Variações do nível de cortisol salivar em praticantes de dança do ventre

Arlina Andressa Barcarolo, Bianca Tavares Canci, Márcia Keller Alves, Karen Olivia Bazzo

Resumo


Introdução e objetivo: Este estudo teve como objetivo avaliar o cortisol salivar de praticantes de dança do ventre antes e após a aula de dança para verificar se esta prática auxilia no alívio do estresse. Materiais e Métodos: Foram avaliadas 19 mulheres praticantes da dança do ventre que não exercitassem outras atividades físicas. Foi realizada a quantificação de cortisol salivar antes e após a aula de dança com duração de uma hora, as participantes também foram questionadas com relação ao tempo que já praticam a dança do ventre e quantidade de horas semanais praticadas. Os dados obtidos foram analisados através do teste t student pareado. Resultados e Discussão: Evidenciou-se que as participantes que praticam aulas de dança do ventre há mais de quatro anos, e as que praticam por três ou mais horas semanais, obtiverem uma diminuição significativa do cortisol salivar após o término da aula. Não foram observadas alterações significantes para praticantes há menos de quatro anos ou que participavam das aulas de dança por menos de três horas semanais. Observa-se na literatura que os níveis de cortisol salivar podem variar conforme o tipo de dança ou atividade física, sendo que o mesmo se demonstra diminuído em danças lentificadas, demonstrando que os presentes dados corroboram com estudos previamente publicados. Conclusão: Os dados sugerem que o tempo e frequência de prática têm influência na diminuição do cortisol salivar, e, por consequência, no alívio do estresse.

 

ABSTRACT

Variations of salivary cortisol level in belly dance practitioners

Introduction: This study aimed to evaluate the salivary cortisol belly dance practitioners before and after dance class to verify if this practice helps in relieving stress. Materials and Methods: It was evaluated 19 women practitioners of belly dancing who do not practice other kind of physical activities. Quantification of cortisol salivary was performed before and after the dance lesson lasting an hour, participants were also questioned regarding the time already practicing belly dancing and amount of weekly hours practiced. Data were analyzed using the t test student paired. Results and Discussion: It was demonstrated that participants who practice belly dance classes for more than four years and practicing for three or more hours per week, they obtain a significant decrease salivary cortisol after end of class. Significant changes to practitioners for less than four years or who participated in dance classes for less than three hours per week were observed. It is observed in the literature that salivary cortisol levels may vary depending on the type of dance or physical activity, and the same is shown decreased in lentificadas dances, demonstrating that the present data corroborate previously published studies. Conclusion: The data suggest that the time and frequency of practice influence the decrease in salivary cortisol, however, more research are needed to contribute data found.


Palavras-chave


Biomarcadores; Exercício físico; Linha de dança

Texto completo:

PDF

Referências


-Abrão, A. C. P.; Pedrão, L. J. A contribuição da dança do ventre para a educação corporal, saúde física e mental de mulheres que frequentam uma academia de ginástica e dança. Revista Latino-americana de Enfermagem. Vol. 13. Num. 2. 2005. p.243-248.

-Andreoli, J. S. Dança, gênero e sexualidade: um olhar cultural. Conjectura. Vol. 15. Num. 1. 2010. p.107-118.

-Arruda, A. F. S. de; Moreira, A.; Nunes, J. A.; Junior, D.R.; Aoki, M. S. Monitoramento do nível de estresse de atletas da seleção brasileira de basquetebol feminino durante a preparação para a copa américa 2009. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 19. Num. 1. 2013. p.44-47.

-Berndt, C.; Strahler, J.; Kirschbaum, C.; Rohleder, N. Lower stress sistem activity and high peripheral inflammation in competitive ballrom dancers. Biologycal Physicology. Vol. 9. Num. 1. 2012. p.357-364.

-Bôas, M. S. V.; Pereira, V. R.; Oliveira, V.; Moreira, N. B.; Fonseca, P. H. R.; Coelho, R. W. O nível de estresse de atletas de basquetebol em diferentes momentos do jogo em uma competição oficial. Revista de Educação Física/UEM. Vol. 25. Num. 2. 2014. p.203-2010.

-Garcia, M. C. Cortisol sanguíneo e salivar como indicadores de estresse. Dissertação de Mestrado. UEC. Campinas. 2008.

-Gonçalves, A.; Vilarta, R. Qualidade de vida e atividade física - explorando teorias e práticas. Barueri. Manole. 2004.

-Guyton, A. C.; Hall, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro. Elsevier. 2011. p.976-978.

-Klinke, R.; Silbernagl, S. Tratado de fisiologia. São Paulo. Guanabara Koogan. 2006.

-Lee, D. Y.; Kim, E.; Choi, M. H. Technical and clinical aspects of cortisol as a biochemical marker of chronic stress. BMB reports. Vol. 48. Num. 4. 2015. p.209-216.

-Maia, L. B.; Silva, R. M. A dança como estratégia de promoção da saúde para adolescentes. Caderno de Cultura e Ciência. Vol. 11. Num. 1. 2012. p.25-37.

-Martins, A. L.; Cortisol e testosterona salivares como biomarcadores de estresse e recuperação em atletas de corrida de aventura. Dissertação de Mestrado. UFVJM. Diamantina. 2013.

-Mc Murray, R. G.; Hackney, A. C.; Guion, W. K., Katz, V. L. Metabolic and hormonal responses to low-impact aerobic dance during pregnancy. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 28. Num. 1. 1996. p.41-46.

-Nassib, S.; Moalla, W.; Hammoud-Nassib, S.; Chtara, M.; Hachana, Y.; Tabka Z.; Chamari, K.; Elloumi, M. The IGF-1/cortisol ratio as a useful marker for monitoring training in young boxers. Biology of Sport. Vol. 33 Num. 1. 2016. p.15-22.

-Quested, E.; Bosch, J. A.; Burns, V. E.; Cumming, J.; Ntoumanis, N.; Duda, J. L. Basic psychological need satisfaction, stress-related appraisals, and dancers' cortisol and anxiety responses. Journal of Sport & Exercise Psychology. Vol. 33. Num. 6. 2011. p.828-846.

-Reis, A. C. A Atividade Estética da Dança do Ventre. Dissertação de Mestrado. UFSC. Santa Catarina. 2007.

-Rocha, M. C. P.; Martino, M. M. F.; Grassi-Kassisse, D. M.; Souza, A. L. Estresse em enfermeiros: o uso do cortisol salivar no dia de trabalho e de folga. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Vol. 47. Num. 5. 2013. p.1194-1201.

-Rocha, M. D.; Almeida, C. M. Dança de salão, instrumento para a qualidade de vida. Movimento & Percepção. Vol. 7. Num. 10. 2007. p.76-89.

-Seifi-skishahr, F.; Damirchi, A.; Farjaminezhad, M.; Babaei, P. Physical Training Status Determines Oxidative Stress and Redox Changes in Response to an Acute Aerobic Exercise. Biochemistry Research International. Vol. 2016. Num. 3757623. 2016.

-Soares, A. J. A.; Alves, M. G. P. Cortisol como variável em psicologia da saúde. Psicologia, Saúde e Doenças. Lisboa. Vol. 7. Num. 2. 2006. p.165-177.

-Uchida, M. C.; Bacurau, R. F. P.; Navarro, F.; Junior, F. L. P.; Tessuti, V. D.; Moreau, R. L. Alteração da relação testosterona: cortisol induzida pelo treinamento de força em mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 10. Num. 3. 2004. p.165-168.

-West, J.; Otte, C.; Geher, K.; Johnson, J.; Mohr, D. C. Effects of hatha yoga and african dance on perceived stress, affect, and salivary cortisol. Annals of Behavioral Medicine. Vol. 28. Num. 2. 2004. p.114-118.

-World Health Organization. Global Recommendations on Physical Activity for Health. Geneva. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui