Comparação entre fórmulas de estimativa do gasto energético em repouso com a calorimetria indireta em ciclistas amadores

  • Letícia Bizari Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Departamento de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.
  • Cássia Dias Machado de Sousa Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Programa de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.
  • Priscila Giacomo Fassini Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Programa de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.
  • Vivian Marques Miguel Suen Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.
Palavras-chave: Taxa metabólica em repouso, Composição corporal, Calorimetria indireta

Resumo

Introdução e Objetivo: O aumento na prática de atividade física amadora, bem como a busca de performance por esses indivíduos, objetivou-nos a avaliar se as fórmulas indicadas na literatura para a estimativa do gasto energético de repouso em atletas, calcula com precisão o gasto de ciclistas amadores, quando comparado com àquilo que é aferido pela calorimetria indireta. Materiais e Métodos: Trabalho aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Unifafibe, Bebedouro-SP. Coletados dados de peso, estatura, índice de massa corporal, circunferências abdominal e do quadril, massa de gordura e massa livre de gordura por meio da bioimpedância elétrica, gasto energético de repouso por meio da calorimetria indireta e por fórmulas indicadas pela literatura. Análises estatísticas: teste t e teste de Wilcoxon. As análises de concordância entre a calorimetria indireta e as fórmulas indicadas na literatura foram realizadas por meio de Bland-Altmann.  Adotou-se p<0.05. Resultados: Amostra: doze (12) voluntários, todos do sexo masculino, com média de idade 36,4 anos (+ 6,4). As análises de concordância entre a calorimetria indireta e as fórmulas de Harris Benedict, FAO/OMS e Cunningham, forneceram, respectivamente: r2= 0,81, r2= 0,65, r2= 0,84. Discussão: Fórmulas indicadas para atletas podem ser utilizadas em amadores, o que se torna uma ferramenta de baixo custo e confiável para os profissionais que atendem esse público, cada vez mais crescente nos consultórios de Nutrição. Conclusão: Todas as fórmulas utilizadas neste estudo são indicadas para cálculo do gasto energético de repouso em ciclistas amadores, sendo mais acessíveis quando comparadas à calorimetria indireta.

Biografia do Autor

Letícia Bizari, Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Departamento de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.

Mestre em Ciências Médicas, Doutoranda do programa em Nutrição e Metabolismo do Departamento de Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Cássia Dias Machado de Sousa, Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Programa de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.

Nutricionista, Mestranda do programa de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Priscila Giacomo Fassini, Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Programa de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.

Doutora, Pós doc do programa de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Vivian Marques Miguel Suen, Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto-SP, Brasil.

Doutora, Professora do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; Laboratório de Estudos em Nutrição, Neurociências e Metabolismo (LANNEM), Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Referências

-ACSM. American College of Sports Medicine. Nutrition and athletic performance. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 48. Num. 3. 2016. p. 543-568.

-Asencio, L.B.; García-Galbís, M.R. Ingesta energética y de macronutrientes em mujeres atletas. Nutrición Hospitalaria. Vol. 32. Num. 5. 2015. p. 1936-1948.

-Bland, J.M.; Altman, D.G. Statistical methods for assessing agreement between two methods of clinical measurement. Lancet. Vol. 327. Num. 2476. 1986 p. 307-310.

-Callway, C.W.; Chumlea, W.C.; Bouchard, C.; Himes, J.H.; Lohman, T.G.; Martin, A.D.; Micthell, C.D.; Mueller, W.H.; Roche, A.F. & Seefeldt, V.D. (1988) Circumferences. In Anthropometric Standardization Reference Manual. Champaign (IL). Human Kinetics. 1988. p.39-54.

-Cherian, K.S.; Shahkar, F.; Sainoji, A.; Balakrishna, N.; Yagnambhatt, V.R. Resting metabolic rate of Indian Junior Soccer players: Testing agreement between measured versus selected predictive equations. India. American Journal of Human Biology. Vol. 30. Num. 1. 2018.

-Fassini, P.G.; Silvah, J.H.; Lima, C.M.M.; Brandão, C.F.C.C.M.; Wichert, A.L.; Marchini, J.S. Suen, V.M.M. Indirect calorimetry: from expired CO2 production, inspired O2 consumption to energy equivalent. Journal of Obesity & Weight Loss Therapy. Vol. S5. Num. 001. 2015. p. 1-3.

-Fayh, A.P.T. Avaliação da Composição Corporal. In: Fayh, A.P.T. Manual de Atendimento Clínico em Nutrição Esportiva. Instituto de Pesquisas, Ensino e Gestão em Saúde. Porto Alegre. IPGS 2014. p. 75.

-Frayn, K.N. Calculation of substrate oxidation rates in vivo from gaseous exchange. Journal of Applied Physiology Respiratory Environmental and Exercise Physiology. Vol. 55. Num. 2. 1983. p. 628-634.

-Ferreira, F.L.; Dalamaria, L.P.; Biesek, S. Acompanhamento nutricional de adolescentes ciclistas profissionais da cidade de Curitiba-PR. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 8. Num. 46. 2014. p. 228-237.

-Ferreira, M.F.; Detrano, F.; Coelho, G. M. O.; Barros, M.E.; Lanzillotti, R.S.; Neto, J. F. N.; Portella, E.S.; Serrão Lanzillotti, H.; Soares, E.A. Body composition and basal metabolic rate in women with Type 2 Diabetes Mellitus. Journal of Nutrition and Metabolism. Vol. 2014. Num. 574057. 2014.

-Haaf, T.T.; Weijs, P.J.M. Resting energy expenditure prediction in recreational athletes of 18-35 years: confirmation of Cunningham equation and an improved weight-based alternative. PlosOne. Vol. 9. Num. 10. 2014 p. e108460.

-IOM. Food and Nutrition Board. Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids (Macronutrients). The National Academies Press. Vol. 102. Num. 11. 2002. p. 1621-1630.

-Julián-Almárcegui, C.; Gómez-Cabello, A.; González-Agüero, A.; Olmedillas, H.; Gómez-Bruton, A.; Matute-Llorente, A.; Casajús, J.A.; Vicente-Rodríguez, G. The nutritional status in adolescent spanish cyclists. Nutricion Hospitalaria. Vol. 28. Num. 3. 2013. p. 1184-1189.

-Keating, S.E.; Parker, H.M.; Pavey, T.G.; Baker, M.K.; Caterson, I.D.; George, J.; Johnson, N.A. Objectively Quantified Physical Activity and Sedentary Behavior in Predicting Visceral Adiposity and Liver Fat. Journal of Obesity. Vol. 2016. Num. 2719014. 2016. p. 1-10.

-Kolmogorov, A. Sulla determinazione empirica di una legge di distribuzione. Giornale dell'istituto italiano degli attuari. Vol. 4. 1933 p. 83-91.

-Lorenzo, A.; Di Renzo, L.; Morini, P.; Miranda, R. C.; Romano, L.; Colica, C. New equations to estimate resting energy expenditure in obese adults from body composition. Acta Diabetologia. Vol. 55. Num. 1. 2018. p. 59-66.

-Matsudo, S.; Araújo, T.; Matsudo, V.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, L.C. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Atividade Física e Saúde. Vol. 6. Num. 2. 2001.

-Mojock, C.D.; Ormsbee, M.J.; Kim, J.S.; Arjmandi, B.H.; Louw, G.A.; Contreras, R.J.; Panton, L. B. Comparisons of bone mineral density between recreational and trained male road cyclists. Clinical Journal Sport Medicine. Vol. 26. Num. 2. 2016 p. 152-6.

-Munquia-Izquierdo, D.; Mayolas-Pi C.; Peñarrubia-Lozano, C.; Paris-Garcia, F.; Bueno-Antequera, J.; Oviedo-Caro, M.A.; Alejandro, L.A. Effects of adolescent sport practice on health outcomes of adult amateur endurance cyclists: adulthood is not too late to start. Journal of Physical Activity & Health. Vol. 14. Num. 11. 2017. p. 876-882.

-Nichols, J.F.; Rauh, M.J. Longitudinal changes in bone mineral density in male master cyclists and nonathletes. Journal of Strength and Conditioning Association. Vol. 25. Num. 3. 2011. p. 727-734.

-Redondo, B.R. Resting energy expenditure; assessment methods and applications. Nutrición Hospitalaria. Espanha. Vol. 31. Num. Supl. 3. 2015. p. 245-254.

-Smirnov, N. Table for Estimating the Goodness of Fit of Empirical Distributions. The Annals of Mathematical Statistics. Vol. 19. 1948. p. 279-281.

-Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Caderno de referência para elaboração de plano de mobilidade por bicicleta nas cidades. Brasília: Programa Brasileiro de Mobilidade por Bicicleta, Bicicleta Brasil. 2007.

-Thivel, D.; Tremblay, A.; Genin, P. M.; Panahi, S.; Rivière, D.; Duclos, M. Physical Activity, Inactivity, and Sedentary Behaviors: Definitions and Implications in Occupational Health. Occupational Health and Physical Activity. Num. 6. 2018. p. 288.

-Weir, J.B. New methods for calculating metabolic rate with special reference to protein metabolism. Journal of Physiology. Vol. 109. Num. 1-2. 1949. p. 1-9.

-Wichansawakun, S.; Meddings, L.; Alberda, C.; Robbins, S.; Gramlich, L. Energy requirements and the use of predictive equations versus indirect calorimetry in critically ill patients. Appl. Physiol. Nutr. Metab. Vol. 40. Num. 2. 2015. p. 207-210.

-Wilcoxon, F. Individual comparisons by ranking methods. Biometrics Bulletin. Vol 1. Num. 6. 1945. p. 80-83.

-World Health Organization. (WHO). Global recommendations on physical activity for healthy 18-64 years old. 2011.

-World Health Organization. (WHO). Measuring Obesity: classification and Distribution of Anthropometric Data. Copenhagen, Denmark: WHO; 1989. Nutr. DU EUR/CP/National Food and Nutritional Institute 125. Apud in: Lean, M.E.J.; Han, T.S.; Morrison, C.E. Waist circumference as a measure for indicating need for weight management. BMJ. Vol. 311. 1995. p. 158-61.

-World Health Organization. (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic of obesity. Report of the WHO Consultation of Obesity. 1997.

-World Health Organization. (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World

Publicado
2021-05-19
Como Citar
Bizari, L., Sousa, C. D. M. de, Fassini, P. G., & Suen, V. M. M. (2021). Comparação entre fórmulas de estimativa do gasto energético em repouso com a calorimetria indireta em ciclistas amadores. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 13(83), 1080-1089. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1526
Seção
Artigos Científicos - Original