Avaliação do conhecimento entre praticantes de atividade física e sedentários sobre os efeitos fisiológicos e adversos dos suplementos termogênicos

Daniela Amaral Santos, Luciana Fernandes Pastana Ramos

Resumo


Nos últimos anos as academias vêm ganhando cada vez mais adeptos de atividade física. Esse ambiente favorece a disseminação do uso indiscriminado de suplementos termogênicos, pois estes estão atrelados a uma mídia comercial que associa o aumento queima calórica com a perda de peso e efeitos estéticos. O aumento desse consumo causa certa preocupação aos profissionais da área da saúde, tendo em vista que a maioria dos usuários utilizam os termogênicos sem a prescrição de profissionais habilitados. Deste modo, a presente pesquisa objetivou analisar o conhecimento de praticantes de atividade física e sedentários sobre os efeitos fisiológicos e adversos dos suplementos termogênicos. O grupo de estudo constituiu-se de 52 praticantes de atividade física de duas academias de Santarém presentes nos dias e locais da coleta de dados e, 50 sedentários que estivessem nas proximidades das academias, que fizessem uso ou não de suplementos termogênicos. Os participantes responderam a um questionário auto-aplicável contendo perguntas gerais de caráter sociodemográficos, de avaliação para comprovação se sedentários ou praticantes de atividade física, além de itens específicos a respeito da utilização de suplementos termogênicos. Verificou-se que 30,4% da amostra total usavam termogênico, 64,5% não sabia relatar a quantidade ingerida, 65,7% faziam uso sem prescrição de profissionais da área da saúde. Conclui-se que o conhecimento sobre termogênicos é maior no grupo de praticantes de atividade física. A insônia representa o principal efeito adverso dos participantes e, devido a maioria utilizar os termogênicos de forma indiscriminada, faz-se necessário ações educativas com esses grupos.

 

ABSTRACT 

Evaluation of knowledge between articles and adverses of thermogenic supplements

In recent years the academies have been gaining more and more adepts of physical activity. This environment favors the dissemination of the indiscriminate use of thermogenic supplements, since these are linked to a commercial media that associates the increase of the caloric burn with the loss of weight and aesthetic effects. The increase of this consumption causes a certain concern to the health professionals, considering that the majority of the users use the thermogenics without the prescription of qualified professionals. In this way, the present research aimed to analyze the knowledge of physical and sedentary practitioners on the physiological and adverse effects of thermogenic supplements. The study group consisted of 52 practitioners of physical activity from two Santarém academies present in the days and places of the data collection, and 50 sedentary ones who were the vicinity of the academies, that made use or not of thermogenic supplements. The participants answered to a self-administered questionnaire containing general sociodemographic, evaluation for proof if sedentary or practitioners of physical activity, as well as specific items regarding the use of thermogenic supplements. It was found that 30.4% of the total sample used thermogenic, 64.5% did not know reporting the amount ingested, 65.7% without prescription from health professionals. It is concluded that knowledge about thermogenics is bigger in the group of physical activity practitioners. Insomnia represents the main adverse effect of the participants and, because most use the thermogenics indiscriminately, it is necessary educational actions with these groups.


Palavras-chave


Efeitos colaterais e reações adversas relacionados a medicamentos; Exercício; Estilo de vida sedentário

Texto completo:

PDF

Referências


-Braga, L.C.; Alves, M.P. A cafeína como recurso ergogênico nos exercícios de endurance. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 8. Núm. 3. p. 33-37. 2000.

-Clemente, V. Como tratar os doentes com insônia crônica. Revista Portuguesa de Clínica Geral. Vol. 22. p. 635-644. 2006.

-Coelho, C.F.; Mota, J.F.; Ravagnani, F.C.; Burini, R.C. A suplementação de L-carnitina não promove alterações metabólica de repouso e na utilização dos substratos energéticos em indivíduos ativos. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. Vol. 54. Núm. 1. p. 37-44. 2010.

-Gomes, C.V.; Barreto, A.S.; Almeida, M.M.; Mello, A.T.; Ide, B.N.; Santos, C.C. Uso de suplementos termogênicos à base de cafeína e fatores associados a qualidade de vida relacionada à saúde em praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 8. Núm. 49. p. 695-704. 2014. Disponível em:

-Hirschbruch, M.D.; Fisberg, M.; Mochizuki, L. Consumo de suplementos por jovens freqüentadores de academias de ginástica em São Paulo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 14. Núm. 6. p.539-543. 2008.

-Hoffman, J.R.; Kang, J.; Ratamess, N.A.; Jennings, P.F.; Mangine, G.; Faigenbaum, A.D. Thermogenic Effect from Nutritionally Enriched Coffee Consumption. Journal Int. Soc. Sports Nutr. Vol. 3. p. 35-41. 2006.

-Kubotani, G.K. Consumo de suplementos alimentares por adolescentes e adultos praticantes de exercícios físicos de uma academia de Porto Velho-RO. Monografia. Universidade Federal de Rondônia, 2012.

-Lima, H.X.F.; João, G.A.; Nascimento, K.C.; Ceschini, F.; Rodriguez, D.; Junior, A.F.; Bocalini, D. Aspectos sobre o consumo de recursos ergogênicos em academias brasileiras. Revista Brasileira de fisiologia do Exercício. Vol. 15. Núm. 1. p. 46-55. 2016.

-Lutaif, N.A.; Gontijo, J.A. Contribuição renal para a termorregulação: Termogênese e a doença renal. Brazilian Journal of Nephrology. Vol. 31. Núm. 1. p. 62-69. 2009.

-Melo, I.C.O.; Bueno, L.O.; Neto, H.P.F.; Liberali, R. O consumo de suplementos alimentares em academias de Brasília-DF. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 4. Núm. 24. p. 489-493. 2010.

-Mendes, S.V.; Troncoso, L.D.T.; Nascimento, B.S.; Muhlbauer. Estudo sobre o uso de Drogas Estimulantes entre estudantes de Medicina. Revista Científica Multidisciplinar das Faculdades São José. Ciência Atual. Vol. 5. Núm. 1, p. 02-12, 2015.

-Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 18 de abril de 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. Diário Oficial da União, 2010.

-Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 196, de 10 de outubro de 1996. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 1996.

-Muraro, C.R; Saldanha R.P. Uma revisão de literatura sobre o uso de termogênicos e seus efeitos no organismo. Revista Perspectiva: Ciência e Saúde. Vol. 1. Núm. 1. p. 85-96. 2016.

-Nogueira F.S.; Souza A.A.; Brito A.F. Prevalência do Uso e Efeitos de Recursos Ergogênicos por Praticantes de Musculação nas Academias Brasileiras: uma revisão sistematizada. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 18. Núm. 1. p. 16-30. 2013.

-Olbrich, S. R. L. R.; Nitsche, M. J. T.; Mori, N. L. R.; Neto, J. O Sedentarismo: prevalência e associação de fatores de risco cardiovascular. Revista de Ciência em Extensão. Vol. 5. Núm. 2. p.30-41. 2009.

-Oliveira, A.B.; Mapurunga, J.N.; Aguiar M.C. Consumo de Suplementos Termogênicos e seus Efeitos Adversos por Clientes de uma Loja de Nutrição Esportiva de Fortaleza-CE. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 11. Núm. 62. p. 160-167. 2017. Disponível em:

-Pellegrini, A.R.; Corrêa, F.S.N.; Barbosa, M.R. Consumo de suplementos nutricionais por praticantes de musculação da cidade de São Carlos-SP. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 11. Núm. 61. p.59-73. 2017. Disponível em:

-Pereira, L.P. Utilização de Recursos ergogênicos Nutricionais e/ou farmacológicos em uma academia da cidade de Barrado Piraí, RJ. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 8. Núm. 43. p.58-64. 2014. Disponível em:

-Schneider, C.; Machado, C.; Laska, S.M.; Liberali, R. Consumo de suplementos nutricionais por praticantes de exercício físico em academias de musculação de Balneário Camboriú-SC. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 2. Num. 11. p. 307-322. 2008. Disponível em:

-Silva, L.V.E.R.; Malbergier, A.; Stempliuk, V.A.; Andrade A.G. Fatores associados ao consumo de álcool e drogas entre estudantes universitários. Revista Saúde Pública, 2006.

-Sousa, H.C.; Ramos, L.F.P. Composição química e aspectos neurofarmacológicos de suplementos termogênicos comercializados no município de Santarém-Pará, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Oeste do Pará. Santarém/PA, 2017.

-Tockus, D.; Goncalves, P.S. Detecção do uso de drogas de abuso por estudantes de medicina de uma universidade privada. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. Vol. 57. Num. 3. 2008.

-Xavier J.G.; Barbosa J.P.; Macêdo E.C.; Almeida A.R. Perfil dos consumidores de termogênicos em praticante de atividade física nas academias de Santa Cruz do Capibaribe-PE. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 9. Núm. 50. p. 172-178. 2015. Disponível em:


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui