Avaliação do consumo alimentar e composição corporal entre idosos praticantes e não praticantes de exercício físico

Giselly Maria da Costa Pimentel, Sanserai Cavalcanti da Silva

Resumo


Objetivo: Avaliar o consumo alimentar e a composição corporal de idosos praticantes e não praticantes de exercício físico. Método: estudo descritivo, de corte transversal. Para a constituição da amostra foram entrevistados 29 idosos com idade igual ou superior a 60 anos, sendo 15 praticantes de atividade física e 14 não praticantes. Aplicando para ambos os grupos dois questionários, o primeiro para a obtenção das variáveis e o segundo para analisar o consumo alimentar. Resultados: O IMC médio do G1 apresentou-se menor quando comprado ao G2 (p=0,03) e o mesmo foi observado na média da CC (p=0,03). A CP não apresentou diferença estatística entre os grupos. As características do consumo alimentar se constituíram em ingestão de salada maior que três dias na semana em ambos os grupos, a ingestão inferior a 3 dias por semana de refrigerantes e sucos artificiais totalizou um total de 100% no G1 e 21,4% no grupo 2. O consumo de doces apresentou percentual semanal inferior a 3 dias no G1 de 60% e 50% no G2. Conclusão: A relação entre o exercício físico ou a inatividade associada a alimentação pode ocasionar ao indivíduo alterações na composição corporal, podendo atuar, positiva ou negativamente, nas modificações presentes no processo de envelhecimento.


Palavras-chave


Composição corporal; Idoso; Consumo alimentar

Texto completo:

PDF

Referências


-Almeida, D. K. S.; Silva, F. O. C. A função muscular e a composição corporal na qualidade de vida do idoso: efeitos de um programa de 8 semanas de treinamento combinado. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 10. Núm. 60. p. 504-510. 2016. Disponível em:

-Beledelli, S.; Santolin, M. Avaliação da ingestão alimentar de praticantes de pilates em uma academia do norte do rio grande do sul antes e após a aplicação dos dez passos da alimentação saudável e dez passos da alimentação adequada e saudável. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 12. Núm. 70. p. 185-194. 2018. Disponível em:

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças e Agravos não transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, Vigitel 2013. Brasília: Ministério da Saúde. 2014. 164 p.

-Chaves, L.R.; e colaboradores. Estado Nutricional e consumo alimentar de idosos assistidos na estratégia saúde da família. Revista de Enfermagem UFPE on line. Recife, v. 7(12), p. 6780-9, 2013.

-Dórea, G.S.; Manochio-Pina, M.G.; Santos, D. Aspectos nutricionais de idosos praticantes de atividade física. Demetra. Vol. 10. Núm. 2. p. 347-60. 2015.

-Fernandes, I. S. N.; Mezzomo, T. R. Estado nutricional de participantes de um Centro de Atividades para Idosos em Colombo-PR. Revista da Associação Brasileira de Nutrição. São Paulo. Núm. 1. p. 46-51. 2017.

-Ferreira, M. T. O papel da atividade física na composição corporal de idosos. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Vol. 1. Núm. 1. p. 43-51. 2003.

-Frisancho, A. R. Anthropometric Standards for the Assessment of Growth and Nutritional Status. Ann Arbor, Michigan: University of Michigan Press, 1990.

-Furazo Junior, G.; e colaboradores. Alimentação e nutrição no envelhecimento e na aposentadoria. São Paulo: Cultura Acadêmica. p. 103-116. 2016.

-Lipschitz, D. A. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care Rewiew. Vol. 21. Num. 1. 1994.

-Machado, R. S. P.; Coelho, M. A. S. C.; Coelho, K. S. C. Percentual de gordura corporal em idosos: comparação entre os métodos de estimativa pela área adiposa do braço, pela dobra cutânea tricipital e por bioimpedância tetrapolar. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 13. Núm. 1. p. 17-27. 2010.

-Martins, C. Antropometria. Curitiba. 2009.

-Medeiros, C. M. R.; Coelho, C. S. C.; Guerra, M. O. Treinamento muscular na prevenção de lesões musculo-esqueleticas em idosos. Health Research Journal. Belém. Vol. 1. Num. 1. 2018.

-Nascimento, M. M.; e colaboradores. Comparação e concordância de critérios à classificação do IMC de idosas fisicamente ativas, residentes no Sertão Nordestino. Journal of Human Growth and Development. Vol. 27. Num. 3. p. 342-349. 2017.

-Pereira, L. C.; e colaboradores. A influência da composição corporal na força de homens idosos brasileiros. Revista Brasileira de Medicina e Esporte. Vol. 21. 2015.

-Pimenta, F. B.; e colaboradores. Fatores associados a doenças crônicas em idosos atendidos pela Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 20. Num. 8. p. 2489-2498. 2015.

-Polito, M. D.; e colaboradores. Efeito de 12 semanas de treinamento com pesos sobre a força muscular, composição corporal e triglicérides em homens sedentários. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Londrina. Vol. 16. Num. 2. p. 29-32. 2010.

-Previato, H. D. R. A.; e colaboradores. Associação entre índice de massa corporal e circunferência da cintura em idosas, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. Nutrição e Dietética Hospitalar. Minas Gerais. Vol. 34. Num. 1. p.25-30. 2014.

-Scherer, R.; e colaboradores. Estado nutricional e prevalência de doenças crônicas em idosos de um município do interior do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro. Vol. 16. Num. 4. p.769-779. 2013.

-Silva, M. C.; Rombaldi, A. J.; Campos, A. L. P. Ordem dos exercícios físicos aeróbio e com pesos na aptidão física de mulheres acima de 50 anos. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 12. Num. 2. p. 134-139. 2010.

-Silveira, E. A.; Vieira, L. L.; Souza, J. D. Elevada prevalência de obesidade abdominal em idosos e associação com diabetes, hipertensão e doenças respiratórias. Ciência e Saúde Coletiva. Vol. 23. Num. 3. p. 903-912. 2018.

-Souza, J. D.; e colaboradores. Padrão alimentar de idosos: caracterização e associação com aspectos socioeconômicos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro. Vol. 19. Num. 6. p. 970-977. 2016.

-Valentim, E. L.; Carrapeiro, M. M; Gurgel, D. C. Correlação entre consumo alimentar e prevalência de sarcopenia em idosos de duas cidades do Ceará. Revista de Nutrição e Vigilância em Saúde. Ceará. Vol. 3. Num. 2. 2016.

-World Health Organization. Active aging: a policy framework. Madrid: WHO, 2002

-World Health Organization. Active development: a health policy. Brasilia: Pan American Health Organization, 2005.

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization. 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui