Whey protein como alternativa de suplemento proteico para indivíduos intolerantes à lactose

  • Priscila Simone Oliveira Leitzke Faculdade Nossa Senhora de Fátima
  • Santina de Fátima Zimmermann Faculdade Nossa Senhora de Fátima
  • Bianca Tavares Canci Faculdade Nossa Senhora de Fátima
  • Márcia Keller Alves Faculdade Nossa Senhora de Fátima
Palavras-chave: Suplementação Alimentar, Soro do Leite, Lactose

Resumo

Introdução: As proteínas do soro do leite ou whey protein são extraídas durante o processo de fabricação do queijo e possuem alto valor nutricional. O teor de aminoácidos essenciais, especialmente os de cadeia ramificada, faz com que as proteínas do soro do leite sejam muito utilizadas por praticantes de atividade física de todos os níveis. Entretanto, por se tratar de um suplemento proteico de fonte láctea, vê-se a necessidade de conhecer o teor de lactose presente no suplemento. Objetivo: Analisar o teor de lactose em whey protein para verificar se o produto é uma alternativa de suplemento proteico para indivíduos com intolerância à lactose. Materiais e Métodos: Foram analisadas oito marcas nacionais do suplemento whey protein adquiridos na cidade de Caxias do Sul. As análises ocorreram no laboratório de Ciências da Faculdade Fátima e seguiram a metodologia descrita pelo Instituto Adolfo Lutz. Resultados: A análise do teor de lactose mostrou que as marcas analisadas continham teores entre 0,13 g.100 mL-1 e 0,27 g. 100 mL-1. Todas as amostras analisadas apresentam a média de teor de lactose abaixo de 0,5 g.100 mL-1. Quanto ao valor energético proveniente de proteínas, duas amostras continham valor abaixo do recomendado, que é de 50%, no mínimo.  Conclusão: Foram encontrados valores de teor de lactose abaixo de 0,5 g.100 mL-1, o que sugere que os suplementos avaliados apresentam característica de alimento para fim especial no que diz respeito ao seu consumo por portadores de intolerância à ingestão de dissacarídeos (lactose).

 

ABSTRACT 

Whey Protein as an alternative protein supplement for lactose intolerant individuals

Introduction: Whey protein are extracted during the cheese-making process and have high nutritional value. Essential amino acid content, especially branched chain proteins, makes whey proteins widely used by practitioners of physical activity at all levels. However, because it is a protein supplement of milk source, it is necessary to know the lactose content present in the supplement. Aim: To analyze the lactose content in whey protein supplement to verify if the product is an alternative protein supplement for lactose intolerant individuals. Materials and methods: Eight Brazilian brands of the whey protein supplement purchased in Caxias do Sul were analyzed. The analysis was carried out in the Faculdade Fátima Science Laboratory and followed the methodology described by the Adolfo Lutz Institute. Results: The analysis showed that the brands contained lactose levels between 0.13 g.100 mL-1 and 0.27 g.100 mL-1. The average content of lactose was less than 0.5 g.100 mL-1 in all samples. As for the energetic value from proteins, two samples contained below the recommended value, which is at least 50%. Relative to the energetic value from proteins, two samples contained below the recommended value, which is at least 50%. Conclusion: Were found of lactose content values below 0.5 g.100 mL-1, suggesting that the supplements evaluated can be considered as food for special needs regarding to their consumption by patients with intolerance to disaccharide (lactose) intake.

Biografia do Autor

Priscila Simone Oliveira Leitzke, Faculdade Nossa Senhora de Fátima
Curso de pós-graduação em Nutrição e Treinamento Físico
Santina de Fátima Zimmermann, Faculdade Nossa Senhora de Fátima
Curso de pós-graduação em Nutrição e Treinamento Físico
Bianca Tavares Canci, Faculdade Nossa Senhora de Fátima
Núcleo de Estudos e Pesquisa em Alimentos e Nutrição
Márcia Keller Alves, Faculdade Nossa Senhora de Fátima
Curso de pós-graduação em Nutrição e Treinamento Físico

Referências

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC n. 18, de 27 de abril de 2010. Aprova o Regulamento Técnico sobre Alimentos para Atletas. Brasília, Diário Oficial da União, 28/04/2010. 2010. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/RDC%2B18_2010.pdf/d6815465-e99a-477f-bb35-48b1432b380e>.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados. 2003. Disponível em: <http://anvisa.gov.br/alimentos/legis/especifica/rotuali.htm>.

-Brasil. Código de Proteção e Defesa do Consumidor. Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. 1990. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8078.htm>.

-Brasil. Lei nº 13.305, de 4 de julho de 2016. Acrescenta art. 19-A ao Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969, que “institui normas básicas sobre alimentosâ€, para dispor sobre a rotulagem de alimentos que contenham lactose. Brasília, Diário Oficial da União, 05/07/2016. 2016. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13305.htm>.

-Brasil. Portaria nº 29, de 13 de janeiro de 1998. Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, (Versão Republicada - 30.03.1998). Aprova o Regulamento Técnico referente a Alimentos para Fins Especiais. Publicada em Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 30 de março de 1998. 1998. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/anvisalegis/portarias/index98.htm>.

-Conselho Federal de Nutricionistas. CFN. Resolução n° 334, de 10 de maio de 2004. Dispõe sobre o Código de Ética do Nutricionista e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, 15/05/2004. 2004. Disponível em: <http://www.crn2.org.br/crn2/conteudo/Codigo_de_etica1423071576.pdf>.

-Conselho Federal de Nutricionistas. CFN. Resolução n° 380, de 9 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, estabelece parâmetros numéricos de referência, por área de atuação, e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, 10/01/2006. 2006a. Disponível em: <http://www.cfn.org.br/novosite/pdf/res/2005/res380.pdf>.

-Conselho Federal de Nutricionistas. CFN. Resolução n° 390, de 21 de fevereiro de 2006. Regulamenta a prescrição dietética de suplementos nutricionais pelo nutricionista e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, 22/01/2006, Seção I. 2006b. Disponível em: <http://www.cfn.org.br/novosite/pdf/res/2006/res390.pdf>.

-Haraguchi F.K.; Abreu W.C.; de Paula H. Proteínas do soro leite, suas propriedades funcionais: principais benefícios para a saúde. Rev. Nutr. Vol. 2. Num. 4. p. 479-488. 2008.

-INMETRO. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. Programa de análise de produtos: Relatório final sobre a análise em suplementos proteicos para atletas. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2014. Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade - Diviq Diretoria de Avaliação da Conformidade - Dconf Inmetro. Disponível em: . Acessado em 27/10/2016.

-Instituto Adolfo Lutz (São Paulo). Métodos físico-químicos para análise de alimentos /coordenadores Odair Zenebon, Neus Sadocco Pascuet e Paulo Tiglea. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008. p. 1020.

Publicado
2018-02-06
Como Citar
Leitzke, P. S. O., Zimmermann, S. de F., Canci, B. T., & Alves, M. K. (2018). Whey protein como alternativa de suplemento proteico para indivíduos intolerantes à lactose. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 11(67), 851-855. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/915
Seção
Artigos Científicos - Original