Análise comparativa entre o teor de cafeína informado no rótulo de suplementos para atletas em relação ao quantificado por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE)

Talita Marcela Souza, Camila Cristina Sá, Erica Talita Favaro, Glenys Mabel Caballero Córdoba, Antonio Celso Saragossa Ramos, Joseane Almeida Santos Nobre

Resumo


Introdução: Os suplementos de cafeína têm sido utilizados como recurso ergogênico, sendo seus efeitos visualizados principalmente no Sistema Nervoso Central (SNC), aumentando o estado de alerta e reduzindo a fadiga nos exercícios de resistência. Apesar do grande potencial de mercado os suplementos comercializados no Brasil esbarram no grave problema da baixa qualidade, o que vem motivando discussões para alteração da legislação Objetivo: Analisar o teor de cafeína presente em oito marcas de suplementos nacionais de cafeína para atletas e comparar com o informado nos rótulos. Materiais e Métodos: Foram adquiridas em uma loja de suplementos alimentares da cidade de Nova Odessa-SP, oito suplementos de cafeína de diferentes marcas. As amostras foram analisadas, em triplicata, pelo método de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE), no Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL). Resultados: Diferenças significativas foram encontradas em relação ao teor de cafeína apresentado no rótulo em relação ao analisado em laboratório; observaram-se teores acima de 110% e também inferiores a 80%, além do peso médio das cápsulas estarem fora dos limites de variação exigidos pelo Formulário Nacional da Farmacopeia Brasileira. Discussão: A distorção de informações presentes no rótulo devido à falta de padronização entre as cápsulas e comprimidos de cafeína não respeita o direito do consumidor, unido a esse problema o consumo indiscriminado de suplementos associado a informações não fidedignas podem acarretar em prejuízos à saúde. Conclusão: Este trabalho mostrou diferenças significativas entre o teor de cafeína informado nos rótulos de suplementos de cafeína e o determinado por CLAE.


Palavras-chave


Cafeína; Rotulagem; Suplementos nutricionais; Atletas

Texto completo:

PDF

Referências


-Bessada, S.M.; Alves, R.C.; Oliveira, M.B.P. Suplementos alimentares e bebidas à base de cafeína: Tendências de consumo para fins de desempenho e preocupações de segurança. Food Research International. Vol. 109. 2018. p. 310-319.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário Nacional da Farmacopeia Brasileira. 2ª edição. 2012. p. 224.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Instrução Normativa (IN), n° 28, de 26 de julho de 2018. 144.ed. 2018a. p. 141.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução de Diretoria Colegiada - RDC n° 243, de 26 de julho de 2018. 144.ed. 2018b. p. 100.

-Crivelin, V. X.; da Silva Chaves, R. R.; Pacheco, M. T. B.; Capitani, C. Suplementos alimentares: perfil do consumidor e composição química. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 12. Num. 69. 2018. p. 30-36. Disponível em:

-Moraes Mendes, P. H.; Marangon, A. F. C.; Fontana, K. E.; Nogueira, J. A. D. Influência da cafeína no desempenho da corrida de 5000 metros. Revista Brasileira de Nutriçao Esportiva. Vol. 7. Num. 41. 2013. p. 4. Disponível em:

-Farias, A.; Lourencini, B.; Manso, C.; Squeff, P.; Peixoto, M. O efeito ergogênico da cafeína na atividade física. Universidade Católica de Goiás. 2013. p. 3.

-Fulton, J.; Dinas, P.; Carrillo, A.; Edsall, J.; Ryan, E.; Ryan, E. Impact of genetic variability on physiological responses to caffeine in humans: A systematic review. Nutrients, Vol. 10. Num. 10. 2018. p. 1373.

-Gomes, C. B.; Sá Barreto, A. F. C.; Almeida, M. M.; Mello, A. O. T.; Ide, B. N.; dos Santos, C. P. C. Uso de suplementos termogênicos à base de cafeína e fatores associados a qualidade de vida relacionada à saúde em praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 8. Num. 49. 2014. p. 695-704. Disponível em:

-Mendes, S. V.; y Troncoso, L. D. T.; Nascimento, B. S.; Mühlbauer, M. Estudo sobre o uso de drogas estimulantes entre estudantes de medicina. Ciência Atual-Revista Científica Multidisciplinar das Faculdades São José. Vol. 5. Num. 1. 2015.

-Mendonça, M. T. C. Corrupção, liberalismo de rawls e ética como virtude em macintyre: o imperativo da moralidade prática na política. Revista Juris UniToledo. Vol. 3. Num. 01. 2018.

-Mirante, L. B.; Silva Brito, M. R.; Dias, R. M. F.; Pinto, L. C. Diferenças entre o teor de cafeína identificada com a declarada nos rótulos de suplementos termogênicos e energéticos. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 11. Num. 68. 2017. p. 954-962. Disponível em:

-Nuernberg, A. E.; Bueno, T. C. S.; Thomazzelli, F. C. S. Análise dos rótulos de suplementos para atletas comercializados em Blumenau-SC. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 12. Num. 72. 2018. p. 431-442. Disponível em:

-Pereira, L. P. Utilização de recursos ergogênicos nutricionais e/ou farmacológicos de uma academia da cidade de Barra do Piraí, RJ. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 8. Num. 43. 2014. p. 7. Disponível em:

-Pickering, C.; Kiely, J. Are the current guidelines on caffeine use in sport optimal for everyone? Inter-individual variation in caffeine ergogenicity, and a move towards personalised sports nutrition. Sports Medicine. Vol. 48. Num. 1. 2018. p. 7-16.

-Reis, E.; Camargos, G.; Oliveira, R.; Domingues, S. Utilização de recursos ergogênicos e suplementos alimentares por praticantes de musculação em academias. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 11, Num. 62. 2017. p. 219-231. Disponível em:

-Rocha, T.; Amaral, J.S.; Oliveira, M.B.P. Adulteração de suplementos alimentares pela adição ilegal de drogas sintéticas: uma revisão. Revisões abrangentes em ciência de alimentos e segurança alimentar. Vol. 15. Num. 1. 2016. p. 43-62.

-Southward, K.; Rutherfurd-Markwick, K.; Badenhorst, C.; Ali, A. The Role of Genetics in Moderating the Inter-Individual Differences in the Ergogenicity of Caffeine. Nutrients. Vol. 10, Num. 10. 2018. p. 1352.

-Xavier, J. M. G.; Barbosa, J. E. P.; Macêdo, É. M.; Almeida, A. M. Perfil dos consumidores de termogênicos em praticantes de atividade física nas academias de Santa Cruz do Capibaribe-PE. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 9. Num. 50. 2015. p. 172-178. Disponível em:


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui