. 4. Num. 1. 2014. p. 62-70.

-Matsudo. S.; Araújo, T.; Matsudo V. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): Estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Atividade Física e Saúde. Vol.6. 2001. p.5-18.

-Milanović, Z.; Pantelic, S.; Trajkovic, N.; Sporis, G.; Kostic, R.; James, N. Age-related decrease in physical activity and functional fitness among elderly men and women. Clin Interv Aging. Vol. 8. 2013. p.549-556.

-ONU. Organização das Nações Unidas. Assembleia Mundial sobre envelhecimento: resolução 39/125. Viena. 1982.

-Pagotto, V.; Santos, K.F.; Malaquias, S.G.; Bachion, M.M.; Silveira, E.A. Circunferência da panturrilha: validação clínica para avaliação de massa muscular em idosos. Rev Bras Enferm. Vol. 21. Num. 2. 2018. p. 322-328.

-Pelegrini, A.; Mazo, G.Z.; Araújo Pinto, A.; Benedetti, T.R.B.; Silva, D.A.S.; Petroski, E.L. Sarcopenia: prevalence and associated factors among elderly from a Brazilian capital. Fisioter Mov. Vol. 31. 2018. p.1-8.

-Pereira, I.F.S.; Spyrides, M.H.C.; Andrade, L.M.B. Estado nutricional de idosos no Brasil: uma abordagem multinível. Cad. Saúde Pública. Vol. 32. Num. 5. 2016. p.150-158.

-Pfrimer, K.; Vilela M.; Resende, C.M.; Scagliusi, F.B.; Marchini, J.S.; Lima, N.K.C. et al. Under-reporting of food intake and body fatness in independent older people: a doubly labelled water study. Age and Ageing. Vol. 44. 2015. p.103-108.

-Ribeiro, A.Q.; Salgado, S.M.L.; Gomes, I.S.; Fogal, A.S.; Martinha, K.O.; Almeida, L.F.F.; Oliveira, W.C. Prevalência e fatores associados à inatividade física em idosos: um estudo de base populacional. Rev. bras. geriatr. gerontol. Vol.19. Num. 3. 2016. p.483-493.

-Siri, W.E. Body composition from fluids spaces and density: analyses of methods. Nutrition. Vol. 9. Num. 5. 1961. p. 480-491.

-Silva, T.C.L. Costa, E.C. Guerra, R.O. Resistência aeróbia e força de membros inferiores de idosos praticantes e não-praticantes de ginástica recreativa em um centro de convivência. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 14. Num. 3. 2011. p. 535-542.

-Stamatakis, E.; Davis, M.; Stathi, A.; Hamer, M. Associations between multiple indicators of objectively-measured and self-reported sedentary behaviour and cardiometabolic risk in older adults. Prev Med. Vol. 54. Num 1. 2012. p.82-87.

-Veras, R.P.; Oliveira, M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência & Saúde Coletiva. Vol.23. Num. 6. 2018. p.1929-1936.

-Vitolo, M.R. Nutrição da gestação ao envelhecimento, 1º edição, Editora Rubio. 2008. Cap. 45-49.

-Volpi, E.; Campbell, W.W.; Dwyer, J.T.; Johnson, M.A.; Jensen, G.L.; Morley, J.E.; et al. Is the optimal level of protein intake for older adults greater than the recommended dietary allowance? J Gerontol a Biol Sci Med Sci. Vol. 68. Num. 6. 2013. p.677-681.

-Wolfe, R.R. Optimal nutrition, exercise, and hormonal therapy promote muscle anabolism in the elderly. J Am Coll Surg. Vol. 1. 2006. p.176-180.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
Da Silva, E. A., Barbosa, A. C. N., Barcelos, S., Oliveira, B. A. P., Maniglia, F. P., & Franco, G. S. (2020). Comparação do perfil alimentar e da composição corporal de idosos sedentários com idosos praticantes de atividade física. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 13(82), 871-878. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1469
Seção
Artigos Científicos - Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##