O impacto da pandemia por covid-19 nos hábitos alimentares dos estudantes de medicina

  • Bruna Strube Lima Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, Núcleo de Pesquisa em Ciências Médicas, investigações em saúde - NPCMed, Rio do Sul, Santa Catarina, Brasil.
  • Franciani Rodrigues da Rocha Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, Núcleo de Pesquisa em Ciências Médicas, investigações em saúde - NPCMed, Rio do Sul, Santa Catarina, Brasil.
  • Denis Guilherme Guedert Fundação Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, Santa Catarina, Brasil; Centro Universitário de Brusque, Brusque, Santa Catarina, Brasil; Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Ciências Morfofuncionais, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Renata Souza e Silva Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Ciências Morfofuncionais, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Paola de Lima Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, Núcleo de Pesquisa em Ciências Médicas: investigações em saúde - NPCMed, Rio do Sul, Santa Catarina, Brasil; Programa de Pós- Graduação em Ciências Morfofuncionais, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.
Palavras-chave: Comportamento alimentar, COVID-19, Ciências da nutrição e do esporte

Resumo

Uma boa alimentação é um dos pilares para energia e bem-estar geral, bem como para a prevenção de doenças e para o desenvolvimento físico. Este artigo teve como objetivo avaliar os hábitos alimentares dos estudantes de medicina do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (UNIDAVI) ocorrida entre os períodos pré-pandemia e pós-pandemia por COVID-19. Para a pesquisa foram selecionadas as turmas compreendidas entre o terceiro e oitavo semestre, perfazendo um total de 154 estudantes.  Os hábitos alimentares foram avaliados através do questionário “Marcadores do Consumo Alimentar”, disponibilizado pelo Ministério da Saúde. Os resultados apontaram um número de estudantes que avaliaram a sua saúde como boa e uma diminuição naqueles que a avaliaram como muito boa. Houve acréscimo na média de consumo de almoço, lanche da tarde e jantar, e decréscimo na média de ingesta de café da manhã, lanche da manhã e ceia, mantendo-se uma média de quatro refeições diárias em ambos os períodos. Em relação aos alimentos consumidos, houve aumento na ingesta de frutas, legumes e verduras, como também de hambúrgueres/embutidos, bebidas adoçadas, doces e guloseimas e comida congelada/fast food. A redução na ingesta global ficou restrita às alternativas feijão e salgadinhos/biscoitos. Por fim, visualizou-se diminuição quanto à avaliação de distrações como TV e celular permeando as refeições. Em conclusão se auferiu uma piora na percepção de saúde global, aumento no consumo alimentar geral, diminuição na frequência de refeições matinais e aumento das refeições vespertinas e conservação do número médio de refeições diária.

Referências

-Almeida, W.S.; Szwarcwald, C.L.; Malta D.C.; Barros, M.B.A.; Souza Júnior, P.R.B.; Azevedo, L.O.; Romero, D.; Lima, M.G.; Damacena, G.N.; Machado, I.E.; Gomes, C.S.; Pina, M.F.; Gracie, R.; Werneck, A.O.; Silva, D.R.P. Mudanças nas condições socioeconômicas e de saúde dos brasileiros durante a pandemia de COVID-19. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 23. p. 1-14. 2020.

-Araújo, D.S.M.S.; Araújo, C.G.S. Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 6. Núm. 5. p. 194-203. 2000.

-Azevedo, E.C.C.; Diniz, A.S.; Monteiro, J.S.; Cabral, P.C. Padrão alimentar de risco para as doenças crônicas não transmissíveis e sua associação com a gordura corporal - uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 19. Núm. 05. p. 1447-1458. 2014.

-Barrington, W.E.; Beresford, S.A.A. Eating occasions, obesity and related behaviors in working adults: does it matter when you snack? Nutrients. Vol. 11. Núm. 10. p. 1-13. 2019.

-Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466/12. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Diário Oficial da União. 12 de dezembro de 2012. Brasília. 2012.

-Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes e Recomendações para o Cuidado Integral de Doenças crônicas Não-Transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Brasília. 2008.

-Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN): Marcadores de Consumo Alimentar. Brasília. 2008.

-Feitosa, E.P.S.; Dantas, C.A.O.; Andrade-Wartha, E.R.S.; Marcellini, P.S.; Mendes-Netto, R.S. Hábitos alimentares de estudantes de uma Universidade pública no Nordeste, Brasil. Alimentos e Nutrição. Vol.21. Núm. 2. p. 225-230. 2010.

-Huang, C.J.; Hu, H.T.; Fan, Y.C.; Liao, I.M.; Tsai, P.S. Associations of breakfast skipping with obesity and health-related quality of life: evidence from a national survey in Taiwan. International Journal of Obesity. Vol. 34. p. 720-725. 2010.

-IGESP. Mindful eating: os benefícios da alimentação consciente. Disponível em https://hospitaligesp.com.br/mindful-eating-os-beneficios-da-alimentacao-consciente/. 2019. Acessado em: 30/08/2021.

-Jordan, C.H.; Wang, W.; Donatoni, L.; Meier, B. P. Mindful eating: trait and state mindfulness predict healthier eating behavior. Vol. 68. p. 107-111. 2014.

-Lerario, D.D.G.; Gimeno, S.G.; Franco, L.J.; Iunes, M.; Ferreira, S.R.G. Excesso de peso e gordura abdominal para a síndrome metabólica em nipo-brasileiros. Revista de Saúde Pública. Vol. 36. Núm. 1. p. 4-11. 2002.

-Malta, D. C.; Szwarcwald, C.L.; Barros, M.B.A.; Gomes, C.S.; Machado, I.E.; Souza Júnior, P.R.B.; Romero; D. E.; Lima, M. G.; Damacena, G. N.; Pina, M. F.; Freitas, M.I.F.; Werneck, A.O.; Silva, D.R.P.; Azevedo, L.O.; Gracie, R. A pandemia da COVID-19 e as mudanças no estilo de vida dos brasileiros adultos: um estudo transversal. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Vol. 29. Núm. 4. p. 1-13. 2020.

-Marangoni, F. Martini, D.; Scaglioni, S.; Sculati, M.; Donini, L.M.; Leonardi, F.; Agostoni, C.; Castelnuovo, G.; Ferrara, N.; Ghiselli, A.; Giampietro, M.; Maffeis, C.; Porrini, M.; Barbi, B.; Poli, A. Snacking in nutrition and health, International Journal of Food Sciences and Nutrition. Vol. 70. Núm. 8. p. 909-923. 2019.

-Ornell, F.; Schuch, J.B.; Sordi, A.O.; Kessler, F.H.P. “Pandemic fear” and COVID-19: mental health burden and strategies. Brazilian Journal of Psychiatry. Num. 42. Vol. 3. p. 232-235. 2020.

-Ruiz-Roso, M.B.; Padilha, P.C.; Mantilla-Escalante, D.C.; Ulloa, N.; Brun, P.; Acevedo-Correa, D.; Peres, W.A.F.; Martorell, M.; Aires, M.T.; Cardoso, L.O.; Carrasco-Marín, F.; Paternina-Sierra, K.; Rodriguez-Meza, J.E.; Montero, P.M.; Bernabè, G. Pauletto, A.; Taci, X.; Vsioli, F.; Dávvalos, A. Covid-19 Confinement and Changes of Adolescent’s Dietary Trends in Italy, Spain, Chile, Colombia and Brazil. Nutrients. Vol. 12. Núm. 6. p. 1-18. 2020.

-Shapiro, S.; Carlson, L.E.; Astin, J.A.; Freedman, B. Mechanisms of Mindfulness. Journal of Clinical Psychology. Vol. 62. p. 373-386. 2006

-Slavin, J.L.; Lloyd, B. Health Benefits of Fruits and Vegetables. Advances in Nutrition. Vol. 3. Núm. 4. p. 506-516. 2012.

-Souza, T.C.M.; Oliveira, L.A.O.; Daniel, M.M.; Ferreira, L.G.; Lucia, C.M.D.; Liboredo, J.C.; Anastácio, L.R. Public health nutrtion. p. 1-11. 2021.

-Srour, B.; Fezeu, L.K.; Kesse-Guyot, E.; Allès, B.; Méjean, C.; Andrianasolo, R.M.; Chazelas, E.; Deschasaux, M.; Hercberg, S.; Galan, P.; Monteiro, C.A., Julia, C.; Touvier, M. Ultra-processed food intake and risk of cardiovascular disease: prospective cohort study. BMJ. Vol. 365. p. 1-14. 2019.

-Takagi, H.; Hari, Y.; Nakashima, K.; Kuno, T.; Ando, T. Meta-analysis of relation of skipping breakfast with heart disease. The American Journal of Cardiology. Vol. 124. Núm. 6. p. 978-986. 2019.

-WHO. World Health Organization. Food and Nutrition Tips during Self-Quarantine. Regional office for Europe. WHO. 2020.

-WHO. World Health Organization. Meeting on quality of life. Geneva: WHO. 1992.

Publicado
2022-05-14
Como Citar
Lima, B. S., Rocha, F. R. da, Guedert, D. G., Souza e Silva, R., & Lima, P. de. (2022). O impacto da pandemia por covid-19 nos hábitos alimentares dos estudantes de medicina. RBNE - Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 16(97), 135-142. Recuperado de http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1978
Seção
Artigos Científicos - Original